fóruns

REVISTA

Sexo 1.625 tópicos | 19.347 repostas
batukete
15/04/2008 | 09h06m56s
Olá pessoas!

Ultimamente venho lendo alguns contos eróticos. Acho-os bem legais...
Claro, tem alguns que são muito fantasiosos mesmo, mais tem outros que parecem ser de verdade é legal ler...
Saber das experiências alheias, faz com que cresçamos e nos ensina bastanti, né?!

Este tópico é para que você deixe seu conto erótico.

Segue o ultimo que li:

\"Fazia tempo que eu vinha me masturbando com minha fantasia predileta de transar com dois homens mas agora ela eu sentia necessidasde de realmente vivenciá-la. Meu marido nem imaginava que eu sonhava dormindo e acordada com esta fantasia. Nesses 15 anos de casada (tenho 39 e ele 42) eu sabia muito bem o que deveria contar a ele e o que deveria esconder. Ele jamais admitiria ou deixaria eu participar disto…Eu só tinha 3 caminhos à seguir. Abandonar este sonho de prazer e morrer com esse desejo à flor da pele. Contar a ele e ver que merda daria no nosso relacionamento (jamais!!!) ou fazer escondida. Tudo bem, optar pelo terceiro caminho foi fácil mas como executá-lo? Não poderia sair por ai procurando dois caras para transar, muito menos sair escondida de casa, à noite indo e boates ou clubes prives…. Passei mais de 1 ano tentando bolar uma forma ou encontrar uma “escapada” mas era impossível…

Eu já estava desistindo, quando um dia uma amiga confidenciou-me que havia transado com dois rapazes, escondido do seu namorado. Contou que tudo começou porque ela havia comentado com um amigo antigo (e ex-namorado) que tinha a fantasia de transar com dois homens e ele lhe disse que por coincidência tinha uma parecida: transar com duas mulheres. Foi aí que fizeram o pacto de ajuda mútua e realizaram suas fantasias. Ele arrumou um amigo e ela foi ao apartamento dele em São Paulo (somos de Campinas) e transou com ele e o amigo. Meses depois ela arrumou uma mulher, e as duas transaram com o ex-namorado. Divida paga.

Conforme ela foi contando os detalhes da sua transa com eles – que era justamente a fantasia que eu sempre desejei realizar - percebi que meu segredo ia ter um fim minutos depois. Confessei a minha amiga que fazia anos que eu desejava passar pela mesma experiência dela e perguntei se ela se importasse se eu entrasse em contato com ele pare me ajudar. Ela não passou o número do celular dele porque ele era casado, pegaria mal se a mulher dele estivesse por perto mas passou o email e msn dele que anotei cuidadosamente e guarde escondido em uma reentrância na minha carteira como se fosse um mapa do tesouro!



Criei um email para meu marido não saber e segui os procedimentos; escrevi um email para ele, explicando que era amiga da Marcia et cetera. Ele respondeu e pediu uma foto minha. No mesmo dia a noite começamos a conversar pelo msn e marcamos no apto do amigo dele, em Moema. Agora eu estava pronta para realizar uma fantasia. Marcamos para uma tarde, pois eles não tinham problema de horarios. Mas ainda havia um problema: como escapulir durante horas para ir à São Paulo sem meu marido perceber? O melhor seria dizer mesmo que eu iria para São Paulo pois como eu estava procurando minha amiga escreveu-me um email simulando ser de uma grande empresa de São Paulo, querendo marcar uma entrevista em São Paulo. Como não é sempre que se consegue uma entrevista aos 39 anos de idade, fui muito incentivada pelo meu marido a ir a entrevista. Durante a viagem até São Paulo, fui ficando excitada, mesmo um pouco tensa. Fiquei imaginando se seria prazeroso a penetração dupla (até então eu só tinha feito com meu marido e um vibrador ao mesmo tempo). Por msn eu pedi também que gostaria que a transa não fosse muito romântica ou carinhosa, que preferia me sentir usada, abusada, comida, como uma prostituta com dois clientes. Gosto de ser tratada assim, é disso que eu gosto!

Cheguei no apartamento e fui recebida com muita cordialidade. Eles eram bonitos, educados e muito simpáticos! Para “relaxar” um pouco, ofereceram-me bebida. Aceitei vinho branco Lambrusco, que ajudou na minha coragem, minha pernas e tesão. O mais velho, que trajava terno sem gravata deveria ter um pouco mais de 40 anos, era grisalho e bonitão . O outro, um pouco mais novo, tinha cabelos loiros e trajava Jeans e camiseta. Para não citar nomes irei referi-me a eles como o quarentão e o loiro.

Conversamos um pouco sobre a estrada e outras coisas para descontrair um pouco e esvaziar a garrrafa que estava em um balde de gêlo. Notei em um canto uma caixa de camisinhas e gel KY, o que me tranquilizou muito. Enquanto bebiamos disseram que eu quisesse poderiamos somente conversar, que eu poderia desistir sem problemas. Mas como eu estava gostando bastante deles, quis continuar. Informaram-me também a palavra senha (GIRASSOL) para eu utilizar quando quisesse que a brincadeira parasse instantânemante por algum motivo (como arrependimento, dor e etc…) Explicaram que quando a pessoa está fazendo sexo, muitas vezes ela grita “não, não”, “pare, sai, socorro” mas na realidade faz parte da fantasia e a pessoa não quer REALMENTE que pare. Então como distinguir o “pare” verdadeiro do falso? Ai é que entra a tal palavra chave! No meu caso eu poderia gritar “não” à vontade, que eles não parariam, mas seu eu falasse GIRASSOL a festinha acabaria no mesmo instante! Genial essa turma! Vivendo e aprendendo. Enquanto bebiam e me observavam, combinaram entre si que parte do meu corpo seria chupado por ou por outro. No inicio não compreendi o porquê desta demarcação mas logo fique sabendo: Um não queria chupar a baba do outro, ou seja, um não queria por a boca em um seio chupado ou lambido por outro. Então o meu esquerdo seria sempre do loiro e o direito do outro. A vagina só seria chupada pelo loiro e meu ânus lambido pelo mais velhos. Com relação a penetração não falaram nada, mas depois pude perceber que meus orificios eram áreas liberadas! Tomaram suas bebidas em poucos goles e perguntaram: Vamos adiante? Disse que sim. Foi minha última palavra inteligível durante a próxima hora. …

O loiro pegou-me no colo e jogou-me na cama e começou a enfiar a mão entre minhas pernas debaixo da saia. Surpresa, reagi impedindo-o mas o quarentão segurou meus braços para cima. Percebi que o loiro iria tirar minha calcinha e lutei o quanto pude, gritando “não, não, pare” (bendita palavra mágica, rs!) e lá se foi minha calcinha. O quarentão pediu o cinto de tecido, tipo militar do mais novo e com este cinto, prendeu meus braços pelos pulsos, para o alto e abriu minha blusa subindo meu soutien, expondo meus dois seios. Em poucos segundo eu tinha dois estranhos chupando meus mamilos, não podia acreditar! Meu labios e clitóris estava desabrochando como uma flor, mesmo assim eu me debatia. O loiro desceu e arrancou minha saia deixando-me nua da cintura para baixo e a sua mercê enquanto o outro, com uma mão, segurou o cinto que prendia meus braços e com a outra mão, arregaçou meu soutien e bluza até os pulsos amarrados. Em seguida desceu e chupou meu seio (direito) enquanto acariciava o seio “do outro”. O loiro conseguiu abrir minhas pernas, se colocou no meio e chupou minha vagina e clitóris. O quarentão tirou sua calça e cueca e expôs seu pau duríssimo. Masturbou-se um pouco. Senti que eu já estava prestes a gozar, “lá em baixo” eu não agüentava mais! O quarentão forçou com seu pau meus lábios trancados para eu abrir a boca. Virei a cabeça para o outro lado. Ele me pegou pelo cabelo puxou e disse: Chupa puta! Chupa ou vou enterrar ele inteiro na sua garganta na marra. Abre essa boca sua cadela vadia. Resolvi obedecer. (Esse tipo de vocabulário desenrolou-se até o fim, mas não vou ficar escrevendo isso). Aquele pauzão na minha boca enquanto eu era chupada foi demais, me desmanchei em gozo. Mesmo relutando o loiro conseguiu penetrar-me. Suas arremetidas fortes fizeram gozar novamente… Minha mão amarrada pelo pulso estava desconfortável, formigando. Pedi para me libertarem! O quarentão desamarrou minhas mãos e disse que eu teria que obedecê-lo senão seria pior. Enquanto loiro segurou meus braços o mais velho colocou uma camisinha estranha, cheia de rugas (parecia um tatú) o que fez seu pauzão ficar maior e muito mais grosso. Ele abriu minha pernas, introduziu o membro encapado e quase me arrebentou de tanto socar. Depois gozou também. Colocaram-me sentada na cama e fizeram-me chupar a ambos que estavam em pé. A imagem daqueles dois pauzões lindos nas minhas mão, foi marcante. Ora chupava um ora o outro. Eles também se masturbavam mas não gozaram. O dois me seguraram como um saco de batatas e colocou-me deitada sobre a mesinha retangular. O quarentão em pé no chão, aos meus pés pegou meus dois tornozelos e os segurou por cima de seus ombros, com o braço esquerdo prendeu meus dois joelhos contra seu peito e com a mão direita colocou uma camisinha e passou gel anestésico no seu membro e no meu ânus, e interior! Nesta mesma posição enfiou parte do seu membro em mim. Senti um pouco de dor mas o prazer era indescritivelmente maior. O outro colocou seu pau perto do meu rosto e virou minha cabeça para ele. “Chupa vadia”. Entendi o recado e chupei. De vez em quando ele guiava minha mão indicando que queria que o masturbasse enquanto chupava… Ora queria enfiar inteiro na minha boca… Ele usava camisinha também e não fique com medo quando senti seu pau pulsando e o gozo quente saindo, por baixo da camisinha, na minha boca. Ele tirou a camisinha e foi beber. O quarentão ficou me penetrando no ânus um tempo enorme até gozar.

O loiro estava sentado no chão, apoiado na cama, bebendo e nos assistindo, então o quarentão obrigou-me a chupar o loiro, e foi beber também. De vez em quando nos olhava da mesa. Depois vestiu uma camisinha, levantou-se, deu-me também uma camisinha e obrigou-me a colocar no loiro, detalhe: com a boca! Em seguida o quarentão colocou-me sentada sobre o pau do outro, que o introduziu inteiro em minha vagina. O quarentão empurrou minha costas até eu deitar-me sobre o outro, e começou a lamber meu ânus! Que delícia! Nem meu marido havia feito aquilo antes… Estava desmanchando em prazer com sua língua e com o pau do loiro entrando e saindo quando ele parou e senti novamente o gel e um dedo sendo introduzido no meu ânus. Nossa, quanto tesão! Eu não podia acreditar: Estava realizando meu sonho: recebendo dupla penetração! Senti o quarentão enrabar-me novamente…. Minha pernas tremiam, minha vagina, útero, seios, estavam todos a 1000! O loiro apertou com força meus dois bicos e senti dor… Ele não largou e aos poucos aquela dor foi se transformando em prazer, em um incrível tesão! Gozei uma, duas, três vezes. Eles gozaram também. Levantaram e foram ao banheiro jogar as camisinhas e limparem-se. Quando pensei que tinha terminado, voltaram. Chupei ambos novamente até estaram bem duros ai revesaram, ou seja, o quarentão deitou-se sobre mim. penetrou minha vagina, girou seu corpo na cama até expor minha bunda para o alto, onde o outro já me esperava para passar gel no meu ânus…. Eu não parava de gozar mais, pensei que isso não teria fim. Pensei que ia morrer, pensei em utilizar a palavra chave GIRASSOL, mas assim que gozaram novamente (haja saúde!) levantaram-se. Um loiro foi tomar banho, e se vestir, ou outro beber… Depois quarentão foi banhar-se enquanto o loiro terminava a bebida. Ofereceram-me uma taça de vinho, mas preferi não beber, estava muito mole.

Fiquei por quase meia hora sentada no sofá da sala, sem forças, esgotada e feliz. Tomei um banho consciente que tivera a maior e mais incrível experiência da minha vida. Ao nos despedirmos o mais velho falou, “Foi legal realizar sua fantasia?” . Respondi “Nossa, você nem imagina o quanto adorei!”. Então ele falou “Ótimo, fico feliz. E se um dia você puder retribuir, arrume uma amiga e me chame pois eu adoro transar com duas mulheres.” E o loiro completou: “Ou se você souber de alguém que queira transar com dois homens, pode dar nosso contato a elas.”

Na volta para Campinas, dirigindo, eu tentava criar a mentira da “entrevista” mas meus pensamentos queriam estar com eles, lembrando aqueles momentos. Eu tinha um pouco de dificuldade de pisar na embreagem até o fundo, pois minhas pernas estavam ainda um pouco fracas.

Bem esta foi a experiência mais incrível. A emoção que antes eu sentia ao fantasiar era apenas um indício do quão emocionante era a realidade. Decidi me dar ao direito de sentir prazer e esta não será a ultima vez que eu transei com dois homens. Farei de novo! E farei outras também antes que seja tarde e eu não tenha mais saúde ou beleza para isso. \"




Lanussy
30/04/2008 | 12h40m22s
Gostei do conto. Acho que essa é uma ds maiores fantasias de todas as mulheres, diria que é 9 entre 10.





batukete
15/04/2008 | 09h14m51s
Continuação:

...Enquanto bebiam e me observavam, combinaram entre si que parte do meu corpo seria chupado por ou por outro. No inicio não compreendi o porquê desta demarcação mas logo fique sabendo: Um não queria chupar a baba do outro, ou seja, um não queria por a boca em um seio chupado ou lambido por outro. Então o meu esquerdo seria sempre do loiro e o direito do outro. A vagina só seria chupada pelo loiro e meu ânus lambido pelo mais velhos. Com relação a penetração não falaram nada, mas depois pude perceber que meus orificios eram áreas liberadas! Tomaram suas bebidas em poucos goles e perguntaram: Vamos adiante? Disse que sim. Foi minha última palavra inteligível durante a próxima hora. …

O loiro pegou-me no colo e jogou-me na cama e começou a enfiar a mão entre minhas pernas debaixo da saia. Surpresa, reagi impedindo-o mas o quarentão segurou meus braços para cima. Percebi que o loiro iria tirar minha calcinha e lutei o quanto pude, gritando “não, não, pare” (bendita palavra mágica, rs!) e lá se foi minha calcinha. O quarentão pediu o cinto de tecido, tipo militar do mais novo e com este cinto, prendeu meus braços pelos pulsos, para o alto e abriu minha blusa subindo meu soutien, expondo meus dois seios. Em poucos segundo eu tinha dois estranhos chupando meus mamilos, não podia acreditar! Meu labios e clitóris estava desabrochando como uma flor, mesmo assim eu me debatia. O loiro desceu e arrancou minha saia deixando-me nua da cintura para baixo e a sua mercê enquanto o outro, com uma mão, segurou o cinto que prendia meus braços e com a outra mão, arregaçou meu soutien e bluza até os pulsos amarrados. Em seguida desceu e chupou meu seio (direito) enquanto acariciava o seio “do outro”. O loiro conseguiu abrir minhas pernas, se colocou no meio e chupou minha vagina e clitóris. O quarentão tirou sua calça e cueca e expôs seu pau duríssimo. Masturbou-se um pouco. Senti que eu já estava prestes a gozar, “lá em baixo” eu não agüentava mais! O quarentão forçou com seu pau meus lábios trancados para eu abrir a boca. Virei a cabeça para o outro lado. Ele me pegou pelo cabelo puxou e disse: Chupa puta! Chupa ou vou enterrar ele inteiro na sua garganta na marra. Abre essa boca sua cadela vadia. Resolvi obedecer. (Esse tipo de vocabulário desenrolou-se até o fim, mas não vou ficar escrevendo isso). Aquele pauzão na minha boca enquanto eu era chupada foi demais, me desmanchei em gozo. Mesmo relutando o loiro conseguiu penetrar-me. Suas arremetidas fortes fizeram gozar novamente… Minha mão amarrada pelo pulso estava desconfortável, formigando. Pedi para me libertarem! O quarentão desamarrou minhas mãos e disse que eu teria que obedecê-lo senão seria pior. Enquanto loiro segurou meus braços o mais velho colocou uma camisinha estranha, cheia de rugas (parecia um tatú) o que fez seu pauzão ficar maior e muito mais grosso. Ele abriu minha pernas, introduziu o membro encapado e quase me arrebentou de tanto socar. Depois gozou também. Colocaram-me sentada na cama e fizeram-me chupar a ambos que estavam em pé. A imagem daqueles dois pauzões lindos nas minhas mão, foi marcante. Ora chupava um ora o outro. Eles também se masturbavam mas não gozaram. O dois me seguraram como um saco de batatas e colocou-me deitada sobre a mesinha retangular. O quarentão em pé no chão, aos meus pés pegou meus dois tornozelos e os segurou por cima de seus ombros, com o braço esquerdo prendeu meus dois joelhos contra seu peito e com a mão direita colocou uma camisinha e passou gel anestésico no seu membro e no meu ânus, e interior! Nesta mesma posição enfiou parte do seu membro em mim. Senti um pouco de dor mas o prazer era indescritivelmente maior. O outro colocou seu pau perto do meu rosto e virou minha cabeça para ele. “Chupa vadia”. Entendi o recado e chupei. De vez em quando ele guiava minha mão indicando que queria que o masturbasse enquanto chupava… Ora queria enfiar inteiro na minha boca… Ele usava camisinha também e não fique com medo quando senti seu pau pulsando e o gozo quente saindo, por baixo da camisinha, na minha boca. Ele tirou a camisinha e foi beber. O quarentão ficou me penetrando no ânus um tempo enorme até gozar.

O loiro estava sentado no chão, apoiado na cama, bebendo e nos assistindo, então o quarentão obrigou-me a chupar o loiro, e foi beber também. De vez em quando nos olhava da mesa. Depois vestiu uma camisinha, levantou-se, deu-me também uma camisinha e obrigou-me a colocar no loiro, detalhe: com a boca! Em seguida o quarentão colocou-me sentada sobre o pau do outro, que o introduziu inteiro em minha vagina. O quarentão empurrou minha costas até eu deitar-me sobre o outro, e começou a lamber meu ânus! Que delícia! Nem meu marido havia feito aquilo antes… Estava desmanchando em prazer com sua língua e com o pau do loiro entrando e saindo quando ele parou e senti novamente o gel e um dedo sendo introduzido no meu ânus. Nossa, quanto tesão! Eu não podia acreditar: Estava realizando meu sonho: recebendo dupla penetração! Senti o quarentão enrabar-me novamente…. Minha pernas tremiam, minha vagina, útero, seios, estavam todos a 1000! O loiro apertou com força meus dois bicos e senti dor… Ele não largou e aos poucos aquela dor foi se transformando em prazer, em um incrível tesão! Gozei uma, duas, três vezes. Eles gozaram também. Levantaram e foram ao banheiro jogar as camisinhas e limparem-se. Quando pensei que tinha terminado, voltaram. Chupei ambos novamente até estaram bem duros ai revesaram, ou seja, o quarentão deitou-se sobre mim. penetrou minha vagina, girou seu corpo na cama até expor minha bunda para o alto, onde o outro já me esperava para passar gel no meu ânus…. Eu não parava de gozar mais, pensei que isso não teria fim. Pensei que ia morrer, pensei em utilizar a palavra chave GIRASSOL, mas assim que gozaram novamente (haja saúde!) levantaram-se. Um loiro foi tomar banho, e se vestir, ou outro beber… Depois quarentão foi banhar-se enquanto o loiro terminava a bebida. Ofereceram-me uma taça de vinho, mas preferi não beber, estava muito mole. ...




batukete
15/04/2008 | 09h16m20s
Final...

...Fiquei por quase meia hora sentada no sofá da sala, sem forças, esgotada e feliz. Tomei um banho consciente que tivera a maior e mais incrível experiência da minha vida. Ao nos despedirmos o mais velho falou, “Foi legal realizar sua fantasia?” . Respondi “Nossa, você nem imagina o quanto adorei!”. Então ele falou “Ótimo, fico feliz. E se um dia você puder retribuir, arrume uma amiga e me chame pois eu adoro transar com duas mulheres.” E o loiro completou: “Ou se você souber de alguém que queira transar com dois homens, pode dar nosso contato a elas.”

Na volta para Campinas, dirigindo, eu tentava criar a mentira da “entrevista” mas meus pensamentos queriam estar com eles, lembrando aqueles momentos. Eu tinha um pouco de dificuldade de pisar na embreagem até o fundo, pois minhas pernas estavam ainda um pouco fracas.

Bem esta foi a experiência mais incrível. A emoção que antes eu sentia ao fantasiar era apenas um indício do quão emocionante era a realidade. Decidi me dar ao direito de sentir prazer e esta não será a ultima vez que eu transei com dois homens. Farei de novo! E farei outras também antes que seja tarde e eu não tenha mais saúde ou beleza para isso. \"


Espero que tenham gostado e agora, espero o conto de vocês.

Até mais





dayanecg_aquariana
29/04/2008 | 17h53m13s
Fantasia 10...

Parece que a gente se põe no lugar e se imagina lá...rsrs...Será q realmente é bom assim...
pra essa resposta só fazendo né?!



claudiavgs
16/04/2008 | 13h28m31s
Fantasia muito legal e tb gostaria de realizar uma nesse formato



batukete
16/04/2008 | 16h42m59s
Independente de criar, ou citar o que leu... este tópico foi feito para postagem de contos!

Vamos meninas, deixem fluir suas idéias!!!
kkkkk





lillyL
24/04/2008 | 15h52m28s
Amei!!!!!!!!!!!!! há muito tempo não entrava nesse fórum porque andava fraco de mais!! delirei com esse conto! como ultimamente não tenho lido muito, não tenho nenhum para postar agora, mas gostaria que vcs me indicassem sites, revistas que tenham contos bacanas como esse!! ui mto bommmmmmmmmmmmmmmmm



Karolindinha_sagitariana
24/04/2008 | 17h45m54s
Esse conto realmente foi sensacional!!!!!
Gostei da inciativa e da sua coragem...
é uma fantasia que tenho tb, espero um dia ter a coragem de realizá-la
a sensação me pareceu muito boa, só lendo dá pra ficar bem excitada...
espero encontrar mais contos tão bons como o seu por aki...




eugen_music
24/04/2008 | 23h03m47s
Se era pra mandar um conto erótico... aqui vai um...



Numa tarde quente...

A tarde é quente, nestas épocas em que todos os dias cai uma chuva de lavar a alma.

Eu ando pela casa meio agitada, os pensamentos incontroláveis em você...

Ai quantas saudades dos teus beijos. Saudade dos teus braços, de ouvir fazer-me promessas ao ouvido, que só você pode cumprir.

Sorrio andando sozinha e saio para o jardim pisando a grama fresquinha sob os meus pés.

Me sento no gramado olhando o céu enquanto o vento que traz chuva balança a folhagem à minha volta, arrancando petalazinhas das flores delicadas.

Me dá uma vontade irresistível de me deitar, e eu me deito.
A grama pinica, se metendo na trama da camiseta e do short, fazendo eu me lembrar que preciso perder a mania de não usar calcinha.

Fico ali deitada de braços abertos, sentindo aquela estranha carícia da relva, um pouco incômoda, mas tão gostosa.

As nuvens pesadas se juntando mais e mais, e uns trovões ao longe.

Assim como estou, totalmente inerte, entregue, morta de saudade e de desejo, sinto uns pingos esparsos de chuva se chocarem contra meu corpo e penso que preciso voltar para dentro de casa, me abrigar, mas estranhamente, vou sentindo um arrepio a me percorrer o corpo e levantar de mansinho os pelinhos todos.

Vem chegando aquele cheirinho de terra molhada, de chuva, e os pingos vão aumentando.

Ai que saudade de você amor!

Quanto desejo...

E alguns pingos de chuva vão escorrendo pela minha perna e adentram a virilha, me tirando um gemido baixinho porque... ai meu doce...

Eles me lembram tua língua, que segue lenta e resolutamente para as minhas entranhas.

Chego mesmo a soluçar, sentindo a chuva me colar a camiseta ao corpo. Então eu a tiro, quero sentir a chuva em meu corpo como carícia. Não imaginava o quanto a chuva sabe acariciar. Parecem os teus dedos leves e experientes.

E fechando meus olhos, corro minha mão pela barriga, descendo pelo ventre, e deslizo os dedos entre as pernas, com tudo por ali a pegar fogo... quente, muito quente.

A chuva aumenta, os pingos vão ficando mais grossos e eu... eu estou toda molhada.

Os pingos grossos batem no rosto com força e o viro para o lado, enquanto eles passam a tamborilar em minha orelha, causando aflição, pois parecem pequenas mordidas.

Ai meu doce! Sinto, mesmo sem ver, você vir chegando, engatinhando pela grama, enquanto com minha mão que está livre acaricio a grama e toco as flores pequeninas e pegajosas da bela-emília branca , com seu cheirinho adocicado, como cheiro de sexo.

Sua boca sobe pela minha perna, adentrando a parte interna da coxa e eu tremo, nem sei mais se de frio ou excitação, só sei que não consigo me conter, gemendo como uma gata no cio.

Sua língua me explora, parece que mora em mim, de tanto que conhece meus caminhos.

Ah! Venha beber água de chuva em meu umbigo, e sentir como estão duros os bicos dos meus seios.

Minha boca te espera, espera sentir o teu gosto, gosto do teu membro intumescido, pronto para me penetrar.

Não resisto a ficar de quatro para você.

Quero que me veja assim, dócil e mansa, esperando que me segure firmemente pela cintura e me faça sua, num ritmo suave, constante, firme, progressivo... enquanto chamo por teu nome pedindo: - Faz assim meu querido! Assim...

Eu me agarro à grama, e enquanto te sinto em mim num vai e vem sem fim, penso que não poderia haver ninguém, além de você, que me tire esses suspiros, que me faça ir assim ao delírio.

Ah meu amor!

O prazer vem... vem em contrações de início suaves, mas que vão crescendo, aumentando, me invadindo das pontas dos dedos aos últimos fios de cabelo.

E eu grito, te chamo e suspiro...

Venha ter prazer comigo! Venha meu bem!

Corra a mão pelo meu corpo e segure os meus seios, assim como você sabe fazer, docemente... só você.

Eu não posso agüentar! Vou me deixar morrer...

Em suas carícias eu vou morrer de prazer.

E assim ajoelhada sobre o gramado, com a chuva a me banhar, os dedos metidos pelo meio das pernas, deixo correr uma lágrima pelo canto do olho. Uma lágrima quente, bem diferente do resto de todo o meu corpo, que está gelado embora o prazer.

Com a respiração voltando ao normal, olho em volta e me dou conta de minha solidão, e do tamanho de minha imaginação.

Isso é culpa da falta que você me faz.

Recolho lentamente minhas roupas do chão e volto para dentro de casa, molhando o chão ao entrar.

Antes de correr para o banho consolador, pego o telefone e disco seu número.

O telefone toca uma, duas, três vezes e a sua voz macia diz alô...

Sinto meu corpo todo arrepiar enquanto o frio me faz tremer.

Tremem meus lábios e não conseguem responder ao seu alô.

Você não é homem para mim, embora o tanto que eu te adore.

Não posso tê-lo, e ouvir a tua voz só faz rolarem outras lágrimas... desligo então.

Vou para o meu banho com a certeza de que é a você que eu amo...

Vou vivendo minha vida com essa certeza.



LuaAzul
27/04/2008 | 22h31m47s


Na verdade, escrevo contos em um blog... Quem quiser ler, o endereço é www.desconfidences.zip.net....

Beijos pra todos!!! E depois vou escolher um para postar aqui...




batukete
29/04/2008 | 08h30m21s
Muito bem meninas!!!
Isso mesmo... deixemos a criatividade fluir... soltemos as feras \"reprezadas\" pela sociedade!

Breve mais um...
Ok?!

Bjk\'s



batukete
29/04/2008 | 08h35m13s
Sempre digo que é no trabalho que passamos grande parte de nossa vida e foi com um colega que vivi uma experiência maravilhosa, inesquecível... Quando ele estava por perto, eu sentia uma atração muito forte e ao aproximar-me dele, sentia um fogo me consumindo... Mas ele fazia o tipo durão então acabava tudo em brincadeira.

Eu não parava de sonhar com aquelas mãos bem cuidadas e macias - que eu tanto desejava - em meu corpo, em beijar sua boca perfeita pequena e bem definida, como eu gosto. Os anos se passaram e ele se casou e eu também. Com o tempo percebi que estava despertando algo nele. Em um belo dia ele me pediu um presente de aniversario e eu, diante de um pedido tão maroto, não pude resistir e disse que daria o que ele quisesse. Ele pediu então marcamos de nos encontrar na sexta depois do expediente.

Inventei algo no serviço e fui para o encontro. Quando entrei no carro ele estava tremulo e sua voz falhava. Eu não estava diferente, mas conseguia controlar um pouco mais. Fomos para um motel, e quando entramos no quarto pensei \"Agora é só eu e ele\". O fogo que sempre sentia por ele tomou conta de meu ser e pude ver nos olhos dele o desejo por mim. Sem pressa nos aproximamos. Em um beijo muito ardente e ofegante nos tocamos e nos deixamos envolver, um beijo, uma mordida, um esfrega de pernas e eu me enroscando em seu corpo. Eu o queria, queria ser dele, ser tomada por aquele homem lindo, cheiroso e gostoso, depois, abri sua calça e toquei seu membro duro, latejante e chupei seu pau e quanto mais chupava mais sentia tesão e ficava molhada. Ele tocava meus seios e foi me levando até sua boca depois lentamente beijava meu pescoço alternando com mordidas no bico de meus seios e sua mão acariciando minha buceta, minha tara foi aumentando e ele enlouqueceu ainda mais. Quanto mais ele me tocava mais eu queria, então ele começou a fazer sexo oral em mim, eu sentia vontade de mordê-lo de sentar em seu pau e quando já não agüentava mais disse a ele que o queria dentro de mim . Então ele me jogou em cima da cama e disse: \"Você quer? Você quer?\". \"Eu quero, eu quero!\" eu respondi. Estava molhada e louca, sedenta de paixão. Ele ficou esfregando seu pau em mim enquanto eu o arranhava, o beijava. Eu levantava meu corpo pedindo, implorando por penetração. Ele me empurrou na cama, prendendo-me, olhou no fundo de meus olhos com ar bem safado enquanto enfiava aquele pau quente. Enfiava, tirava e eu me debatia tentando fazer movimentos, mas ele não deixava. \"Você quer mais sua cachorra, safada, puta sem vergonha?\" e eu dizia: \"Quero gozar!\" Mas antes ele me colocou de quatro e foi metendo com tanta intensidade que eu não pude mais segurar. \"Vou te foder com tanta força que você vai gritar como uma louca!\" ele dizia. Eu abri minhas pernas o quanto pude, empinei o bumbum e falei: \"Vem, vem com tudo!!!\". E foi à penetração mais gostosa que já tive até hoje com aquele caralho me comendo. Esbaldei-me com aquele corpo quente de pele macia, até sentir uma onda, uma sensação, um turbilhão de prazer explodir por todo meu corpo. Só parei quando senti toda aquela porra quente e gostosa por todo meu corpo e então novamente suguei aquele pau até ver ele duro novamente para começar tudo de novo. Foi tão gostoso que até hoje não paramos e inovamos cada vez mais, cada trepada é uma sensação uma experiência maravilhosa.




dayanecg_aquariana
30/04/2008 | 10h19m08s
Nossa esse conto arrasou...Tudo de maravilhoso...
Vc estad e parabens!!!




Cellymore
30/04/2008 | 11h34m21s
adorei os contossss..... realmente maravilhososs...
fiquei com muita vontade de estar no 1º conto!!!!
é minha maior fantasia.... e está a flor da pele... rsrsr
mas não posso... meu namorado não aceita de jeito algum!!!

o que fazer??

beijos a todas... e mchavesI, vc está de parabénsss.. criatividade a 1000!!!!



LILA21L
30/04/2008 | 15h19m08s
Realmente..todos estao de parabéns!! o 1° conto é perfeito...
dois pauzoes enormes deve ser maravilhosooooo..aff que tesao ...
eu amo dar o cu...acho uma sensação incrivel..
mais tenho mta curiosidade em transar com uma mulher...AMO HOMEM, NAO SOU LESBICA..APENAS TENHO ESSA CUIOSIDADE!!!



batukete
05/05/2008 | 13h22m13s
Meninas...
Segue mais um...

Estava viajando há apenas uma hora, quando meu carro pifou. A viagem pro interior duraria duas horas e meia. Parei no acostamento e fiquei esperando alguém aparecer. Meia hora depois uma mulher dirigindo um jeep, parou ao meu lado e botando a cabeleira negra pra fora perguntando se eu queria ajuda. Quando desceu do carro, não disfarcei minha admiração. Que mulher linda! Devia medir quase um metro e oitenta, olhos maravilhosos, corpo perfeito, apesar de ser do tipo gostosona, com coxas grossas, seios fartos e bumbum empinado. Depois de olhar o carro e não descobrir nada, ela ligou no celular para alguém pedindo um reboque e ficou aguardando comigo dentro do carro. No conforto do ar condicionado e ao som de uma música romântica falamos das nossas vidas. Formada em administração, morava numa fazenda perto dali, viúva e sem filhos, tinha paixão por cavalos. Enquanto ela falava não tirava os olhos da minha boca e de vez em quando descansava a mão bem cuidada na minha coxa que estava dobrada no banco. Naquele momento achei que, como Bárbara falava gesticulando muito, fosse apenas força do hábito. Uma semana mais tarde descobrir que não era bem assim. Nos encontramos no auditório onde eu fui fazer uma palestra sobre criação de cavalos árabe, e ela estava sentada na primeira fila. No início aquele olhar me deixou sem jeito, depois me concentrei e a esqueci, coisa quase impossível já que ela descruzava e cruzava as pernas várias vezes, exibindo, coxas deliciosas. Uma sensação muito forte dentro de mim teimava em dizer, que a safada não usava calcinha. Na pausa para o almoço, fomos juntas para o restaurante, e ela convidou-me para jantarmos na sua fazenda no sábado, me surpreendi aceitando imediatamente sentindo logo depois que não deveria ter feito aquilo. Não vou me estender contando as preliminares, vou direto ao ponto. Naquele sábado conheci o sexo na versão de uma mulher. Bárbara uma lésbica por opção fez do meu corpo o prato principal do jantar. A maneira dela, seduzir-me foi sutil, feminina, com classe e gentilezas, mas na hora do sexo se transformou numa fêmea sem papas na língua, sem pudor e nenhuma vergonha. Lambeu, chupou e comeu minha carne com uma fome animal. Os orgasmos foram maravilhosos, onde os gemidos e os gritos ecoaram assustando os cavalos nas baias, pois uma das nossas transas aconteceu no seleiro. Bárbara arrancou minha roupa, deixando-me apenas com uma calcinha minúscula. Fazia muito frio e os biquinhos dos meus seios estavam durinhos, Bárbara lambeu delicadamente, depois sugou um de cada vez, enquanto eu tentava despi-la. Puxei seus cabelos com força quando senti uma mordida num dos seios, colei minha boca na dela sugando com prazer sua língua macia.Ela gemeu dentro da minha boca e retribuiu a carícia...



batukete
05/05/2008 | 13h23m31s
Nossos corpos se juntaram num abraço gostoso e sensual, esfregamos os seios e os quadris enquanto eu sentia minha língua ser mordida deliciosamente por Bárbara, enlouquecendo meus sentidos. Uma mão, segurando meu pescoço, a outra desceu até minhas coxas acariciando-as antes de afastar minha calcinha já molhada por lado e suspirar quando tocou meu sexo depilado. – Ah, sou louca por xaninha lisa! Falou penetrando dois dedos na minha gruta quente. Ficamos assim por um tempo, até a safada sentar sedutoramente num fardo de feno, e chamar por mim. Ela abriu as pernas, me deixando pasma! Sua buceta era imensa e sem nenhum pêlo, apenas uma borboleta tatuada no púbis. Passando os dedos na entrada da xota, bateu em cima do grelo e o ofereceu pra mim. – Vem amor, vem chupar buceta, vem! Estremeci com a possibilidade real de saborear um gosto tão familiar.Cheirei
seu perfume de fêmea no cio, lambi seu ventre liso antes de abocanhar seu sexo quase animal, que de tão inchado, abria-se formando uma concha enfeitada com um clitóris avantajado. Amei sua buceta ardentemente, rápida nas lambidas e bem devagar nas chupadas, mordi, dei beijos curtos fazendo-a soluçar de tesão, os chupões molhados no grelo fizeram-na gritar num orgasmo louco, onde até os cavalos, creio que sentindo o cheiro de fêmeas no ar, resfolegavam excitados querendo cruzar. Colhi todo o mel que pingava, enxugando sua gretinha trêmula e deixando-a dengosinha. Após alguns minutos, Bárbara fez-me sentar numa sela especial. Uma espécie de boca do amor esperava meu sexo quando eu encaixei na montaria. Minha xota depilada e molhada acomodou no vibrador. Ela ligou a principio devagar depois foi aumentando a velocidade me enlouquecendo de tesão. Sentou atrás de mim, colando seus seios nas minhas costas e esfregando seu sexo na minha bunda. Abraçou-me tocando meus seios enquanto beijava meu pescoço, virei-me de encontro a sua boca gostosa, sugando e mordendo seus lábios, minha excitação era tamanha que eu pulava na sela erótica. Bárbara tocou meu ventre acariciando sem pressa, mudando a velocidade do vibrador, ora rápido, ora devagar. Levantei um pouco o corpo jogando a cabeça pra trás, numa agonia pré-orgástica. Passou os dedos na minha rachinha quente, sentindo o líquido viscoso que brotava, tilintou o grelo inchado com o dedo indicador, provocando um grito rouco da minha garganta. – Que tesão gata! Está toda meladinha, sinta o sabor delicioso da sua bucetinha gostosa! Enfiou os dedos lambuzados na minha boca fazendo-me chupá-los. Me surpreendeu depois dando uma palmada forte na minha buceta. Gemi, chamando-a de malvada. – Vem cá, vem, quero sentir sua buceta na minha! Ela sentou de frente pra mim, encaixando ali seu sexo excitado no viibrador. Roçamos vigorosamente nossos corpos agora suados. Beijamos novamente, enquanto ela murmurava palavras obscenas nos meus lábios.- Fode gostoso, fode, fode essa bucetinha gostosa, depois quero comê-la toda meladinha até vê-la gozar na minha boca. Puxou minhas pernas encaixando nossos sexos. – Roça, querida, roça seu pinguelo na minha buceta, roça! Levantou os quadris ficando paradinha, apenas recebendo minhas investidas. Bati o grelo na sua bucetona carnuda esfregando gostoso e, sendo incentivada por ela. – Roça, roça sua buceta na minha, roça! Estava quase gozando quando a safada pulou fora, fez-me sentar num fardo de feno de frente pra ela. Continuou sentada na sela, agora aumentando a velocidade do vibrador, puxou minhas pernas e foi subindo lambendo e mordendo por entre as coxas. Comecei a gozar antes dela chegar até meu sexo. Os espasmos chegaram fortes e eu gritei, Bárbara continuou seu caminho sem pressa de olhos fechados levando uma eternidade para tocar com sua boca entreaberta, meu grelo gritante. Ela soprou, lambeu e depois mamou toda a minha buceta úmida enquanto eu gozava. Rebolei a bunda facilitando a penetração de dois dedos dela no meu cuzinho e estremeci com as chupadas da sua boca deliciosa, Bárbara se divertia mordendo e chupando ao redor, depois enfiando a língua dura na minha greta molhada. – Fode, gostosa, fode minha buceta, fode! Gritei ao mesmo tempo em que, rebolava o ventre com vontade. Segurando minhas pernas com força, Bárbara prendeu meu clitóris entre os lábios, esticando e soltando fazendo-me ter orgasmos múltiplos, enquanto com a buceta encaixada no vibrador subia e descia, batendo o grelo na sela erótica. Soltou minha buceta e abriu a boca toda melada, gozando ruidosamente.




batukete
05/05/2008 | 13h25m44s
Quando o momemnto passou, fiquei sem
graça com a intensidade da nossa foda, e saí correndo chorando muito. - Júlia, júlia, acorda amor! Está tendo um pesadelo. Abrir os olhos, olhando espantada para meu marido ao meu lado na cama. Me aconcheguei no seu peito forte, não acreditando ainda, que tudo não havia passado de um sonho. Um sonho que fez aguçar minha fantasia em transar com outra mulher.

FIM!!!!!!!!!

Espero que este vcs tbm gostem!!!

Vamos meninas... POSTEM!!!
Libertem-se do preconceito no qual a sociedade nos limita e deixem suas fantasias fluirem, afinal, pelo menos aqui não há porque sermos recriminadas!!!


Bjus e até a proxima!!!




batukete
07/05/2008 | 11h47m14s
Oi meninas....
Preciso de atualizações... vou pesquisar mais esse fds e mando depois.
Segue mais um!!!!

Êhhhhh!!!!!

Na escola o comentário que rolava entre as meninas era sobre o pai da Paula, diziam que ele era um gato e estava separado da mãe da minha amiga o que aumentava ainda mais o nosso assanhamento. Eu ainda não conhecia os pais de Paula porque eles tinham pouco tempo na cidade, mas desde o dia que ela veio morar perto de mim que nos tornamos amigas inseparáveis e fiéis.

Paula era uma garota tímida e por isso não tinha muitos amigos. Na época eu estava com 17 anos e ainda era virgem, não porque queria, mas porque não tinha tido coragem de me entregar para um garoto qualquer, eu queria uma pessoa mais velha e experiente do que eu ! Marquei de ir pela primeira vez na casa de Paula para estudarmos para a semana de provas na escola. Cheguei lá e toquei a campainha, ninguém atendeu, então toquei de novo. Esperei um tempo e um homem forte, todo suado e só de short veio me atender. Fiquei parada por um breve momento adimirando aquele corpo quando ele me perguntou:
- Você deve ser a Cíntia? Pode entrar, Paula me falou que você viria. Eu sou o Marcos, pai dela.
Não consegui responder nada... Eu estava surpresa em ver como ele era gostoso. Não podia acreditar que aquele homem tesudo era o pai da minha melhor amiga! Entrei tentando disfarçar a minha surpresa. Ele me levou até a sala e falou:
- Desculpe te atender assim, eu estava malhando. A Paula teve que sair com a mãe dela, mas não deve demorar, ela me pediu pra te fazer compainha. Vou tomar um banho e volto já. Você bebe alguma coisa?
- Bebo sim! Qualquer coisa ! ( eu precisava beber algo... )
- Tudo bem, vou trazer um whisky.
- Pra mim está ótimo!
Ele saiu me olhando diferente, parece que tinha notado o meu espanto. Eu estava com uma mini-saia e uma blusinha curta sem sutien. Notei que ele parou na porta e ficou olhando para os meus seios. Não demorou muito e trouxe a bebida.
- Volto já ! Me espere !
Claro que vou esperar!! Pensei comigo. Fiquei bebendo enquanto ele foi para o banheiro. Eu estava muito excitada e aquele copo de whisky tinha feito com que eu me sentisse mais desinibida.

Ele estava demorando, então fui devagarinho até a porta do banheiro que estava encostada. Sem um pingo de medo fui abrindo devagarinho e vi aquela cena fantástica! Ele se ensaboando e deixando a mão deslizar pelo corpo como se estivesse me convidando para um banho com ele! Nessa hora o telefone tocou e eu voltei correndo para a sala. Ele apareceu na porta do banheiro e me pediu para atender. Era a atendente do consultório médico dizendo que a Paula tinha pedido para avisar que iria demorar. Eu pensei:
- E agora o que faço? Vou embora ou fico com esse homem gostoso mais um pouco?
Decidi ficar. Quando ele saiu do quarto me perguntou quem era no telefone e eu disse que tinha sido engano. Eu queria ficar ali, queria pelo menos roubar um beijo daquela boca linda. Ele sentou do meu lado e começamos a conversar. No início só falamos bobagens, tentando nos conhecer, mas depois a conversa tomou outro sentido. Ele me perguntou:
- Você tem namorado?
- Não. Nunca tive.
- Então você é virgem?- Ele me perguntou chegando mais perto de mim. Eu já estava no segundo copo e ele também. Fiquei toda arrepiada e nem cheguei a responder, quando derrepente ele colocou a mão embaixo da minha saia e ficou alisando minha buceta. Eu estava assustada, mas parecia que ele lia a minha mente e falou:
- Não se preocupe, vou te ensinar tudo. Você vai gostar, eu tenho certeza! Ele tirou a minha saia e minha blusa. Fiquei só de calcinha tentando me esconder atrás dos meus braços, mas ele me segurou com força e me puxou pra perto dele me dando um beijo molhado! Tirou a minha calcinha e me jogou no tapete em cima de algumas almofadas. Abriu as minhas pernas e enfiou a língua no meu pinguelinho ! Passava a língua pra cima e pra baixo e eu já não aguentava mais... Gozei na boca dele dando gritos e me contorcendo toda. Ele tirou o short e me puxou pelos cabelos, colocou aquele pau enorme na minha frente e perguntou se eu já tinha chupado um cacete antes. Eu disse que não, então ele enfiou na minha boca e mandou que chupasse como um sorvete! Ele ainda segurando o meu cabelo, enfiava o caralho na minha boca e tirava me ensinando como eu devia fazer. Aprendi rápido e comecei a fazer um boquete naquela vara gostosa. Senti aquela porra quente descer pela minha garganta e sem descansar ele me colocou de quatro e disse que ia enfiar devagarzinho e que eu não tivesse medo. Eu estava relaxada mas um pouco preocupada com a grossura daquele caralho!! Ele segurou na minha cintura e foi enfiando devagar. Quando a cabecinha já tinha entrado, ele enfiou de vez e sem pena ! Eu gritei e ele começou a me fuder igual um cavalo no cio! ( Até hoje nunca vi uma resistência daquela... ) Eu gritava e gemia feito uma louca e quanto mais ele me ouvia gemer, mais ele enfiava. Ele parou por um instante e foi no quarto dele, quando voltou notei que trazia um gel ( que até aquele dia eu não sabia o que era ! ). Me deitou no chão de frente pra ele, lambuzou meu cuzinho com aquele gel e disse que ia me fazer uma mulher completa! Eu relutei um pouco, mas ele me convenceu chupando os meus seios e delirando de tesão enquanto passava o dedo no meu cú. Colocou as minhas pernas sobre os seus ombros e foi enfiando bem devagar. Eu gemia de dor e prazer ao mesmo tempo, e quando ele conseguiu me penetrar, eu pedi a ele pra enfiar de vez e me comer violentamente. Ele estocava aquele cacete em mim e gozei de novo. Ele parecia estar em transe, gemia e enfiava a vara em mim até que tirou do meu cú e esporrou me melando toda de gala. Ficamos ali deitados, tentando nos recompor da maratona e ele me perguntou se eu tinha gostado. Disse a ele: - ADOREI!- Tinha matado a minha vontade de ser comida pela primeira vez por um homem mais velho. Tomei um banho com ele e fui embora. Continuei me encontrando com ele às escondidas sem que minha melhor amiga desconfiasse até o dia em que eles se mudaram de cidade (uns 3 anos depois ) e hoje depois de 10 anos ainda sonho com o dia em que aquele homem maravilhoso me fez mulher!!




Angélica_capricorniana
08/05/2008 | 08h33m33s
estou adorando ler esses contos, espero q continuem postando mais...
e vou deixar aqui minha contribuição, li esse conto em um dos sites indicados aqui msm no fórum...
Depilo minha xaninha a bastante tempo. Meu marido adora ver minha periquitinha lisinha. Mas houve uma vez que foi especial. Fazia minha depilação em um grande salão, de 15 em 15 dias. Porém, a funcionária que era responsável foi demitida e não me adaptei a outra que foi colocada em seu lugar. Conversando com uma amiga, ela me indicou outra pessoa que atendia em casa e fez ótimas referências. Liguei para a depiladora e marquei hora. No dia e hora marcados, meu marido me levou até a casa da moça, pois eu mesmo havia ficado receosa por não conhecer seu trabalho. A casa era legal. Tinha uma decoração sensual, com cores suaves e calmas. Assim que chegamos, a depiladora nos recebeu e se apresentou. Era uma morena linda, de seios generosos e cabelos pretos, longos e lisos. Tinha um sorriso de menina sapeca. Logo que a vi meu corpo ficou quente. Não sabia o que esperar, pois a recomendação de minha amiga era que ela, a depiladora, era muito boa. Entramos e meu marido ficou aguardando na sala, enquanto eu me dirigi ao quarto para iniciarmos minha seção de depilação. Havíamos combinado fazer tudo: sobrancelha, axila, perna, virilha e cavada. Assim que entrei, a depiladora pediu que eu tirasse toda a minha roupa. Isso já bastou para me deixar molhadinha. Ela estava jaleco com sutiã, mas dava para ver seus seios durinhos. Ao me deitar sobre a mesa, já não mandava mais no meu corpo. Imaginava o que poderia acontecer. Estava a ponto de explodir. Deitei e ela começou a me depilar. Seus seios esfregavam em mim, o que aumentava ainda mais o meu desejo. Suas mãos eram macias. Ao deslizar sobre meu corpo, sentia uma vontade de quero-mais. Mostrar minha xaninha para ela me encheu mais ainda de tesão. Quanto mais ela me alisava, com mais tesão eu ficava. Quando terminei, coloquei um roupão e fui até a sala falar com meu marido. Disse que estava louca para transar, pois havia ficado excitada durante a depilação. Comecei a beijá-lo enquanto ele me acariciava sobre o roupão. Para minha surpresa, a depiladora estava parada na porta observando. Como sou safadinha, fingi que não percebi e continuei acariciando meu marido, agora já passando a mão em sua pica dura. Quando meu marido viu a menina pediu desculpas. “Sem problemas. O show pode continuar” respondeu a depiladora. Foi à deixa. Começamos a nos lamber e beijar. Eu sabia que minha xana peladinha era o centro das atenções. Meu marido levantou meu roupão e alisava minha xaninha, peladinha como ele gosta. Coloquei seu pau pra fora e comecei a mamar loucamente. Eu estava com tanto tesão que queria mais. Pedi que ele me colocasse de quatro e estocasse o mais fundo possível. Meu pedido foi atendido de pronto! Quanto mais ele metia, mais eu gostava. Depois de algumas metidas, meu marido me encheu de seu leite quente e gostoso. Mais eu queria mais. Sentei no sofá com as pernas abertas e perguntei de ela podia fazer mais alguma coisa por mim. A depiladora se aproximou, tirou o roupão e começou a chupar minha xaninha cheia de leitinho quente. Meu marido deu o pau para que eu chupasse de novo. Logo percebi que ele queria que eu tivesse a minha vez. Pedi à depiladora que me metesse o dedinho na minha xana e prontamente fui atendida. Estava nas nuvem. Chupava um pau gostoso e metia com uma gostosa. Não demorou muito e gozei loucamente. Havia chegado minha vez. Nunca tive uma gozada tão gostosa. Quando terminei, tomamos um gostoso banho e me arrumei para voltar pra casa. Agora, marco uma nova secção para cada 15 dias.
Esperem q gostem, e assim q tiver mais tempo procurarei outros e postarei aqui e espero tbm ler mtos outro...bjs



batukete
19/05/2008 | 11h28m23s
Muito boa!!!
Diferente... gostei!!!

Vamos meninas.... postem suas fantasias em forma de contos eróticos!!!!

Segue mais um:
Casada há um ano e meio, jamais havia feito sexo anal. Meu marido sempre insistindo e eu recusando. – Não amor, dói muito, lembra quando tentamos? Seu pau além de grande é muito grosso, vai acabar rasgando meu cuzinho. Eu sempre dizia pra ele, todas as vezes em, que tocava no assunto do bendito sexo anal. Quando ele completou 32 anos, resolvi presenteá-lo com meu anelzinho virgem. Afinal se eu não fizesse com ele, não faltaria mulher pra dar, já que meu marido Antônio, além de muito bonito, é gostoso, sensual e bastante macho. Ele é daquele tipo de homem que, puxa a cadeira pra mulher sentar, abre a porta do carro, gentil em mandar flores e sempre paga a conta. As mulheres ficam se derretendo quando ele está por perto.

No dia do seu aniversário viajamos pra Curitiba, ficamos hospedados num apartamento maravilhoso de um amigo, mas preferi ir pra um motel. Decidi ser bem sacana uma verdadeira garota de programa. Saímos pra jantar e depois fomos dançar numa boate até as duas da manhã. No caminho pro apartamento o convidei pro motel, surpreso e feliz aceitou na hora. Desci do carro carregando uma sacola. Antonio perguntou o que era aquilo, e eu disse que ele ia gostar.Entramos na suíte, grudadinhos um no outro e aos beijos. Quando ele tentou me despi não deixei. – Surpresa, amor! Espera aqui que já volto, enquanto isso vai abrindo o campanhe.

Quinze minutos depois, pedi pra ele apagar a luz. Fui até uma cadeira e me sentei de costas pra onde ele estava. Antonio ficou de boca aberta quando viu a maneira como eu estava vestida. Sandálias de salto bem alto, meias até as coxas, calcinha fio dental, valorizando meu bumbum empinado e durinho, um body justíssimo com soutien meia taça, deixando metade dos seios fartos a mostra, maquiagem forte, tendo o cuidado de soltar os cabelos longos e encaracolados e no pescoço um colar de perólas que ele havia me dado na noite de núpcias. – Você está deliciosa, amor! Falou ele me agarrando. – Calma, amorzinho, o show é meu. Coloquei uma música erótica, aceitei a taça de champanhe que ele me oferecia e comecei um strip-tease, deixando meu marido louco de tesão. Eu sabia do poder que meu corpo exercia sobre ele, principalmente porque nos amávamos muito. Enquanto dançava bebi mais duas taças.

Tirei toda a sua roupa e babei quando vi seu membro duro. Me despi sensualmente no ritmo da música ficando apenas de calcinha. Ele veio com o pau não mão já querendo me comer, não deixei. Sentei na borda na piscina de hidro e pedi pra ele entrar na água. Peguei espuma de barbear e afastando a calcinha pro lado massageei os pelos da buceta bem devagar. Antonio gemeu excitado e perguntou: - O que você quer fazer comigo, pelo amor de Deus? Peguei o barbeador e comecei a depilação lentamente. Antonio segurou seu cacete que estava enorme, e passou a acariciá-lo. Pensei em deixar só um caminho até o clit, mas ele pediu pra ficar toda carequinha. Quando terminei, minha vagina estava dilatada e o grelinho havia dobrado de tamanho. Ai Antonio não agüentou mais. Veio até mim e lavou minha buceta com carinho. Puxou minhas coxas e enfiou sua cara entre elas. Dei um beijo demorado na minha gruta molhada como se ali fosse minha boca e sugou delicadamente meu grelo como se fosse minha língua. O tesão foi demais e gozei na sua boca demoradamente. Nos beijamos e entre seus lábios eu disse: Fode meu cuzinho, fode? – Tem certeza? Perguntou ele visivelmente excitado. Respondedo à sua pergunta, fui até a mesinha e peguei na bolsa um pote com mel, debrucei na borda da banheira e lambuzei meu cuzinho virgem. – Chupa meu cuzinho, chupa? Antônio lambeu todo o mel que escorria, chupou meu cuzinho até ele começar a abrir, dando passagem para sua língua, um dedo e depois pra dois dedos. Quando sentiu que eu estava preparada, lambuzou seu cacete e meu botãzinho com um gel e devagar foi forçando passagem. Senti uma dor terrível e pensei em recuar. Mas ele não deixou, debruçou sobre minha costas, mordendo meu pescoço, acariciando meus seios e depois meu grelo, ao mesmo tempo que me seduzia com palavras ternas. Senti a cabeça do pau entrar e procurei relaxar. Olhei pra Tv e uma mulher chupava a buceta de outra, enlouqueci de tesão e comecei a dizer palavras obscenas. – Fode, fode esse cu, fode!, Come meu rabo, come, amor! Antonio penetrou mais um pouco e eu pedia mais. – Bate na minha bunda, bate! – Mete tudo, mete! Antonio deu várias palmadas no meu bumbum me deixando com mais tesão. Me pegou pela cintura e foi andando até os degraus da piscina, engatado em mim, fomos até uma cadeira. Sentou e eu fiquei por cima. A sensação do membro no meu ânus, foi inesquecível, me senti preenchida totalmente. Gozamos juntinhos. Antonio massageou meu grelo, atenuando a dor, na hora do gozo, bateu na minha buceta várias vezes, me fazendo gritar de prazer ao receber as golfadas nas minhas entranhas. O pau demorou pra amolecer, ficamos namorando até sentir os últimos espasmos. Antonio puxou o membro meio duro pra fora e o barulho foi de uma garrafa sendo aberta, mesmo assim teve o cuidado de meter dois dedos na minha buceta, disse que era amenizar na hora de tirar o pau do meu cuzinho. Me agradeceu todo feliz e eu disse que tinha amado comer meu cu e agora nós íamos foder sempre.

Tomamos um banho juntos e dormimos umas duas horas, acordei com ele me beijando e depois descendo a boca até meu sexo. Chupou minha bucetinha depilada demoradamente, depois trocou de posição e fizemos um sessenta e nove. Amo mamar no seu pau, ficamos assim até explodirmos na boca um do outro, bebi todo o seu mel e ele colheu o meu. – Sou louco por você Alicia, e amo me embriagar nessa bucetinha gostosa. Dizendo isso, colou sua boca na minha buceta e a beijou deliciosamente, me fazendo soluçar e gozar de novo.





nova resposta

Você
:D


Avise-me quando houver novos comentários nessa matéria