Lixo que vira arte > Lixo que vira arte

O que já não serve para você vira fonte de inspiração para muita gente

por Redação

Você já parou para pensar que grande parte daquilo que está ocupando o seu lixo agora pode ser transformado em algo diferente e inovador? Plásticos, garrafas pet, latinhas de refrigerante, tampinhas, papéis, jornais e revistas velhos, entre tantas outras coisas, podem sofrer uma bela metamorfose nas mãos de artistas talentosos. Com eles, é possível criar objetos de decoração, bolsas, acessórios, roupas, brinquedos, quadros, enfeites, bandejas e o que mais a imaginação mandar. Tudo isso com a vantagem de ajudar a reciclar uma porção de objetos que demorariam anos para se decompor e ainda preservar a natureza. Conheça a história de alguns artesãos brasileiros e suas criações em arte reciclável.

Clique aqui e veja alguns produtos desses artesãos

Bolsas para toda hora

Helena Oliveira, ex-bancária de São Luís, no Maranhão, decidiu começar a dedicar seu tempo ao artesanato depois de se aposentar, há oito anos. O hobby começou na infância. "Todo tipo de artesanato me encanta. Porém, a reciclagem tem um peso maior em minha vida, pelo bem que fazemos à natureza", afirma. Em casa, Helena faz bolsas, cintos e outros acessórios usando materiais reciclados como lacres de latinhas e garrafas pet. O resultado são bolsas diferentes e criativas, feitas à mão, que ela vende sob encomenda pela internet há cerca de um ano: "São peças que podem ser usadas em qualquer lugar e a qualquer momento, ajudando a preservar o meio ambiente". Recentemente, Helena criou um site próprio para expor seus produtos, o Ilha das Artes Recicladas. "Meus produtos têm uma aceitação muito boa e acredito que isso se deva à conscientização das pessoas sobre os problemas ambientais", afirma.

Sem limite para a criatividade

Em Guarulhos, região metropolitana de São Paulo, a artesã Consuello Matroni vai mais longe e fabrica roupas e acessórios com peças totalmente inusitadas: rolos de fita cassete, cartas de baralho, radiografias, embalagens plásticas de amaciantes, xampus e desinfetantes, copos descartáveis, fios de telefone, pedaços de brinquedos. "As matérias-primas chegam até mim por meio de amigos, vizinhos e parentes. É como se fosse uma rede de fornecedores", conta.

Para divulgar seu trabalho, Consuello promove desfiles em locais como escolas, bosques, shoppings e outros locais com grande quantidade de pessoas. Na abertura, ela dá uma palestra sobre a importância de separar o lixo reciclável do lixo comum e seu benefício para o planeta. O objetivo é fazer com que as pessoas tomem consciência da necessidade de reduzir, reciclar e reaproveitar os materiais do lixo doméstico. Os produtos, porém, não estão à venda. "Eles servem apenas para divulgar a importância da coleta seletiva", explica. Além da moda, Consuello se dedica à decoração de fachadas com tampinhas. A artista promove oficinas de reciclagem e mostras de brinquedos, roupas, vasos, flores e acessórios de moda feitos com peças reaproveitadas.

×
Faça do Bolsa de Mulher
sua página incial
E também acompanhe: Newsletter