*

Vibrador: conheça os tipos, restrições e tire dúvidas sobre o uso - Bolsa de Mulher

Vibrador: conheça os tipos, restrições e tire dúvidas sobre o uso

Sexóloga explica quais são os tipos à venda, qual é a forma correta de limpar e dá dicas para aproveitar bem esse brinquedinho
por Laís Peterlini

Atenção: Esta matéria contém teor sexual e é imprópria para menores de 18 anos.

Quem já descobriu as vantagens de se ter um vibrador, costuma indicar – e muito! – para as amigas. A psicóloga e sexóloga Carla Cecarello conta tudo o que você precisa saber sobre esse brinquedinho amigo.

Leia também:

Conheça as 7 posições sexuais que mais estimulam o prazer

Pênis muito grande machuca? Ginecologista esclarece

Zonas erógenas são a chave para atingir os melhores orgasmos

Tipos

Se você nunca entrou em um sex shop, vai ficar impressionada com a variedade de vibradores no mercado. Há aqueles para estimulação externa, como os bullets, que são usados na região do clitóris. “Para quem nunca teve um vibrador, a dica é começar por esses modelos que estimulam o clitóris, para ir aos poucos se familiarizando com esse tipo de brinquedo”, afirma a psicóloga e sexóloga Carla Cecarello. Esses vibradores de estimulação externa geralmente são pequenos e fáceis de carregar, como as cápsulas e as calcinhas vibratórias. O segundo tipo de vibrador é aquele que, além de estimular o clitóris, efetua a penetração vaginal. Em geral tem o formato de um pênis menor e carrega acoplado algo para estimular externamente. Por fim, há aqueles que estimulam o clitóris ao mesmo tempo em que efetuam a penetração vaginal e anal. Um dos sucessos de venda nos sex shops é o modelo “The Rabbit", que ficou famoso depois que a personagem Charlotte, do seriado Sex and the City ficou viciada no brinquedinho rotatório.

Vibrador da linha PicoBong, da LELOi AB Crédito: Divulgação/LELOi AB Vibrador da linha PicoBong, da LELOi AB
Crédito: Divulgação/LELOi AB

Causam alergia?

Para garantir que você não tenha uma reação alérgica, é bom ficar atenta ao material do vibrador. Além de ser certificado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), fique atenta se na composição do produto não tem alguma substância a qual você é alergia.

Limpeza

Depois do uso, é preciso lavar o vibrador com um sabonete neutro e secar com um pano que não solte pelo. “Os sex shops costumam ter sabonetes específicos para a higienização do vibrador e é indicado que ele seja guardado envolto no mesmo pano que foi usado para secagem”, explica Carla. Não há restrições para guardar o produto, desde que ele esteja protegido com um pano que não solte “pelinhos”.

Lubrificante

Para facilitar a penetração o lubrificante é um bom aliado! A sexóloga alerta que o ideal é usar os produtos a base de água para não correr o risco do lubrificante “corroer” o material do vibrador.

Pessoal e intransferível

Carla é enfática quando o assunto é “empréstimo” de vibradores. “Jamais, é um objeto muito pessoal que não deve ser compartilhado com outras pessoas”, ressalta. Para não correr o risco de contrair uma doença sexualmente transmissível, como herpes, é bom que cada um tenha seu brinquedinho.

O "Wake-up Vibe" é um vibrador-despertador Crédito: Divulgação/Loja do Prazer O "Wake-up Vibe" é um vibrador-despertador
Crédito: Divulgação/Loja do Prazer

 

O mesmo prazer?

A sexóloga esclarece que o vibrador é capaz de proporcionar à mulher um orgasmo tanto quanto uma relação sexual pode. “São momentos diferentes, já que com o parceiro há o beijo, a troca de carinho e de palavras, o que aumenta a intensidade do prazer em algumas mulheres, mas em questão de estímulo local o vibrador pode oferecer o mesmo prazer.

Na vida do casal

O casal pode experimentar usar o brinquedinho na relação sexual para um pouco da rotina. “É muito importante que o casal converse sobre isso antes. Jogar abertamente o que cada um acha disso e se eles se sentirão à vontade com o vibrador estimulando os dois. Surpresa nessa hora não é legal”, diz Carla.

Faça o teste e descubra como anda se apetite sexual!

Como anda seu desejo sexual?

Com o tempo, a relação pode esfriar. O casal, então, começa a ter menos momentos de intimidade e as “ousadias” na cama também não se fazem mais presentes. O que parecia passageiro, se prolonga e a situação começa a incomodar. Será que você está sofrendo do que os especialistas chamam de desejo sexual hipoativo. Responda ao teste e veja como anda seu apetite sexual.

Categoria:

Matérias Recomendadas

Facebook Comments