Dona de casa, sim!

Elas não fogem da luta. Cuidam da casa, dos filhos e do marido!

por Redação

Por falta de alternativa melhor ou por real vocação pra coisa, tem muita mulher fora do mercado de trabalho e lá dentro do hortifruti, ou seja, são donas de casa. As condições do serviço não são das melhores: elas não tem horário fixo, nem salário e muito menos férias. Mas chato mesmo é ouvir dos amigos, nem tão queridos assim, que elas não fazem nada. O quê??? Mesmo com auxílio de uma empregada doméstica, cuidar da casa e dos filhos não é mole – trata-se de uma ocupação estressante e muito pouco reconhecida. Há quem se mostre bastante satisfeita por poder acompanhar o crescimento dos filhotes de perto, fazer cursinhos e cuidar de si – essas são chamadas, às vezes injustamente, de dondocas. Mas muitas se sentem frustradas e pouco produtivas, enquanto suas amigas conquistam os melhores cargos (e também algum dinheiro) no mundo lá fora.

Dizem que a gente nunca está satisfeita com o que tem: quem é dona de casa fica doida pra arranjar um emprego, enquanto quem trabalha fora quer mais é largar tudo e dar uma de "Amélia", como a advogada Márcia Galvão. Mesmo depois de ser mãe, a prioridade de Márcia sempre foi a carreira e os estudos. "Quando a minha filha completou seis meses, já voltei a trabalhar com força total. Hoje percebo como fui negligente com ela, uma vez que quase não ficávamos juntas. Eu trabalhava tanto que, quando chegava em casa, ela já estava dormindo", confessa.

Eles foram treinados para o papel de provedor e, por puro machismo, transferem toda a responsabilidade da casa e da criação dos filhos para a mulher.

Essa história teria um final infeliz, não fossem as férias de um mês em que a advogada pôde curtir a filha fulltime. "Ela já estava com cinco anos e foi praticamente um sonho: fazia passeios, contava histórias, a colocava pra dormir. Foi aí que resolvi deixar o escritório", conta a ex-advogada, admitindo que seu padrão de vida caiu muito, contando apenas com a renda do marido, mas nenhum bem material é tão valioso como o contato próximo com a filha.

Taí um ponto importante: la plata. A dona de casa Joana Santana que o diga! "Quando me casei, tranquei a faculdade e virei esposinha. No inicio, foi legal, ajeitei nossa casa toda, fiquei malhada e loira, sabia de todos os programas que passavam na TV. Mas ter que pedir dinheiro até para comprar uma revista na banca é complicado. Ele não é meu pai, mas meu marido", desabafa Joana, com a promessa de que vai voltar aos estudos no semestre que vem. "É uma longa caminhada. Tenho que estudar, arranjar um estágio, me formar… Ainda falta muito pra ficar independente financeiramente. Se o casamento acaba, vou ficar com uma mão na frente e outra atrás", diz.

Para quem não tem grandes preocupações com o saldo bancário, a maternidade pode servir como desculpa para deixar a carreira de lado. A publicitária Neide Ferreira optou por abandonar a agência assim que engravidou pela primeira vez. "Não pensei duas vezes. Detestava o que fazia e a gravidez caiu como uma luva para jogar o diploma pro alto", lembra. Hoje, três filhos depois, confessa sentir falta de trabalhar e ter outras responsabilidades. "Não é pelo dinheiro, mas sim pela sensação de estar produzindo. Tomar conta das crianças é maravilhoso, mas me sinto 100% apta a acumular as funções. Poderia trabalhar fora e ainda assim ser uma boa mãe. Do jeito que está, é como se eu estivesse me subaproveitando", comenta Neide, que anda procurando um emprego para se sentir mais útil e recuperar o tempo perdido – mas não é tão simples assim…

Nem sempre a carreira de dona de casa é seguida por opção. O mercado de trabalho apronta das suas para manter a mulher no lar doce lar, como aconteceu com a secretária Manoela Tavares. "Trabalhei a minha vida toda, até que empresa faliu da noite pro dia! Aí fiquei de molho sem conseguir arranjar um novo emprego", conta Manoela, que no início chegou a entrar em depressão, por não ter o que fazer. A secretária conta que seu casamento ficou por um fio, tamanha choradeira interminável dentro de casa. "Fui me habituando e aprendi a usar melhor o tempo, entrei em cursos como de artesanato e jardinagem – só coisas que gosto e ainda posso aplicar no meu dia-a-dia. A verdade é que meu marido está adorando ter sua mulherzinha só pra ele, cuidando de tudo, toda perfumada quando ele chega", comenta.

Segundo o psicólogo e terapeuta empresarial Ricardo Estevam, a maior parte dos homens quer mais é manter a mulher dentro de casa. "Eles foram treinados para o papel de provedor e, por puro machismo, transferem toda a responsabilidade da casa e da criação dos filhos para a mulher. Isso é bastante cômodo, porque se algo der errado, a culpa é sempre da dona de casa, que não teria cumprido a sua parte direito", afirma, acrescentando ainda que na cabeça masculina, quando a mulher trabalha fora aumentam as chances de traição.

Por questões de criação, muitas estagiárias de "Amélia" têm como sonho de vida casar e ter filhos, sem enxergar o trabalho doméstico como algo menor. Já quando a mulher é "do lar" por conta das dificuldades do mercado de trabalho ou por não ter com quem deixar as crianças, a situação fica um tanto mais complicada. "Ao abandonar seus projetos, ela pode se sentir frustrada e sofrer depressão, ter problemas sexuais, de obesidade ou desleixo com cuidados pessoais e até crise no casamento", explica. Ao ver do terapeuta, gostar das tarefas domésticas não é nenhum crime, mas é necessário buscar aprender coisas novas diariamente para, no futuro, não se arrepender de ter jogado a vida fora – pelo contrário, se orgulhar do próprio crescimento intelectual. Ricardo dá sugestões para não virar uma pessoa "cri-cri" (que só fala de criança e criado). "A sociedade cobra que a mulher evolua e é bom mesmo que ela não se acomode. Para isso, se não quiser ou puder entrar no mercado de trabalho, sugiro que ela estude, leia jornais, acompanhe os filhos, faça cursos… O que não pode é só saber discutir sobre receita culinária", conclui.

Comentários

  1. disse:

    na realidade isso acontece mesmo…antes de casar e ter meu filho minha auto estima era outra…agora me sinto como se fosse um lixo…só fico trancada dentro de casa ouvindo comentarem minha vida como se eu fosse uma escrava que faz e ainda nã está bom…acham que é mole!!!!

  2. disse:

    Tenho 31 anos e sou casada pela segunda vez, tenho 4 filhos e “sou do lar”. Apesar de me realizar como mãe e administrar todo o orçamento e ficar com a decisão final em tudo me sinto frustrada por não ajudar a conquistar o “pão nosso de cada dia”. Meu marido reconhece meu esforço e me elogia bastante, mas, o problema sou eu mesma. Quando tenho de fazer um cadastro e perguntam minha profissão minha amargura é tanta que chego a gritar por dentro. Gostaria de poder ouvir meu filho falar: “Minha mãe é juíza, advogada….” Por enquanto não tenho tempo pra correr atrás de um diploma, tenho 2 bebês, mas, ainda vou chegar lá. Devo isso a mim mesma.

  3. disse:

    Meu nome é Erica, tenho 50 anos e jovialidade de 30, sou formada em Direito, casei com 25 anos tive dois filhos que agora estão com 21 e 23, uma moça e um rapaz, sempre optei por ser mãe em primeiro lugar, e o trabalho profissional só começava depois que os dois iam para a escola a tarde aí sim ia para o escritório no centro do Rio sendo que eu morava em Niterói, ficava no escritório ou no forum até às 17 horas, já chegava lá as 14 horas, eram só 3 horas de dedicação a profissão, e isso não é nada pra quem quer se realizar profissionalmente e assim foi por anos até que mudamos por força de trabalho do meu marido para Portugal onde estive por 3 anos, tentei voltar à profissão mas estava difícil, fuii fazer um curso de turismo e virei agente de viagens free lancer, com o aumento do dolar a profissão não foi adiante, mas sempre em primeiro lugar a família, há 4 anos atrás meus filhos já eram adultos fui trabalhar em uma empresa era supervisora de atendimento, foi ótimo desta vez me entreguei de corpo e alma, porque´já ninguém dependia de mim fisicamente, foram 3 anos ótimos em minha vida falava o dia inteiro conhecia muitas pessoas resolvia problemas o tempo todo, tinha uma equipe super afinada era ótimo, só que em 2003 a empresa foi vendida e fiquei desempregada, até hoje, voltei a ser dona de casa, só que não tenho mais as atribuições que tinha quando meus filhos dependiam de mim levar na natação no balé no judo,e etc… então todos saem par tralalhar e eu fico fico sózinha o dia inteiro com meus cachorrinhos que fazem companhia, mas continuo a procura de um trabalho para preencher meu tempo e ter meu dinheirinho para comprar meu tonalizante, porque é constrangedor voce ter que depender de alguém para ir ao cabeleirero, se tivesse investido mais em minha profissão do que na família hoje não estria aqui me queixando, dá para dividir muito as tarefas sem voce se alienar, apesar de ter criado bem meus filhos e ter formado um firme carater em cada um, e ter mantido um casamento feliz, será que tenho do que me queixar????????????????????

  4. disse:

    Tenho 32 anos, sempre trabalhei.
    Em 2002 optei em parar e ser dona-de-casa para ter nosso bebê, pois me sentiria muito desconfortável em deixá-lo com alguém estranho ou em escolinha. Não temos nenhum parente por perto, estão há .1000km de distância! Somos muito sozinhos…
    infelizmente, não é tudo o que se planeja que dá certo, neste período estive grávida por duas vezes e não tive a felicidade de ter um bebê. Agora sinto um pouco de frustração por ter deixado o emprego e pior, não ter conseguido ser mãe.
    Espero em Deus que um dia irá me agraciar com essa bênção, vamos tentar novamente e ainda penso em não voltar a trabalhar para poder desfrutar de todos os momentos com nosso bebê.

  5. disse:

    Wilma
    Tenho 55 anos e sempre fui dona de casa. Criei 4 filhos, não tive ajuda de empregadas e sempre ajudei meu marido, tanto no trabalho dele quanto nos estudos, pois quando casamos ele não era formado. Sempre administrei a casa em todos os sentidos, pois meu marido é daqueles que só entra com o dinheiro, as outras responsabilidades são minhas. Nunca fez nada dentro de casa, sempre exigiu tudo na mão e a hora que desejasse. Sou uma mulher bonita e os amigos dele sempre me elogiavam e isso o deixava orgulhoso. Hoje, meus filhos estão formados e têm vida própria, só a caçula ainda mora comigo, pois é universitária. Ainda sou uma mulher bonita, cuidada e as pessoas não acreditam que tenho 55 anos, mas meu marido por várias vezes me trocou por garotas de 20 anos, chegava a dizer que estava trocando uma de 50 por duas de 25. Sofri muito, hoje ele me abandonou de vez, mudou-se para outro estado para trabalhar e aos poucos foi se afastando. Quando aparecia vinha cheio de atenções como se tudo estivesse bem entre nós, mas quando voltava tornava-se um desconhecido. Hoje sou eu que não o quero mais, cansei de ser usada e estou reestruturando minha vida e aprendendo a viver só. Ele agora se sente abandonado e só, reclama com os outros que eu não o quero mais, mas não vou voltar atrás. È dificil arrumar um trabalho, mas vou me virando fazendo salgados e conto com ajuda dos filhos, pois ultimamente, além de não dar notícias não manda mais nem o dinheiro das despezas.
    O problema de ser dona de casa é esse, quando se fica velha, é trocada por uma mais nova e é descartada sem direito a aposentadoria ou pensão.

  6. esro disse:

    SE VOCE QUE SE OCUPAR, PRAZEROSAMENTE TRABALHANDO 2 HORAS POR DIA E TENDO UMA RENDA SATISFATORIA, LIGUE PARA MIM.
    PESSOAS SERIAS E RESPONSAVEIS QUE GOSTAM DE TRABALHA COM O PUBLICO.
    TEL 3364-9602/9678-7370

  7. disse:

    Ana Luiza, 26 anos, gerente administrativa: acho que dona de casa pode ser considerado uma profissão sim, apesar de não ser uma acho que as mulheres que não trabalham fora de casa devem se valorizar pois se não ficassem em casa teriam que pagar alguém para fazer este papel. Aquelas que se sentem desvalorizadas devem mostrar que suas tarefas são importantes e fazer uma rotina com trabalhos artesanais ou algo que as façam se sentir úteis.

  8. disse:

    Tenho 38 anos e parei de trabalhar no ano passado.
    Agora estou no oitavo mes de gravidez da minha segunda filha e feliz por poder estar em casa p/ curti-la, já que isso ñ foi possível c/ minha primeira filha, pois tive que coloca-la na creche c/ apenas 3 meses e voltar ao trabalho. É lógico que nossa vida mudou: temos menos $, mas muito mais felicidade e união. Quando trabalhava, vivia estressada e de mau humor. Estava sendo péssima mãe, pois vivia cansada e sem paciência.As conversas c/ meu marido eram apenas sobre minhas reclamações do trabalho, enfim, estava virando uma chata. Quanto aos comentários das pessoas, acredite, muitas queriam estar em seu lugar…
    Trabalhei por 15 anos e nunca fui tão feliz cuidando de minha família quanto agora. Só para terminar, ñ tenho nada de “Amélia”, muito pelo contrário… Era professora de inglês numa escola americana super conceituada e meu salário era muito bom.

  9. disse:

    Tenho 38 anos e parei de trabalhar no ano passado.
    Agora estou no oitavo mes de gravidez da minha segunda filha e feliz por poder estar em casa p/ curti-la, já que isso ñ foi possível c/ minha primeira filha, pois tive que coloca-la na creche c/ apenas 3 meses e voltar ao trabalho. É lógico que nossa vida mudou: temos menos $, mas muito mais felicidade e união. Quando trabalhava, vivia estressada e de mau humor. Estava sendo péssima mãe, pois vivia cansada e sem paciência.As conversas c/ meu marido eram apenas sobre minhas reclamações do trabalho, enfim, estava virando uma chata. Quanto aos comentários das pessoas, acredite, muitas queriam estar em seu lugar…
    Trabalhei por 15 anos e nunca fui tão feliz cuidando de minha família quanto agora. Só para terminar, ñ tenho nada de “Amélia”, muito pelo contrário… Era professora de inglês numa escola americana super conceituada e meu salário era muito bom.

  10. disse:

    Às vezes passo pela mesma situação que você está passando. Sinto muita raiva em um primeiro momento, mas eu não me deixo abater provando que eu sou muito mais que estereótipos. Há quase três anos, fui demitida e resolvi tocar a minha profissão por conta própria, prestando serviços a partir de um pequeno escritório em minha casa, com os contatos e conhecimentos adquiridos ao longo da minha carreira. Tenho 33 anos, 12 de profissão, sou casada e mãe de três filhos, dois ainda pequenos bebês (amamento um deles). Portanto, todos precisam de mim. Para me ajudar com a casa, conto com uma faxineira uma ou duas vezes por semana. O resto, roupa, comida, manutenção da casa e das crianças fica por minha conta. Ainda arrumo tempo para os meus trabalhos, ler meus livros e atividades que me dão prazer (um artesanato, um cinema, uma ginástica). Vou te falar a verdade: é uma barra mesmo! Fico quase louca e moída de cansaço. Mas eu poderia deixar de fazer meus trabalhos e contar com o dinheiro do meu marido, o que seria mais fácil para mim. Mas eu não quero! Prefiro me estrepar um pouco mais até as crianças crescerem um pouco, sem perder meus contatos profissionais, a ter que passar o resto da minha vida só servindo. Talvez você se choque com a palavra “servindo”: eu me sinto servindo, apesar de fazer tantas coisas pensando no meu futuro naõ só como pessoa, como mulher, como profissional, mas também quero ser uma excelente mãe, “esposa” e cuidar da minha casa do meu jeito, sem largá-la nas mãos de empregadas ou babás. É difícil, mas modéstia à parte, sou muito ativa e estou conseguindo dar conta por enquanto. O que me aborrece é justamente o fato de quanto mais a gente se dá, menos valor tem. Os filhos passam a te ver como uma empregada sem remuneração cuja uma das muitas obrigações é recolher os rastros que eles deixam. Para o marido, eu não tenho motivo de estar cansada ou o que faço não está suficientemente bom, a comida não está tão legal ou os meus problemas ou os da casa não têm tanta importância quanto os dele ou eu não arrumo mais tempo porque não quero. Em suma, esse é um trabalho muito nobre para mim, mas que, infelizmente, não tem valor para a maioria dos homens. Eu acho que essa é a minha única saída por enquanto, porque, no fundo, tenho medo do futuro, de que aconteça comigo o que acontece com muitas mulheres: dedicação total à casa, ao marido, aos filhos e depois de muitos anos não sobrou absolutamente nada para elas. Os filhos têm sua própria vida, o marido se cansa da gente, da nossa aparência, da nossa “pouca” atualização em relação ao que acontece na rua — que se tornam motivos para que eles nos troquem por duas de 25. Portanto, não perca a esperança, a fé em você mesma e vá à luta, mesmo que o presente seja duro! Estou nessa corrida também!

  11. disse:

    Ainda bem que encontrei pessoas com os mesmos sentimentos que eu… acabei de completar 30 anos, estou a quase dois anos casada sem filhos, e nem sei se quero tê-los pois meu marido vale por uns dez filhos, antes de casar eu trabalhava e era muito mais feliz do que sou e hoje me faz muita falta pois falta $ pra tudo, não sobra nem um centavo para eu fazer as unhas que diga-se de passagem fiz no dia do meu casamento. Me me sinto um nada dentro de casa, por mais que se faça o serviço não rende, pior é que meu marido além de não ajudar, não tem a menor consideração de se quer levar o prato de comida até a pia para lavar, levanta da mesa e corre para a televisão para não perder os programas de esportes e dorme no meio deles, sem me dar boa noite, sem conversarmos , isso quando nos finais de semana não passa o sábado inteiro no futebol, dai posso esquecer que ele vai voltar todo “estourado”, no dia seguinte está todo dolorido, morrendo de preguiça, e mais um fins eu passo trancada dentro de casa, isso porque fiquei a semana toda presa… Isso é vida?

  12. disse:

    Realmente se existisse uma lâmpada com um gênio dentro eu voltaria aos meus 18 anos e não me casaria teria filhos com produção independente, mas nada de marido eles realmente tira a nossa alta estima não tenho ,mas prazer para nada sou uma prisioneira dentro de minha própria casa . quando estamos namorando é ótimo de pos que casa passa os anos e sua liberdade já se foi……

  13. disse:

    Realmente se existisse uma lâmpada com um gênio dentro eu voltaria aos meus 18 anos e não me casaria teria filhos com produção independente, mas nada de marido eles realmente tira a nossa alta estima não tenho ,mas prazer para nada sou uma prisioneira dentro de minha própria casa . quando estamos namorando é ótimo de pos que casa passa os anos e sua liberdade já se foi……

  14. disse:

    Nossa! ao ler todos esses comentários, fico triste muito triste.. tenho 27 anos, sou casada a 4, e temos uma filhinha de 3… não troco meu trabalho mesmo!!! pois ficar em casa seria depressão total pra mim… me sinto viva.. é uma correria total, nossa filha está aprendendo muuuuito em uma escolinha, rodeada de crianças o dia todo, sou muito grata a DEUS por ter meu trabalho e ser uma profissional reconhecida em uma empresa de grande porte.. mas digo a vocês todas, não abram mão de seus sonhos, não se fechem em suas casas.. a vida passa muito rápido nossos filhos crescem vão ter suas vidas e depois???… sejam mulheres acima de tudo… felizes, mães, guerreiras. Não se fechem, pois a vida está aí para ser vivida, temos que nos cuidar, estar sempre bem com a gente mesmo para que possamos ser valorizadas por nossos homens que nas ruas conhecem 1000 mulheres todos os dias, sejam mais vocês!!!! Eliane Rodrigues – SP

  15. disse:

    Aposentei-me como professora de Ciência e Tecnologia de Alimentos (tenho Mestrado ) da Universidade Federal do Espírito Santo – UFES em 1998. Tenho 51 anos, passei em seguida por um processo de falência com uma confecção de malhas e devido a isso, hoje, não tenho empregada. Já tive 2, hoje não tenho nenhuma. Faço tudo: cozinho, lavo, passo, tenho marido, 3 filhos jovens…
    Imaginem o que passei no início. Nunca fiquei o dia todo em casa, meu trabalho sempre foi em tempo integral…
    Bom isso tudo é para consolar alguém que deve estar se achando a pior do mundo.
    Acho que quando temos de ser donas de casa, temos de ser e pronto. Temos de encarar!
    Acho que somos mais que vencedoras, pois homem algum faria o que conseguimos fazer: racionalizamos nosso tempo, damos conta do recado, não é?
    Ah! esqueci de dizer, que com esse monte de coisas ainda conclui 3 cursos de Empreendedorismo do SEBRAE via Internet. Foram 3 cursos direto.
    Faço bijouterias, escrevi um romance que pretendo publicar, etc, etc,,
    Agradeçamos a Deus pela saúde e peçamos a Êle que nos possibilite pagar 1 ou 2 empregadas. Por que ai, minhas queridas, acho que vou até me candidatar à Presidência da República. Acho que só tá faltando isso, né?

    Mil Beijos
    Dadate

  16. disse:

    Eloiza quanto mais o tempo passa, percebo que os homens não evoluíram tanto assim . Lendo suas palavras lembrei do meu pai que hoje tem 65 anos e sempre fez isso com minha mãe. Hoje ela é uma pessoa frustrada, infeliz e doente. Tudo isso porquê quando ela era nova, bonita e cheia da grana, negou-se a dar um rumo na vida dela, sem ele é claro, tudo em nome da moral e dos bons costumes.

    Você tem duas vantagens, é nova e não tem filhos e tem uma vida pela frente.

    Duvido que seu marido vá mudar, pois de alguma forma nós acostumamos eles assim. Quem tem que mudar é você, e quando criar força e coragem, duvido que você queira ficar com ele. Acredite em você, procure alternartivas, o amor é algo que faz as pessoas crescerem e não vegetarem, ele não é egoísta. E se você está sentindo-se assim, acredito, seu marido pode até te amar, mas gosta mais dele em primeiro lugar.
    Então faça o mesmo, goste um pouquinho mais de você, volte ao mercado profissional, dê a volta por cima e daí a vida vai te encaminhando. Se em algum momento tiver dúvidas, procure ajuda profissional e resgate sua auto estima. LEMBRE-SE SOMOS SERES HUMANOS, FILHOS DO MESMO PAI. NASCEMOS PARA AMAR E SERMOS AMADOS. TORÇO POR VOCÊ.

  17. disse:

    Eliane vc se esquece que muitas mulheres lutaram para que houvesse liberdade para nós, liberdade para entrarmos no mercado de trabalho e liberdade para ficarmos em casa. Durante muito tempo tive vergonha de dizer que sou “do lar”. Hoje, reconheço minha contribuição na felicidade da minha família e não me sinto escrava. Optei por cuidar dos meus filhos e da minha casa.OPTEI. Isso é liberdade. Conheço muitas mulheres que PRECISAM trabalhar que dariam tudo para poderem ficar mais tempo com os filhos. Eu sou muito agradecida a Deus por poder ter essa liberdade de escolha. Reveja seus conceitos garota!!!!

  18. disse:

    Estranhei muito seu comentário, tão exarcerbado, como se estivesse falando para um bando de inúteis…
    Eliane, conheço agora os dois lados da moeda e posso falar de cadeira, amiga. Entrei na Universidade com 17 anos, fiz graduação e Mestrado em Viçosa – MG e depois vim lecionar na Universidade Federal do Espírito Santo para o curso de agronomia. Sempre trabalhei em tempo integral, tinha duas empregadas e temos 3 filhos: duas jovens e 1 jovem de 23, 19 e 17 anos respectivamente. Tanto eu como meu marido sempre trabalhamo fora. Ele também é professor, mas do CEFETES.
    Bom, aposentei-me em 1998 com 47 anos e montamos uma confecção de malhas. Infelizmente, devido à nossa falta de conhecimento empresarial, ficamos sem capital de giro e em resumo, falimos. Assim, faz 1 ano e meio que estou dona de casa totalmente.
    Cozinho, lavo, passo coisas que nunca fiz rotineiramente, anteriormente.
    Olha, tenho 51 anos atualmente e posso lhe garantir: donas de casa, são heroínas.
    Muito ao contrário do que você veemente afirma, são MULHERES, muito mais até que aquelas que confortavelmente saem pra trabalhar e não sabem de nada que se passa dentro de casa.
    É preciso acabar com esse preconceito de que donas de casa são pessoas alienadas, menos mulheres que as que trabalham fora, etc, etc.
    Conheço muita mulher que trabalha fora e não lê jornal, não tem cultura geral alguma, só fala abobrinha.
    Donas de casa são guerreiras, viu? São as responsáveis pela higiene e saúde da família, pela decoração e beleza do ambiente doméstico e excelentes economistas.
    Se você é insegura ao ponto de ter que ficar fora de casa para se certificar de que seu “homem” a valorize, tenho pena de você. Sabe por que?
    Homens desse tipo, a maioria das mulheres estão dispensando. Homens também inseguros, que precisam fazer a companheira se sentir ameaçada para ele se sentir o Macho.
    Olha, respeite as donas de casa, porque são tão mulheres como as que trabalham fora e procure reavaliar seus paradigmas de pensamento. Senão, se por acaso um dia, você precise ficar em casa, seu mundo desmorona, concorda?

    Um grande abraço.
    Dadate

  19. disse:

    Olá!
    Gostei demais do seu comentário, viu?
    Leia minha resposta à essa mesma moça e conheça minha opinião a respeito.
    É preciso que acabemos com o preconceito para com as donas de casa, que “no frigir dos ovos”, trabalham é muito mais.
    Infelizmente, existe muita mulher que ainda não sabe o que é a vida, não é?
    Um abraço.
    Dadate

  20. disse:

    Sou casada e tenho 24 anos, e um filho de 8 anos. Me casei com 15 anos, podem ter certeza não me arrependo! Fiquei 5 anos em casa cuidando de meu filho e de minha casa. Depois começei a trabalhar como secretária já fazem 3 anos. Adoro trabalhar e ter meu dinheiro. Hoje penso seriamente em parar de trabalhar para cuidar ainda do meu filho apesar dele ja ser bem independente mas ainda é uma criança! Fico muito estressada quando chego em casa e vejo tudo por fazer, casa bagunçada, roupa suja, etc. Não tenho condições de pagar uma empregada. Uma faxineira, talvez, mas vou tentando fazer tudo no final de semana. Só que penso que poderia estar descançando ao invés de estar fazendo o serviço doméstico. Sabe, eu adoro cuidar da minha casa, mas tenho mania de limpeza, tudo tem que estar bem arrumadinho, o chão tem que estar um brinco e acabo enlouquecendo o meu marido e o meu filho quando fico em casa. Tenho medo de parar de trabalhar e depois me arrepender, mas sei que eu tenho pouco tempo para curtir a minha família. E sei que a vida passa muito rápido. Tenho também planos de ter outro filho, algumas mulheres podem me achar uma louca, mas tenho muita vontade, e ainda não tive por falta de condições financeiras! Gostaria de uma opinião de vocês sobre minha situação! Um abraço!

  21. disse:

    esme, estou em uma situação parecida, trabalho fazem 3 anos e estou com muita vontade de parar para cuidar de meu filho que já tem oito anos mas ainda precisa de mim e depois ter outro. Tenho medo de me arrepender mas se eu não tentar não vou saber, não é mesmo? Acho que vou ter mais tempo para minha família, que agora só vejo ao meio dia muito rápido e a noite enquanto lavo louça e organizo a casa. Apesar de fazer falta o dinheiro que eu ganho, nada compensa o prazer de estar em companhia de quem se ama. Acho que precisava ouvir uma opinião como a sua para me decidir!

  22. disse:

    Tenha medo não, afinal de contas os nossas filhos crescem tão depressa. A carreira você com certeza pode reciclar, mas seu filho precisam muito de voce neste momento. Claro que tudo na vida tem que ter renuncias, mas não ha coisa mais prazerosa do que vc ter tempo pra sua família enquanto seu filho se tornar independente. Parei de trabalhar ha 10 anos com o nascimento do meu segundo filho, como sinto que eles tao crescendo com segurança, sei que este equilibrio na vidinhas deles tem muito da minha presença. Penso em voltar a trabalhar mas por enquanto não. boa sorte pra vc

  23. disse:

    Olá Janini,

    Sentei-me agora para pesquisar na internet e ao entrar nesse site, li seu depoimento. Resolvi dar minha opinião, visto que você pediu.
    Janini, tenho 51 anos e sou professora aposentada da Universidade Federal do Espírito Santo. No momento, estou dona de casa fazendo tudo: cozinhando, lavando, passando, porque justo na época da aposentadoria, falimos com uma confecção de malhas e ficamos a zero.
    Que aprendizado na minha vida, Janini!
    Daí posso lhe aconselhar, porque conheço as duas faces da moeda. Sempre trabalhei em período integral tendo 3 filhos que agora têm 23, 19 e 17 anos.
    Sempre trabalhei fora, sabe?
    Casei-me com 29 anos (mesma idade do meu marido) tive 3 filhos e não me arrependo. Inclusive, vou me preparar para um concurso no INCAPER e pretendo voltar a trabalhar.

    O conselho que lhe dou portanto, é o seguinte: não pare de trabalhar. A vida está muito difícil e trabalho mais ainda.
    Hoje estou dona de casa, mas recebo meu salário integral de professora universitária, que graças a Deus é indispensável para as despesas. Aqui em casa, meu marido e eu dividimos todas as despesas, que são muitoas. Você sabe como andam altas as mensalidades escolares.
    Janini, você tem é que ser organizada.
    Aprenda a fazer bem feito pra fazer 1 vez. Exemplo:
    lave o banheiro bem lavado e ele pode ficar a semana toda limpinho. Você só lava o vaso, tira os papéis e limpa a pia, entendeu?
    Sempre junte a roupa suja num local adequado para não ficar nada espalhado.
    Evite exagero de brinquedos, porque criança gosta muito de espalhar. Selecione os brinquedos da semana e varie. Mas escolha alguns e guarde o resto.(tem mãe que esparrama aquele montão de caco de brinquedo pela casa e aquilo endoida qualquer um).
    Estabeleça horários para seu filho dormir, almoçar,etc.
    Quem trabalha fora, tem que ser organizado. Essa é a palavra chave.

    Dê toda atenção ao seu filho durante o tempo que estiver com ele e não se culpe por trabalhar. Você está preparando um futuro melhor.

    Sabe Janini, esse negócio de ficar descansando, é a maior bobagem. A ociosidade só nos prejudica. Devemos agradecer a Deus a saúde e disposição que nos dá e irmos à luta.

    Esse negócio de que a vida passa rápido é relativo. Ela passa no ritmo legal, quando a gente é feliz.
    Aprendi que a felicidade tem que estar dentro do nosso coração. Ela vem de dentro para fora e não de fora para dentro, entendeu?

    Se você se ama e também seu marido e seu filho, aprenda a estabelecer metas na sua vida. Planeje com carinho, sem ansiedade, confiando exclusivamente em Deus, porque Ele deve ser o Senhor da nossa vida.
    Concorda?
    Não seja neurótica com limpeza. Apenas aprecie a casa limpa.
    Ao decidirmos trabalhar fora, temos que formarmos uma equipe em casa. Divida tarefas. Vocês verão como tudo fica divertido.

    Não pare de trabalhar. Pode ter certeza de que os filhos precisam muito mais de que uma mãe colada o dia todo neles. Precisam do exemplo, do amor e confiança.
    Desejo tudo de melhor pra vocês.
    Grande abraço.
    Maria das Graças

  24. disse:

    Isso é maravilhoso ! Você está doida ? Não passaria por nada disso ? Duvido ! Não foi maravilhoso sentir os filhotinhos se revirando em seu ventre, o primeiro sorriso foi prá você ! A primeira palavra “entendível” foi “mamãe”, e os abraços ? E tudo, tudo o mais ? Tem certeza que não voltaria atrás ? Marido que tira a alta estima ? Vc não precisa dele para levantar seu astral, sua auto estima. Nós temos personalidade, não precisamos de ninguém para nos sentirmos a mulher mais maravilhosa, mais gostosa desse mundo ! Caia na real, se cuide, faça alguma coisa prazeirosa PARA VOCÊ ! Invista em você ! Você é o máximo ! Você é a melhor ! Também sou mãe, dona de casa (é um pé, concordo!) mas também faço meus trabalhos com tear em casa, o que me tira toda a tensão, me relaxa, me faz sentir dona do meu nariz. E está pra nascer alguém que vai tirar minha auto estima ! Super beijo p/ você !

  25. disse:

    Este é um assunto que tem chamado muito a minha atenção ultimamente. Desde que deixei de trabalhar para me dedicar a arte de educar meus filhos, venho sentindo na pele, o desprezo com que nos mães e donas de casa somos tratada. Quando você diz que é dona de casa, parece que as pessoas veem em você uma pessoa que não tem competência para ser outra coisa melhor. È Terrivel sentir-se ninguém, mas a despeito do que todo mundo pensa, ser dona de casa e mãe é uma das tarefas mais digna e bela que conheço, com ela a gente aprende a dar sem esperar pelo retorno, a exercitar a paciencia, o amor e muito mais. Mas sinceramente, penso que isto é apenas uma fase da minha vida, muito mais rapido do que a gente pensa o tempo passa e as crianças crescem, por isto precisamos começar a nos preparar hoje para que o nosso amanhã possamos nos sentir mais reconhecidas pelo que somos.
    Força amiga, nos somos importantes, não esqueça disto e planeje seu amanhã.
    Marisa

  26. disse:

    Oi Janini !

    Legal a minha experiência ter servido p/ vc !

    Espero q possamos nos falar em breve !

    PS: minha filha nasce em 3 semanas e estou tão enorme, que quase ñ caibo na cadeira do computador !

    Beijos !

    Esmeralda

  27. disse:

    Oi Janini !

    Legal a minha experiência ter servido p/ vc !

    Espero q possamos nos falar em breve !

    PS: minha filha nasce em 3 semanas e estou tão enorme, que quase ñ caibo na cadeira do computador !

    Beijos !

    Esmeralda

  28. disse:

    Olá,
    Garotas, li o depoimento de todase, resolvi dar minha aponião a Janini, visto que ela assim o pediu.
    Tenho, ou melhor, acabo de completar 46 anos, sou casada, tenho dois filhos, os quais já se casaram também, já bateram suas asas e, já estão vivendo suas próprias vidas. Nos falamos quase todos os dias por telefone e nos vemos nos finais de semana, mas ainda sinto muito a falta deles em casa, pois somos muito ligados.
    Comecei a namorar bem cedo, aos 14 anos, nos casamos, tinha 18 e era louca para ter um bebe. Resolvi parar de trabalhar e aos dezenove tive meu primeiro filho. Ficamos juntoa até ele completar 3 anos. Tudo era muito divertido, brincávamos juntos, íamos ao clube quase todos os dias, mesmo com toda a responsabilidade de cuidar de toda a tarefa doméstica sózinha. Um dia meu marido perdeu o emprego e diante das dificuldades, voltei a trabalhar. Passei, então a aprender a administrar as coisas de outra forma, trabalhava o dia todo, como até hoje, meu filho passou a ficar com minha mãe, graças a Deus por tê-la, naquele período, também eu era perfeccionista, gostava de tudo brilhando e limpo, porém, agora precisava saber lidar com a nova situação. Procurei separar um tempo para nós dois, todos os finais de tarde.quando chegava do trabalho, para cantarmos musiquinhas, balançarmos na rede, contar histórias, só então íamos preparar junto so jantar, até que meu marido chegasse. Logo após o jantar procurava colocá-lo para dormir e então organizar as caisas, aprendemos, meu marido e eu a dividarmos as tarefas para não pesar, e tarefas difíceis, como lavar banheiro e cozinha, só uma vez por semana. Nesse período engravidei de minha filha e agora teria que continuar trabalhando mesmo com um novo bebe em casa. Mais uma vêz minha mãe me ajudava, e agora passei a pagar uma empregada para ela, para que cuidasse somente das crianças. Quando minha filha tinha 4 anos fiu transferida de estado, e agora éramos só nos quatro. E além de trabalhar, cuidar das tarefas domésticas já tinha que ajudálos nas tarefas escolares, pois o garoto estava já no segundo ano e ela no pré. Tudo era bem corrido, pois vc tem que ser mulher, amante, mãe, professora e aprendiz ao mesmo tempo, tudo exigiu de todos nós muito, mas todos aprendemos uns com os outros, também muito divertido, pois sempre dividimos tarefas, não me importando mais se faziam bem, ou não, apenas permitia que fizessem algo para aprender, na cozinha, me lembro era uma festa… Mas o tempo passou e mesmo tendo passado por momentos muito difíceis, tudo passou, tudo passou, foi muito bom, muito mesmo e hoje estão eles praticando o que aprenderam, procurando fazer dos seus lares um pedacinho do céu aqui na terra… espero que vc tomar a decisão certa para vc como mulher, como pessoa, como ser único, pois tudo vai passar e lembre-se a vida é como uma peça de teatro que não permite ensaios. Por isso, cante, chore, brinque, sorria e viva a vida intensamente, antes que a cortina da vida se feche e a vida termine sem aplausos…
    Parabéns a todas vcs mulheres batalhadoras e vencedoras!
    Um beijo, Lia

  29. disse:

    Valorizo tanto as mulheres que cuidam da sua familia, bem como as que lutam por lugar ao sol no mercado de trabalho o que não é facil
    Sou solteira, tenho 31 anos, trabalho , estudo, estou muito feliz hoje, porque finalmente consegui fazer um curso universitário e o curso dos meus sonhos o que é melhor ainda.
    Não me imagino nunca ter que pedir dinheiro para alguém para manter as minhas despesas básicas, acho desculpe o termo degradante. Me dá a impressão de estar trocando os meus serviços as minhas tarefas diárias por algum trocado. Gosto de gastar dinheiro, comprar o que bem entendo, sem dar a menor satisfação, posso me dar ao luxo de ter o carro que bem entender, tudo bem isso parece fútil, mas acredito que vc não pode considerar fútil uma vontade propria. Agora fico imaginando se eu tivesse que cuidar de uma casa, cuidar dos filhos, como é que eu poderia me dar ao luxo de fazer o que bem entendo com o orçamento doméstico ??
    E o pior ainda é que a mulher tem a péssima mania de pensar nos outros primeiros, primeiro vem os filhos, os marido e se sobrar tempo vem ela.
    E para completar acho que me sentia um lixo se tivesse alguem para inteceder por mim, acredito que perderia um pouco dessa força que tenho dentro de mim, para poder gritar para todo mundo. Eu sou eu e o resto é o resto.

  30. disse:

    Olá!

    Achei sua história muito interessante. Gostaria de estuda-la melhor. Você poderia entra em contato comigo pelo meu e-mail? giselebomdia@yahoo.com.br. Aguardo seu retorno.

  31. disse:

    Quero dar muitos parabéns a todas nós! Mães ou não, donas de casa ou não, profissionais ou não… Como é difícil ter tantas escolhas! Essa é a diferença das nossas vidas pra das gerações anteriores. Tenho 40 anos, uma filha de três, sou profissional liberal, tenho crises de querer ser dona de casa, mas agradeço aos céus por poder escolher! O importante é não ficar com a ilusão de que “alguém” (marido, sociedade, filhos) é responsável pelas eventuais dificuldades. Nada de colocar a culpa em outrem – as escolhas são só nossas! Não se façam de vítima, somente arquem com as consequências de suas escolhas!

  32. disse:

    OLÁ SOU CASADA A 8 ANOS , NÃO TENHO FILHO , E VIVO MUITO FELIZ, COMO DONA DE CASA, TENHO FAXINEIRA E PASSADEIRA, TENHO TEMPO PARA PASSEAR, ESTUDAR, FICAR HORAS NA INTERNET. MEU MARIDO É MARAVILHOSO ME LEVA AO CINEMA TODA SEMANA, SAÍMOS PARA JANTAR VÁRIAS VEZES POR SEMANA, CURTIMOS MUITA PRAIA NO FINAL DE SEMANA. E VIAJAMOS TODAS AS FÉRIAS E FERIADO DELE. ADORO SER DONA DE CASA, PREFIRO MIL VEZES DO QUE TRABALHAR, TRABALHEI DEMAIS QUANDO ERA SOLTEIRA, AGORA EU QUERO E DESCANSAR E CURTIR A VIDA COM O MEU AMOR!!!MAIS CLARO NÃO QUEREMOS FILHO, NÃO SENTIMOS FALTA DELES.

  33. disse:

    Olá amigas.Também sou casada,tenho seis filhos.O meu caçula tem a diferença da mais nova de 14 anos.Eu fiz minha opção de vida cuidar da minha casa,meus filhos e do meu maridão.Quando a minha caçuça estava com 12 anos voltei ao mercado de trabalho,pois eu trabalhava a noite duas horas por dia.Eu sou radialista.Durante o dia cuidava da minha familia e a noite meu marido ficava com eles enquanto eu me ausentava por duas horas,que éra o tempo do meu programa.Depois veio o lucas ai parei de vez.Hoje ele tem 5 anos vai fazer 6.Mas eu amo ser dona de casa e tenho certeza que o maior investimento que pude fazer é por eles.Minha mais velha tem 25 anos,mora fora do brasil as outrs que estão em casa fazem faculdade e trabalham,mas sempre preciza da mãe.Meu maridão maravilhoso que é,sempre me deu liberdade pra fazer o que gosto.Oje eu canto em uma banda de flasbak.Cuido igual da minha casa,filhos e meu marido.Sou muito realizada com mãe,dona de casa,esposa e com a música.Sou feliz,muito feliz.E nas horas vagas adoro artesanato.Bjs amigas e tenham a certeza que não é tempo perdido a opção de cuidar de sua familia.Vivemos num mundo onde os nossos filhos vivem a mercê dos que querem adota-lós para os destruir.Pela falta de tempo e cansaço que os pais tem e sentem,por tanto trabalhar para dar a eles uma condição de vida melhor,então enuquanto pai trabalha,m~~ae cuida,por que ninguem vai cuidar tão bem quanto uma mãe.

  34. carioca62 disse:

    Apesar da minha filhota estar linda,tenho um arrependimento IMENSOOOOOO,em ter deixado minha carreira,é terrivel trabalhar e nao ser valorizada porque o serviço doméstico só é valorizado quando é pago,a dona de casa está sempre ouvindo que tem um vidao,que nao pega onibus cheio,que acorda a hora que quer…Sem contar que apesar de trabalhar duramente nao tem direito a fazer o que quer com seu salário,porque salário nao existe,e sim o dinheiro que se pede ao marido e se tem que dizer para o que é! (6)

  35. disse:

    Opção é pessoal… Cada pessoa faz a sua escolha…

    Eu detesto serviço doméstico, nem procriar eu quis…

    A minha profissão é a coisa mais importante na minha vida, eu não seria feliz se não fizesse o que eu faço…

    Se tivesse que escolher ou uma ou outra ? Ficar com as duas melhor… Mas se tiver que optar?

    Entre casamento e profissão, fico com a profissão…

  36. Belly21 disse:

    ***************************************************************************** Quero dizer que sou a mulher mais feliz do mundo, pelas escolhas que fiz. Tenho 23 anos, sou dona de casa por opção, aliás POR AMOR! E é isso que falta hoje em dia, nas famílias. "Pais ocupados, filhos ausentes" por que nossa sociedade está assim???? Vocs acham que a mulher é LIVRE??? Não é nada. Liberdade, é vc poder ser o que quiser, sem ninguém te olhar feio, te criticar….e hoje, para uma mulher assumir, com a cara limpa que QUER ser dona de casa…ela precisa passar por muitos olhares…isso sim, é ESCRAVIDÃO. Muitas mulheres querem sim, cuidar de seus filhos, acompanhar cada sorriso, cada dentinho novo nascendo, fazer o suquinho da tarde, passear no parque em plena segunda feira a tarde (Aaaaaai como é bom!) mas elas não o fazem…porque…o que as pessoas vão dizer?? Nossa uma menina tão nova, jpogando sua vida fora…que pena! Que pena, digo eu. Estão perdendo dias maravilhosos, de alegria singular. Não preciso que ninguém "reconheça" meu trabalho em casa…só preciso do sorriso da minha filha…de sentir, como ela é segura e FELIZ. Minha vida não acabou, só porque , HOJE, fico em casa cuidando da minha filha e da minha maravilhosa família. Tenho apoio de quem amo, para tomar qualquer atitude a qualquer momento e fazer o que eu bem entender. E quando alguém me diz "Aproveita, porque passa rápido…" eu respondo de BOCA CHEIA: Ah, pode ter certeza, que eu estou aproveitando MUITO. E sinto um orgulho aqui dentro, quando vejo aquelas mães, de manhã, entregando seus filhos na creche, ou na escolinha… eu posso cuidar da minha filha! Eu fiz essa escolha. E foi a melhor que já fiz. Minha filha é uma criança amada, segura, feliz, alegre, risonha…tem todos os cuidados que uma criança precisa e merece. Eu tenho orgulho de tudo que sou, e tudo que fiz até hoje, por ela, e pela minha família. Se uma mulher, pode fazer a opção de trabalhar fora, e não quiser desempenhar esse papel de mãe 24 horas, tudo bem; agpora, igualmente, quem quer ser dona de casa, ou como gosto de dizer, administradora sem fins lucrativos, deve ter essa mesma liberdade de escolher, sem ser denegrida, nem tida como a coitada. Sigam seus corações! Um beijo á todas e sejam felizes.

  37. disse:

    ericama comentou: "Meu nome é Erica, tenho 50 anos e jovialidade de 30, sou formada em Direito, casei com 25 anos tive dois filhos… fiquei desempregada, até hoje, voltei a ser dona de casa, só que não tenho mais as atribuições que tinha quando meus filhos dependiam de mim levar na natação no balé no judo,e etc… então todos saem par tralalhar e eu fico fico sózinha o dia inteiro com meus cachorrinhos que fazem companhia, mas continuo a procura de um trabalho para preencher meu tempo e ter meu dinheirinho para comprar meu tonalizante, porque é constrangedor voce ter que depender de alguém para ir ao cabeleirero, se tivesse investido mais em minha profissão do que na família hoje não estria aqui me queixando, dá para dividir muito as tarefas sem voce se alienar, apesar de ter criado bem meus filhos e ter formado um firme carater em cada um, e ter mantido um casamento feliz, será que tenho do que me queixar???????????????????? R: VC PODE VOLTAR A TRABALHAR TEM BOA FORMAÇÃO PROFISSIONAL E DISPONIBILIDADE… VÁ À LUTA!!!

  38. disse:

    Condordo plenamente coma amiga aí Belly 21, sou dona de casa também… e ser dona de casa não é ser nenhuma dondóca… hoje em dia a sociedade e as próprias mulheres são as quem acusam nós donas de casa por esta opção… acham que para a mulher ser completamente feliz na vida ela tem que ter uma profissão.. ser indepedente… trabalhar duro… agora eu pergunto.. se algumas nasceu para serem arquitetas, outras médicas, outras engenheiras.. ou qquer outra profissão, porque outras não nasceram para serem donas de casa?? todos acusam nós a fazer a escolhas que eles acham bom, porque as pessoas tem medos são pessimistas, niguem apoia uma dona de casa a ser dona de casa… eu penso que para sermos felizes temos que fazer o que nos dá prazer… e se escolhemos ser dona de casa e temos prazer nisso qual é o problema? é prazerozo fazer o bem a quem amamos, quando fazemos também recebemos e isso vale mtu mais do que qquer outra coisa… isso sim é ser bem remunerada… patrão não ve vc como humano, ve vc como uma máquina ques e não produzir como ele deseja já não serve pra nada… bom eu não sou máquina e acredito que ninguém seja.. que cada uma faça o que as façam felizes o que lhe de prazer.. se for pra ser dona de casa ou pra ser uma grande profissinal reconhecida.. amém, mas que sejamos reconhecidas, valorizadas e felizes…. que sejam sim VALORIZADAS todas… eu sem dúvidas fiz a esolha certa.. pois sou mtu valorizada e desejo que cada uma de vcs mulheres batalhadoras também sejam… agora gente… façam o que vcs quiserem e não o que as pessoas querem… que Deus abençoa cada uma…

  39. disse:

    Concordo plenamente! Atualmente estou trabalhando, mas morro de saudades da minha filhota, quando estou no ônibus á caminho de casa ,fico ânsiosa para chegar logo e abraça-la.Estou decidida a sair do trabalho e voltar a cuidar do meu lar. Foi muito bom ler a sua história Belly, pois o meu marido me cobra o tempo todo atençaõ, o cuidado com minha filha e sem falar na vida corrida que eu tenho.Chego em casa tenho que fazer comida, arrumar a casa, lavar as roupas e outras coisas mais! Sejamos felizes garotas!!!!

  40. disse:

    Estou casada e estamos passando por uma fase financeira não muito boa , meu marido está desempregado e eu vou começar a fazer salgados para vender junto com a minha sogra . Sou formada em gastronomia e cozinhar é a coisa que eu mais gosto de fazer. Mas na verdade oque eu queria fazer é só cuidar da minha casa e do meu marido em com o tempo dos meus filhos assim que meu marido arrumar um emprego . Mas tenho um pouco de receio de falar isso para o meu marido ele já conta com os meus salgados para contribuir com as despesas da casa . Tenho medo de sobrecarrega-lo com só ele colocando dinheiro dentro da casa . Não sei como falar para ele isso , ele sempre me diz que eu decido se trabalho ou não , mas parece que ele já decidiu por mim e quer que eu trabalhe , sempre tomamos as decisões juntos e me sinto um pouco pressionada com essa decisão , não é simples já passo muito preconceito na minha família por citar que posso escolher essa “profissão” , todas as mulheres da minha família são independentes e oque também me deixa um pouco preocupada é ter que pedir dinheiro para ele pra tudo , ate para fazer as unhas . Ele é muito bom para mim , mas tenho um pouco de receio

  41. disse:

    Estou casada e estamos passando por uma fase financeira não muito boa , meu marido está desempregado e eu vou começar a fazer salgados para vender junto com a minha sogra . Sou formada em gastronomia e cozinhar é a coisa que eu mais gosto de fazer. Mas na verdade oque eu queria fazer é só cuidar da minha casa e do meu marido em com o tempo dos meus filhos assim que meu marido arrumar um emprego . Mas tenho um pouco de receio de falar isso para o meu marido ele já conta com os meus salgados para contribuir com as despesas da casa . Tenho medo de sobrecarrega-lo com só ele colocando dinheiro dentro da casa . Não sei como falar para ele isso , ele sempre me diz que eu decido se trabalho ou não , mas parece que ele já decidiu por mim e quer que eu trabalhe , sempre tomamos as decisões juntos e me sinto um pouco pressionada com essa decisão , não é simples já passo muito preconceito na minha família por citar que posso escolher essa “profissão” , todas as mulheres da minha família são independentes e oque também me deixa um pouco preocupada é ter que pedir dinheiro para ele pra tudo , ate para fazer as unhas . Ele é muito bom para mim , mas tenho um pouco de receio

  42. disse:

    Estou casada e estamos passando por uma fase financeira não muito boa , meu marido está desempregado e eu vou começar a fazer salgados para vender junto com a minha sogra . Sou formada em gastronomia e cozinhar é a coisa que eu mais gosto de fazer. Mas na verdade oque eu queria fazer é só cuidar da minha casa e do meu marido em com o tempo dos meus filhos assim que meu marido arrumar um emprego . Mas tenho um pouco de receio de falar isso para o meu marido ele já conta com os meus salgados para contribuir com as despesas da casa . Tenho medo de sobrecarrega-lo com só ele colocando dinheiro dentro da casa . Não sei como falar para ele isso , ele sempre me diz que eu decido se trabalho ou não , mas parece que ele já decidiu por mim e quer que eu trabalhe , sempre tomamos as decisões juntos e me sinto um pouco pressionada com essa decisão , não é simples já passo muito preconceito na minha família por citar que posso escolher essa “profissão” , todas as mulheres da minha família são independentes e oque também me deixa um pouco preocupada é ter que pedir dinheiro para ele pra tudo , ate para fazer as unhas . Ele é muito bom para mim , mas tenho um pouco de receio

  43. disse:

    Quer ter um bom salário trabalhando no conforto do seu lar e ainda ter esses benefícios?
    1. Site personalizado;
    2. Ganhos semanais; (Superiores a R$ 150,00)
    3. Renda Mensal; (Rapidamente passará dos R$ 1.500,00)
    4. Rádio e telefone da Nextel; (Conta mensal paga pela empresa)
    5. Plano de Saúde; (da Amil, com direito a tudo, pago pela empresa)
    6. Previdência Privada; (da SulAmérica com contribuição mensal de R$ 300,00 feita pela empresa)
    7. Material de Apoio para sua Divulgação;
    8. Cadastro automático de novos participantes no seu grupo;
    9. Livros e Apostilas de Cursos;
    10. Acesso a sua Área Restrita (Escritório virtual);
    Acesse: http://www.frpromotora.com/44576633
    Venha fazer parte do meu grupo!

  44. morenorp disse:

    PARABÉNS Á Belly21

    HJ AS MULHERES DESVALORIZAM DEMAIS QUEM OPTA POR SER ”DO LAR”, COMO SE ELA FOSSE UMA PESSOA DESQUALIFICADA E MENOS INTELIGENTE DO QUE AS ”DRAS” QUE EXISTEM POR AÍ.

    PARABÉNS PELA CORAGEM E DETERMINAÇÃO.

    QUE DEUS TE PROTEJA !!!!!(CL)(CL)(CL)(CL)(CL)(CL)(CL)(CL)(CL)(CL)

  45. disse:

    É um assunto muito complicado… há 4 anos assumi a responsabilidade de cuidar integralmente da minha casa! Mandei a empregada de 10 anos embora, pois a mesma estava ganhando o mesmo salario que eu ganhava. Infelizmente eu "pagava" para trabalhar. Amo estar do lado da minha filha!!! Isso realmente é maravilhoso!! Sinto falta dos colegas de trabalho, de poder conversar com outras pessoas! Aqui em casa, tem dia, que me pego falando com a cadela!!! kkkkkk Acho que além de muitas críticas ficamos sozinhas demais! Mas tudo na vida é assim… nunca só ganhamos ou só perdemos!!! Sou feliz assim!!! E se um dia o casamento acabar, Deus me deu dois braços e duas pernas para eu poder trabalhar!!!! bjs a todas donas de casa do Brasil!!!!

  46. disse:

    Trabalho em casa, fazendo a divulgação dos serviços da empresa, em algumas horas por dia, através da internet.
    Depois de ter procurado por trabalhos que eu pudesse realizar em casa, para poder ter mais tempo para a família, para a casa, e para mim, encontrei esta oportunidade, e estou muito feliz.
    Posso fazer minhas coisas, estar com as pessoas que eu gosto, e consigo garantir uma renda sem estresse, patrão, cobranças.
    Pra mim foi uma ótima oportunidade conhecer a FRPromotora, que trabalha com vários serviços como plano de saúde, previdência privada entre outros, e o que eu tenho que fazer é a divulgação dos serviços da empresa, e isso eu posso fazer pela internet. Além disso é possível ter ótimos ganhos indicando novos divulgadores.
    A empresa tem sede no RJ, mas tem divulgadores por todo o país, tem 13 anos de atividade, oferece material para a divulgação e vários benefícios por desempenho.
    Se tiverem interesse entre em contato por e-mail ppatriciah2@yahoo.com.br e eu explico melhor.

    http://www.frpromotora.com/patricia44632209
    http://blog.clickgratis.com.br/frpromotoraPatricia
    http://frpromotorapatricia.criarumblog.com/

  47. disse:

    è D. belly 21
    concordo plenamente com você.
    Que Deus continue abençoando a você e sua família que seja sempre sábia..
    por que a mulher sábia edifica a sua casa e a tola destrói com suas próprias mãos.
    Melhor coisa que podemos fazer é amar e cuidar, de quem nos cerca , não acho facil a tarefa de ser d. de casa, tem que realmente amar o que faz.
    (L)

  48. bellahale disse:

    Q BOM,MAIS UMA FELIZ NO SEU LAR,PARARBENS

×
Faça do Bolsa de Mulher
sua página incial
E também acompanhe: Newsletter