Depilação íntima

Nos preparativos para uma noite maravilhosa não pode faltar escova, batom, lingerie e... depilação, claro! Cera quente, fria, gilete, cavada, bigodinho, triângulo... Enfim, modelos e estilos para agradar aos convivas.

por Redação

Nos preparativos para uma noite maravilhosa na companhia do homem da sua vida, não basta roupa nova, escova, chapinha, perfume, batom, manicure etc etc… Além disso tudo, não podemos esquecer de um detalhe pequeno, mas que dá um trabalhão – e, claro, dá tesão também! Estamos falando de, ai!, depilação. Cera quente, fria, gilete, cavada, supercavada, carecone, bigodinho, triângulo, retângulo. O importante é encontrar, como dizer?, o corte e o penteado ideais para você e torcer para agradar o principal interessado. Conversamos com meninas, adeptas de diferentes shapes na cabeleira do lado de baixo do Equador, sobre como a depilação influencia nos prazeres da cama. E, claro, o que os rapazes acham disso.

Numa época de muito calor e pouca roupa, a depilação é dos poucos segredos ainda escondidos do corpo feminino. A cada peladona que sai na Playboy não faltam comentários sobre o corte de seus pêlos – ou o excesso deles. Que o diga Cláudia Ohana, que aboliu a depilação e deu nome ao estilo, digamos, mais natural dos pelos pubianos. A publicitária Márcia G. nunca aprovou o style, até ouvir um pedido do namorado. “Ele simplesmente pediu que eu parasse de depilar. Mesmo a contragosto, fui deixando crescer. Ele ficou cheio de tesão e disse que fico muito mais bonita, assim peludinha. Fazer o quê?”, relata a publicitária. Sorte a dela que se viu livre da cera e, principalmente, da dor que ela proporciona. “Agora só aparo de vez em quando, com tesoura, porque chega uma hora que o excesso de pelos incomoda. Ele reclama, quer que fique sempre comprido. Diz que fica selvagem”, conta. Sorte a dela.

Cláudias Ohanas e Veras Fishers à parte, as revistas masculinas estão cheias de símbolos sexuais que depilam cada vez mais cavado, muitas no estilo Hitler – bigodinho em cima e sem pêlo nenhum pra contar história lá embaixo. “Dói pra tirar, mas vale a pena. Fica lisinho! Já indiquei pra várias amigas que também não se arrependeram. Rola um pequeno constrangimento na frente da depiladora, por conta das posições que a gente tem que ficar. O pior é quando ela acaba e coloca um espelho pra eu dizer se ficou bom!”, relata a dentista Inês L., que faz depilação cavada com cera quente. Segundo ela, a aprovação masculina é total. “A vagina fica mais exposta, praticamente um convite ao sexo oral”, garante. Bom argumento para enfrentar a tortura, não?

Quem tem horror à cera, nem quer fazer posições ginecológicas na frente da depiladora, pode apelar para outros recursos, como faz a vendedora Caroline A. “Uso um aparelho que arranca os pêlos pela raiz. Eu mesma uso em casa, sem ter que marcar hora nem nada. Para completar, comprei uma máquina de raspar cabelo de homem que dá o retoque final”, conta Caroline, que associa a depilação ao início dos preparativos para uma boa noite de sexo. “Já começo a me excitar enquanto tiro os pêlos. É um momento de contato com o próprio corpo, de se olhar e se tocar. Quando acaba, me sinto muito mais sexy e costumo até me masturbar”, confessa a vendedora, que só ouve elogios do namorado, chamado Eduardo T. Fala, Duda: “Me dá tesão ver que ela está depilada, porque sei que ela se arrumou só pra mim. Dá uma impressão de cuidado e vaidade. Detesto mulher cabeluda”, diz ele.

Se é das carequinhas que eles gostam mais… A advogada Karina V. foi mais ousada e tirou absolutamente t-u-d-o! “Ficou lisinho, que nem de criança. Fiquei morrendo de vergonha no início, mas ele adorou, pois já tinha me pedido isso um milhão de vezes. Aí fui relaxando e deixei rolar. É uma experiência nova, parecia que eu era uma menina”, conta Karina, que realizou a fantasia do namorado. Ele ficou encantado e, segundo Karina, não tirava a mão de lá! Mas não pensem vocês que a advogada mantém a carequice sete dias por semana, não. “É muito doloroso. E depois, quando começa a crescer, fica muito feio, espetado. Aí não dá vontade de mostrar pra ninguém”, diz ela.

Para a sexóloga Marilene Vargas, a depilação e o cuidado com as partes íntimas é algo bastante positivo. “É sinal de que a pessoa se gosta, gosta de se cuidar. A mulher brasileira é conhecida por isso, pela sua vaidade e também sensualidade. Por questões genéticas, o homem ocidental é mais peludo, enquanto a mulher associa a falta de pêlos com sua feminilidade”, afirma. Agora, quando se trata de tirar tudo e fazer o estilo carecone é sexóloga é enfática. “É um exagero depilar totalmente a região pélvica e ficar com a aparência de uma menina. Isso faz com que o homem se excite com a imagem de uma criança, o que é muito negativo. Além disso, os pelos pubianos têm papel de defesa no corpo da mulher, impedindo a entrada de bactérias e fungos”, finaliza. Pelo sim, pelo não, depile-se com moderação!

×
Faça do Bolsa de Mulher
sua página incial
E também acompanhe: Newsletter