Vaginismo

Vaginismo: nome estranho, mas algumas mulheres conhecem bem a situação

por Redação

Você sabe ou já ouviu falar em vaginismo? A palavra até pode parecer meio estranha, mas a situação é bem conhecida de algumas mulheres. Vaginismo é definido como a contração involuntária da musculatura externa da vagina que ocorre antes ou durante a tentativa de penetração do pênis. Em alguns casos o negócio pode ser tão sério que não se consegue sequer colocar um dedo lá dentro.

Ao que parece, o principal estímulo para disparar esta reação é o medo que a mulher tem da dor da penetração. Este medo pode ser real, principalmente se existe alguma causa como, por exemplo, uma infecção vaginal ou doenças como a endometriose. Mas também pode estar relacionada, de forma consciente ou inconsciente, a lembranças de experiências sexuais passadas traumáticas, como ter sofrido um abuso ou até mesmo violência sexual. Aqui cabe um lembrete: a falta de informação sobre o que é o ato sexual e de conhecimento do próprio corpo também pode causar medo e estresse na hora da transa, podendo levar ao vaginismo.

A maioria das mulheres que tem o problema não consegue permitir a penetração vaginal, mas nem por isso deixam de ter uma relação sexual prazerosa. Muitas conseguem chegar ao orgasmo através de carícias e de sexo oral, sem haver penetração. Algumas podem até permitir a penetração do pênis, mas geralmente não conseguem ir até o final, pois sentem muita dor.

Se você sofre desse tipo de dificuldade, não tenha vergonha de conversar com o ginecologista sobre o assunto e pedir um encaminhamento para o terapeuta sexual

O tratamento do vaginismo começa com a identificação correta do problema. O objetivo principal é tentar acabar com esta contração reflexa, através de exercícios que podem ser feitos somente com a mulher ou junto com o parceiro. Em muitos casos, é necessário um acompanhamento de psicoterapia, que costuma ter resultados positivos.

Na verdade, o mais é importante é saber que o tratamento e a cura são possíveis, desde que haja força de vontade e que seja corretamente diagnosticado pelo especialista. Se você sofre desse tipo de dificuldade, não tenha vergonha de conversar com o ginecologista sobre o assunto e pedir um encaminhamento para o terapeuta sexual. A informação é um aliado poderoso para chegar a cura!

Dra. Mariana Maldonado é médica ginecologista e obstetra, especialista em Sexologia e Homeopatia.
Tel: (21) 2287-2311
e-mail: dra.mariana@marianamaldonado.com.br
site: www.marianamaldonado.com.br

Comentários

  1. disse:

    Adorei saber sobre Vaginismo. Já havia ouvido sobre esse tema, porém não sabia muito. Acredito que o assunto foi abordadode forma clara, objetiva e principalmente de um jeito todo especial que só nós mulheres sabemos compreender. Obrigada pela passagem de conhecimento tive ao ler a matéria. um abraço a todos. Silvana

  2. disse:

    Eu já tive vaginismo e foi um momento muito difícil na minha vida, achava que estava com alguma doença física pois não conseguia ter relações, passei em vários ginecologistas e nenhum conseguiu resolver meu problema até que um dia eu passei em um ginecologista que me explicou o que estava acontecendo comigo e me ajudou muito, foi como um terapeuta para mim e aí sim consegui me libertar daquela dor insuportável mas foi com muita força de vontade e ajuda de um profissional e tanto….Jacqueline

  3. disse:

    Estou vendo os comentários, mas onde está o artigo!
    Tenho interesse em saber mais.

    Obrigada
    Eliane

  4. disse:

    Eu queria saber mais sobre endometriose.

  5. disse:

    Descobri que tenho vaginismo e estou desesperada, com medo de acabar meu casamento!voce demorou muito para curar? como está agora? o que fez?

  6. disse:

    Ola,
    Tambem tenho vaginismo, gostava de saber quanto tempo demorou a resolver desde que achou esse médico, como foi o tratamento, pois estou tambem fazendo um tratamento. Ficas-te com depressão? Agora depois de resolvido consegues ter e sentir prazer normalmente como se nunca tivesses tido alguma doença? como é que o teu companheiro reagiu e agiu durante o tratamento?
    Bem por agora me despeço, desculpa tantas perguntas.
    Adeus e obrigado

  7. llelle23 disse:

    Olá
    Sem dúvida só quem passa por essa situação pode dizer o quanto frustrante e difícil é esse momento. No meu caso demorei a pedir ajuda profissional e ainda tinha um namorado egoísta que achava que era frescura. Demorei pois ate então não sabia que tinha, achava que era so porque não estava preparada pra ter um relação sexual.Mas quando vi que era realemnete algo que me causava pânico eu comecei a me esconder e não criar situações que me levasse a ficar sozinha ou ter intimidades. Sofri muito por mais de 4 anos convivi com esse desconforto, fiz tratamento médico e psicológico e hoje nãoestou totalmente curada, pois no meu caso foi bem extremo, não conseguia nenhuma forma de penetração. Hoje consigo ter uma relação prazerosa SE o meu parceiro for alguém bem paciente e antes de tudo que eu confie , pois no meu caso mesmo já conseguindo ter a penetração se eu não estiver bem definitivamente não acontece e o transtorno todo volta. Como ja aconteceu.
    O melhor conselhoq ue eu posso dar ás mulheres é : respeitem o seu corpo e o seu tempo!
    até

  8. llelle23 disse:

    Quem quiser conversar sobre o assunto poderei partilhar das minhas experiencias na tentátiva de me curar do vaginismo. Assim como na época eu não achava que era uma doença, hoje entendo o quanto angustiada algumas mulheres estão como um dia eu estive.
    Será um prazer se eu puder ajudar.

    até

  9. disse:

    Oiii , Eu sou virgem e tenho vaginismo e gostaria de ser ajudada !
    Meu Ginecologista me passou alguns exercícios que não sei se consigo fazer (dos dedos) e do jeito que as coisas estão, vou acabar com meu relacionamento !!!

  10. disse:

    E sempre bom não estar sozinha com este problema ..me encontro a disposição..também sofro deste mal….

  11. disse:

    Oi gente,
    estou iniciando minha vida sexual agora. Faz quase dois meses que estou namorando. Bom, tentamos algumas vezes a penetração sem sucesso, o máximo que eu consegui foi deixar colocar um dedo, deixei mesmo assim com muito medo e dor. Meu namorado é muito paciente, aliás, foi ele que me alertou sobre vaginismo. Sinto falta de uma ajuda profissional…tenho lido bastante sobre o tema, dizem que é fácil de resolver, mas o primeiro caso de superação que eu vi foi aqui. Saber que existem pessoas que superaram iria me animar, só vejo o contrário. :(
    há uma outra coisa que me preocupa bastante, tem poucos profissionais especializados e são caros. Estou pensando em marcar uma gineco q tb é terapeuta sexual, estou torcendo para que o plano de saúde cubra as despesas, pq nao tenho abertura com a minha mãe p contar que estou com esse problema. Estou aflita :,(

  12. disse:

    Amiga , tenha certeza que existe cura. Passei por esse problema por 15 anos e foi necessário o choque da traição para perceber que eu podia ser uma mulher de verdade. Os conselhos que sempre escutei, foi começar pelos exercícios com o dedo, mas nunca conseguia, então comecei com um cotonete, depois comprei um OB mini e tentei no período em que estava menstruada, sempre com um espelho na frente. Além do exercício com o corpo trabalhava minha cabeça para que ela entendesse que qualquer virgem poderia usar este absorvente sem se machucar, pois nunca me deixava penetrar com medo de ser machucada. Consegui da 2º tentativa com alguma dificuldade, mas fiquei muito feliz por ter conseguido, sentia que eu estava evoluindo. Tentei então um OB médio, que já havia comprado e tentado de outras vezes, mas não havia conseguido. Novamente não tive sucesso, foi ai que tive a idéia de passar nele um lubrificante vaginal que havia comprado para fazer os exercícios com o dedo. Acredite se quiser, mas o absorvente entrou sem eu nem me dar conta, e olha que eu já havia tentado de outras vezes e não havia conseguido de jeito nenhum. Foi ai que passei pela última etapa: lambuzei o pênis do meu marido e não sei explicar como, mas ocorreu a tão sonhada penetração que sempre tive pavor. O engraçado é que sempre ficava excitada e lubrificada, mas o pênis escorregava e a minha tensão se encarregava de não deixá-lo entrar. Não senti nenhuma dor, só me assustei ao perceber que o pênis havia rompido meu hímem e penetrado. Não acreditava. Tive que por a mão para ter certeza que realmente o que eu sempre tive medo havia acontecido. Chorei muito, mas foi de emoção. Confesso que não acreditava mais que iria acontecer, apesar de estar tentando, já havia passado 15 anos de tentativas frustradas. Meu marido sempre me compreendeu, mesmo sem entender, talvez por isso tenha demorado tanto para acordar. Espero que essas dicas possam te ajudar, pois eu sei o quanto esse distúrbio faz uma mulher sofrer. Comece o quanto antes, pois em 1 mês de exercícios consegui, só não espere um sofrimento te fazer acordar, pois a penetração não traz dor, mas a traição é uma dor mortal.
    Seja feliz, toda mulher merece!!!!

  13. disse:

    Amiga , tenha certeza que existe cura. Passei por esse problema por 15 anos e foi necessário o choque da traição para perceber que eu podia ser uma mulher de verdade. Os conselhos que sempre escutei, foi começar pelos exercícios com o dedo, mas nunca conseguia, então comecei com um cotonete, depois comprei um OB mini e tentei no período em que estava menstruada, sempre com um espelho na frente. Além do exercício com o corpo trabalhava minha cabeça para que ela entendesse que qualquer virgem poderia usar este absorvente sem se machucar, pois nunca me deixava penetrar com medo de ser machucada. Consegui da 2º tentativa com alguma dificuldade, mas fiquei muito feliz por ter conseguido, sentia que eu estava evoluindo. Tentei então um OB médio, que já havia comprado e tentado de outras vezes, mas não havia conseguido. Novamente não tive sucesso, foi ai que tive a idéia de passar nele um lubrificante vaginal que havia comprado para fazer os exercícios com o dedo. Acredite se quiser, mas o absorvente entrou sem eu nem me dar conta, e olha que eu já havia tentado de outras vezes e não havia conseguido de jeito nenhum. Foi ai que passei pela última etapa: lambuzei o pênis do meu marido e não sei explicar como, mas ocorreu a tão sonhada penetração que sempre tive pavor. O engraçado é que sempre ficava excitada e lubrificada, mas o pênis escorregava e a minha tensão se encarregava de não deixá-lo entrar. Não senti nenhuma dor, só me assustei ao perceber que o pênis havia rompido meu hímem e penetrado. Não acreditava. Tive que por a mão para ter certeza que realmente o que eu sempre tive medo havia acontecido. Chorei muito, mas foi de emoção. Confesso que não acreditava mais que iria acontecer, apesar de estar tentando, já havia passado 15 anos de tentativas frustradas. Meu marido sempre me compreendeu, mesmo sem entender, talvez por isso tenha demorado tanto para acordar. Espero que essas dicas possam te ajudar, pois eu sei o quanto esse distúrbio faz uma mulher sofrer. Comece o quanto antes, pois em 1 mês de exercícios consegui, só não espere um sofrimento te fazer acordar, pois a penetração não traz dor, mas a traição é uma dor mortal.
    Seja feliz, toda mulher merece!!!!

  14. disse:

    OLÁ!
    FICO MUITO FELIZ EM SABER QUE ALGUÉM CONSEGUIU REALIZAR ESSE SONHO QUE TENHO HÁ 6 ANOS. NAMORO HÁ QUASE 7 E MEU NAMORADO É MUITO COMPREENSIVO E TENHO CERTEZA Q NÃO ME TRAI, POIS EXISTEM OUTRAS FORMAS DE SE MANTER RELAÇÕES SEXUAIS A NÃO SER POR PENETRAÇÃO VAGINAL OU ANAL. MAS ELE ME COBRA ESSES TAIS EXERCÍCIOS COM OS DEDOS QUE CITARAM, POIS FUI À GINECOLOGISTA, À SEXÓLOGA, SEI TUDO O QUE TENHO QUE FAZER, SÓ QUE TB NÃO CONSIGO FAZER. AGORA COM AS DICAS DA COLEGA, TENTAREI OUTRAS FORMAS E TENHO FÉ QUE CONSEGUIREI. SE TIVEREM MAIS DICAS, ME PASSEM, PRECISO DE AJUDA E ESSAS SEMPRE SERÃO BEM-VINDAS! DEUS AS ABENÇOE.

  15. disse:

    Sobre vaginismo, quanto tempo se cura? é eficaz mesmo o tratamento? Favor mande resposta, Obrigada

  16. disse:

    Ola
    Tambem estou passando por esse problema e nao sei como resolve lo , pois ja fiz terapia e nao ajudou muito , gostaria de saber se algume ja fez fisioterapia ginecologica ?

  17. disse:

    Oi, sou mais uma que passa por este problema. Tenho em relacionamento de 13 anos marcado pelo sofrimento. Já havia procurado ginecologista, mas nunca havia descoberto o nome dessa desse disturbio, nem como curar. Até que lendo um livro sobre sexualidade feminina cheguei ao nome e as causas. Procurei o médico, encontrei finalmente uma profissional que se preocupa com os sintomas de seus pacientes. Estou a duas semanas fazendo o tratamento, baseado em exercícios de penetracao. Iniciamos com o dedo, na primeira tentativa foi muito dificil, mas agora já consigo. O segundo passo foi o aplicador de pomada vaginal, nos dois primeiros dias tremia de medo, mas no terceiro entrou sem traumas. Bem estou tomando uma medicacao para diminuir a ansiedade. Tenho certeza que meu proximo depoimento será contando como foi ficar curada e em seguida como foi engravidar. Na verdade em todos esses anos faltaram forca de vontade, determinacao e um profissional dedicado.
    Felizmente no final de outubro de 2008 consegui superar esse medo, em janeiro engravidei, mas infelizmente tive um aborto espontaneo em marco, mas apos o periodo de 3 meses ja poderei tentar engravidar novamente. Espero que breve consiga mais essa realizacao que e ser mae.

  18. disse:

    Gente, acho q poderiamos trocar informações e experiencias sobre nosso problema em comum, pra quem já tenha ou não, como eu, se curado desse mal
    se vcs tiverem msn seria interessante
    quem quiser me add, o meu eh: carol_azevedo89@hotmail.com

  19. disse:

    Olá meninas,
    estou chegando hoje para contar minha história. Sou casada há 04 anos meu marido é muito carinhoso comigo, mas já estamos no limite.Queremos ter um bebê, mas com o problema que estou passando é impossível.Eu chava que eu era a única que vivia esse problema, já fui há vários ginecologistas á 2 sexólogos e nada.Já me sinto um pouco aliviada em relatar meu problema, ás vezes me sinto uma porcaria de mulher. :(

  20. disse:

    Tem calma amiga. Vais ver que vais melhorar. Procura o Dr. Simões (jsimoes@caism.unicamp.br ), dizem que ele é mt bom nesse assunto. Vai dando notícias. um beijinho!

  21. disse:

    Adicionei-te no msn :)

  22. disse:

    Ola tb tenho vaginismo , namoro a 6 anos , estou procurando medicos que possam me ajudar, se alguma de voces puderem me passar. Como são esses exercicios?
    Obrigada

  23. disse:

    Entendo como se sente, já passei por isso também, esses sentimentos são normais, é uma disfunção sim, mas voce nao eh a unica e nao eh pior que ninguém por isso, olha eu recomendo pra voce terapia sexual, procure um psicólogo que é de grande ajuda e fique calma porque vc nao está sozinha e esse problema tem solução ^^
    e recomendo antes de ter o bebe vc resolver o problema, vai ser melhor pra vcs 2
    se tiver msn e quiser conversar me add =)

  24. disse:

    Também sofro desse mal e procuro ajuda…qualquer coisa me add no msn para trocarmos informações…gislamendes@hotmail.com

  25. disse:

    Será que vc poderia me ajudar, gostaria de saber como vc conseguiu superar esse problema, se possível poderiamos conversar no msn…gislamendes@hotmail.com

    Abraços….

  26. disse:

    Olá Jackeline, estou com o mesmo problema descobri nesta semana que tenho vaginismo, e está sendo barra, em quanto tempo você conseguiu se recuperar? e foi 100%?
    Já tenho isso há 3 anos, e quero me libertar disso o mais breve possível, só tenho medo de nunca mais ser normal…
    Um abraço e obrigada pela atenção

  27. disse:

    Olá, também tenho vagisnismo, descobri isso há menos de uma semana, estou sem chão, gostaria de saber como foi o seu tratamento, e se ficou bem depois disso, a médica que me deu o diagnóstico disse que um dia ficarei 100%, porém o tratamento é caríssimo não poderei fazer as sessões com a mesma frequencia q a profissional me indicou, e isso me preocupa muito, sou casada há 1 ano e meio, meu marido é compreensivo, mas até onde vai toda esta compreensão?
    Gostaria muito de conversar com pessoas que tem ou tiveram este problema.

    Um abraço

  28. disse:

    eu tenho vagisismo.mas ele adora.porq. diz que pareço virgem.então isso sói me deixa feliz……não tenho problemas com relação a isso. até gosto.

  29. disse:

    Ola pessoal… como mtas aki, tbm sofro desse mal…
    gostaria de saber como sao esses tais exercícios q v6 disseram q fizeram… por favor descrevam eles pra gente…

    obg…

  30. Nessa_Jampa disse:

    Poxa! vc passou 15 anos com esse problema e virgem, casada? entendi direito?
    Eu tive isso e com muita persistêcia superei..

  31. disse:

    Ola Boa tarde a todos (as), sou de sp capital, tomei conhecimento da existência disto a +/- 5 meses, ao iniciar o namoro com uma garota e após algumas tentativas frustradas e ao pesquisar na net, buscando uma posição ideal para tirar a virgindade, percebi que não se tratava de apenas virgindade, fiquei sem graça pra contar a ela, mas contei sobre artigos que encontrei na Net e ela assumiu viver esse problema, e que estava tendo vários namoros de poucos tempos, porque ela é muito linda, mais esbarrava nisso, ela tem 24 anos, eu tenho 31, até que cobrei dela que encarasse e procurasse tratamento, se necessário eu até iria junto, contei inclusive pra mãe dela, porque era incompreensível tanto mal humor dela e no trabalho também, se a mãe dava total liberdade…dormia com o namorado e tudo, era pra estar bem feliz, daí contei inclusive pra sua mãe, que também lhe daí lhe cobramos uma atitude frente a este problema, pois até então ela fugia terminando os namoros, com outras formas de fazer sexo que não vaginal; Bom fato é que em menos de 02 meses, conseguimos nos livrar deste trauma involuntário que a garota tinha a vida toda, gostaria de partilhar com vocês ou mesmo com os namorados que assim como eu estão sofrendo com isso, podem estar me contatando no e-mail douglasar@ig.com.br, se entender que posso ajudar. Abraços,

  32. disse:

    Olá, gostaria muito de poder conversar sobre isto, pois realmente só quem passa por isso sabe!!Se alguém puder me ajudar agradeço!!!:(

  33. disse:

    Olá, gostaria muito de poder conversar sobre isto, pois realmente só quem passa por isso sabe!!Se alguém puder me ajudar agradeço!!!:(

  34. disse:

    Olá gjr, estou na mesma situação que tu, também quero ter um bebê, mas sofro parcialmente com o problema, gostaria de conversar mais contigo sobre isso, para troca de experiência!!

  35. disse:

    Olá gjr, estou na mesma situação que tu, também quero ter um bebê, mas sofro parcialmente com o problema, gostaria de conversar mais contigo sobre isso, para troca de experiência!!

  36. disse:

    Olá gjr, estou na mesma situação que tu, também quero ter um bebê, mas sofro parcialmente com o problema, gostaria de conversar mais contigo sobre isso, para troca de experiência!!

  37. disse:

    Olá gjr, estou na mesma situação que tu, também quero ter um bebê, mas sofro parcialmente com o problema, gostaria de conversar mais contigo sobre isso, para troca de experiência!!

  38. disse:

    Olá! Passo pela mesma situação (infelizmente somos muitas). Visite um blog sobre o assunto (link a seguir). Vc vai encontrar muitas informações. Link: http://ameperfeito.blogspot.com/.

  39. disse:

    Eu ajudei minha esposa a se curar do veginismo…posso ajudar muitas de vcs, acredito que existam muitos mitos e profissionais que fazem deste problema uma porta pra ganhar dinheiro. Apenas carinho, calma, paciência e muito comprometimento pode ajudar…

  40. disse:

    Oi Meninas
    namoro há 4 anos e tenho vaginismo, descobri há 2 meses…enrolei muito para procurar ajuda para saber qual era o meu problema, tinha mãe sempre passou a ideia de que sexo não era uma coisa boa, não conseguia ter relações e achava q eu tinha algum problema físico..alguma má formação, isso me deixava com a alto estima lá embaixo, meu namorado sempre foi paciente comigo, por isso acho não me preocupei em ir procurar ajuda antes..até que um dia ele chegou e conversou comigo, pedindo pra eu procurar ajuda, foi ai que descobri que tinha vaginismo,minha ginecologista falou que eu tinha que procurar psicólogo e uma sexologa, mais como muitas meninas disseram esse tratamento é caro, a ginecologista falou que o tratamento demora de 6 meses há um ano, como não tenho dinheiro pra pagar o tratamento resolvi fazer em casa mesmo, e td vez q eu faço melhora um pouco..espero que na proxima vez q eu poste aqui eu já tenha conseguido ter relações! Meninas existem casos muito piores que o vaginismo, graças a deus ele tem cura, e a força de vontade ajuda e muito! tentem fazer os exercicios quase tds os dias, comecem com coisas pequenas e a medida que vai melhorando usem objetos maiores até se aproximarem do tamanho do pênis! desejo boa sorte a todas nós!
    beijos

  41. disse:

    Chicó
    Bom dia,

    Eu sou casada a 2 anos e 5 meses e tenho o vaginismo, não consegui ser penetrada ainda, gostaria de saber como você e sua esposa conseguiram superar este problema. Já fiz trabamento com Psicoterapia e foi bom para minha auto estima, mais não consegui resolver este problema.

  42. disse:

    O que é vaginismo

    O vaginismo é uma condição que afeta a capacidade da mulher tomar parte em qualquer forma de penetração vaginal, incluindo relação sexual vaginal, colocação de absorvente interno e penetrações relacionadas a exames ginecológicos. O vaginismo é resultado de um condicionamento reflexo do músculo pubococcígeo, que faz com que a vagina tencione subitamente tornando qualquer forma de penetração vaginal dolorida ou impossível. Um mulher com vaginismo não controla conscientemente o espasmo muscular. O severidade do vaginismo e dor durante a penetração variam de mulher para mulher.

    Vaginismo primário

    O vaginismo primário ocorre quando a mulher nunca foi capaz de ter relação sexual ou qualquer tipo de penetração vaginal. Alguns fatores que podem causar vaginismo primário são:
    * Abuso sexual.
    * Achar que o sexo é vulgar ou imoral.
    * O medo da dor associada à penetração, particularmente aquela associada ao rompimento do hímen na primeira tentativa de penetração sexual.

    Vaginismo secundário

    O vaginismo secundário ocorre quando a mulher, que era capaz de ter penetração vaginal, desenvolve vaginismo. Isso pode ser devido a causas psicológicas ou físicas, como infecção por candidíase ou trauma durante o parto.

    Tratamento do vaginismo

    Há uma variedade de fatores que podem contribuir para o vaginismo, que podem ser físicos ou psicológicos. O tratamento pode depender das causas do vaginismo. Como cada caso é diferente, o tratamento deve ser individualizado.

    Tratamento psicológico do vaginismo

    De acordo com estudos, as principais causas do vaginismo são medo de dor no sexo, barreiras religiosas para o sexo e experiências traumáticas na infância (não necessariamente de natureza sexual). É importante registrar os aspectos psicológicos do problema, assim como o espasmo muscular. A mulher pode escolher descrever a questão psicológica em seus próprios termos, ou buscar ajuda de um psicoterapeuta.

    Tratamento físico do vaginismo

    O tratamento físico dos espasmos pode incluir exercícios, exploração da vagina pelo toque, e uso de dilatadores vaginais. Ao tratar os espasmos com dilatadores vaginais, esses gradualmente aumentam de tamanho à medida do progresso.

    Sexualidade da mulher com vaginismo

    Em mulheres com vaginismo a penetração sexual é dolorosa ou impossível, entretanto elas podem participar de outras atividades sexuais desde que a penetração seja evitada. Muitas mulheres com vaginismo desejam ter relação sexual com penetração, porém são impedidas pela dor ou pelo impacto emocional de cada tentativa.
    Masturbação na mulher com vaginismo

    Um dos problemas da mulher com vaginismo é que ela pode ficar temerosa de participar de atividades sexuais devido ao medo da dor com qualquer tipo de penetração sexual. A masturbação, com o sem penetração, pode aliviar esse medo, assim como a pressão sobre sua performance com um parceiro. Apesar da crença popular, o orgasmo não precisa ser o objetivo da masturbação. Pode-se realizar a masturbação simplesmente para explorar as várias sensações através do toque genital e no clitóris.

  43. disse:

    Meninas, eu estou curada e tenho dicas legais, caso precisem de ajuda mandem e-mail para mim neste endereço: carola.ra@bol.com.br

    =)

    Bjos

  44. disse:

    Olá…Tenho vaginismo há 4 anos mas só fui aceitar e ter a ciência disso há 1 ano.. Estou me tratando há 6 meses com uma terapeuta sexual e fazendo os exercicios da musculatura vaginal. Ainda naum me sinto preparada para voltar a ter relações pois parei com a penetração há 1 ano por causa da dor… Meu namorado é compreensivo mas naum me sinto bem em vê-lo nessa situção. Acho a´te q vou temrinar meu namoro. É triste , eu choro muito e me pergunto” porq eu ?”…

  45. disse:

    Olá! Acabei de descobrir meu problema! Vaginismo! Estou casada a quase dois anos e ainda não consegui a tão sonhada penetração! Meu marido é muito carinhoso, mas o meu medo é até quando ele vai aguentar! Estava lendo os depoimentos e fiquei mais tranquila porque achei que esse problema fosse só comigo! Nossas familias ficam cobrando o bebe e o que estou tomando para evitar um bebe agora? Fico muito sem graça, nos ultimos dias estou fugindo desse assunto! Minha mãe esses dias me convidou p ir fazer uns exames ginecológicos, tive que mentir que já havia feito, não tenho coragem de contar p ela. Na verdade só meu marido sabe! Gostaria de mais informações sobre esses exercicios, já havia procurado uma ginecologista e ela havia falado sobre o exercicio com o dedo mas na época achei loucura! Mas agora estou vendo que parece funcionar! Bjs!

  46. disse:

    Olá namoro a 3 anos e 8 meses, e meu problema é o seguinte, no começo do meu namoro a nossa relação sexual era as mil maravilha, depois de um tempo pra cá, não consigo fazer nada, nem um dedo se quer, dói muito. jah fui em varios ginecologista mais todos falam que preciso de psiquiatra, estou desesperada. estou com medo de perder a pessoa que mais me apoia.
    Pessoa preciso de vcs….
    Me ajudem…..

  47. disse:

    Enfim…meu namoradotemrinou comigo. Há 3 meses íamos ficar noivos e de repente ele desisitiu por causa desse meu problema. Estávamos juntos há 7 anos, ele disse q me amava muito mas caiu em si e me deixou. Agora me pergunto: a culpa é minha ? Não pedi pra estar assim.

  48. gato6811 disse:

    Tive uma namoro com uma mulher com um vaginismo em um grau bastante cevero….. tive a grata satisfação de ajudala e se curar……

    Ela já tinha trocado outros 4 namorados e desistiu de todos pelo problema , e a dificuldade com todos….

    O primeiro namorado dela que “fez o rompimento do himem ” como ela contou foi terrivel pra ela….

    Quando conseguimos transar, foi maravilhoso pra ambos…. e tenho uma satisfação pessoal até hoje em ajuda-la….

    A primeira coisa é muita calma e lugar muito tranquilo…. o homem tem que colaborar totalmente ficando apenas passivo as ações que a mulher é quem tomará…..

    Segundo você mulher tem que estar bem certa e decidida que PODE sim se curar, e achar uma posição sobre o corpo do homem que ficará passivo e quietinho embaixo de vc e “a postos”…..

    O ritmo de ações é só da mulher, a lubrificação tambem deverá ser bem auxiliada com lubrificantes artificiais a base de agua… abuse do uso em vc e no parceiro…..

    Quando encontrar a sua posição confortavel sentadinha sobre ele, vc irá comandar os seus movimentos favorecendo o inicio e seguindo o seu ritmo de inicio e continuidade da penetração…..

    O restante é só muita calma e sensibilidde da sua ação sobre ele, com geitinho , paciencia e calma, voce vai adquirindo confiança e trocando dor por prazer…… ache algum estimulo emocional que te ecite que tambem ajuda muito antes de iniciar, pode ser um filme, um cheiro, uma visão um beijo um tato, o que for, mas vc é quem descobre….

    Pra mim algumas etapas tambem foram de amargar, deu uns apertões que doeram muito e pensei , “pronto, lá se foi meu amigo, agora vai atorar fora”, mas em pouco tempo na medida em que ela conseguiu e relaxou, pra mim o prazer foi extremo inclusive, nunca mais tive uma sensação de tanto aperto e prazer….

    BOA SORTE E FIQUEM COM DEUS….

  49. disse:

    Olá meninas, pra mim só adiantou usando xelocaina(tem função de adormecer a região em q ela é aplicada), já consegui 3 vezes usando essa pomada, agora vou tentar sem ela,a mulher não sente nada, mais é bom pra usar as primeiras vezes, e tem q ser com camisinha, pra pomada não entrar em contato com o seu parceiro. Acho legal usar a pomada nas primeiras vezes pq ai vc acustuma, fica mais relaxada e segura pra tentar sem ela depois. Tentem! comigo está dando certo! Espero conseguir sem ela!

    beijos

  50. FabioMassagista disse:

    Meninas… mais uma vez venho ao bolsa oferecer ajuda !
    Sou terapeuta corporal, e trabalho com tecnicas, que visam dissolver traumas e fazer com que seja retomado o pulso de vida do próprio corpo.
    Já cuidei de algumas pessoas aqui do bolsa, qualquer coisa é só olhar os depoimentos que estão no meu site:
    http://www.fabiomassagista.com.br

    um grande abraço e força a todas vocês !

  51. FabioMassagista disse:

    Meninas… mais uma vez venho ao bolsa oferecer ajuda !
    Sou terapeuta corporal, e trabalho com tecnicas, que visam dissolver traumas e fazer com que seja retomado o pulso de vida do próprio corpo.
    Já cuidei de algumas pessoas aqui do bolsa, qualquer coisa é só olhar os depoimentos que estão no meu site:
    http://www.fabiomassagista.com.br

    um grande abraço e força a todas vocês !

  52. disse:

    Meninas…eu estou grávida e tenho vaginismo!minha história é a seguinte: tenho 26 anos, namoro a 9 anos e já sofri muito,pois fiquei quatro anos tentando ter relações com esse namorado e ñ conseguia. No meu caso o vaginismo é resultado de um trauma de infância, o que piora ainda mais a situação. Porém, com muito carinho e cuidado e depois de mtaaaaaas tentativas, consegui ter relação. Hoje ainda tenho vaginismo, mas consigo ter relações sexuais normalmente (a única diferença é que dói um pouquinho no começo, mas depois é normal…tenho orgasmo e meu parceiro até acha estimulante, pois ele tb sente mais prazer por ser “apertadinha”…rsrs). Meu único problema é com relação a exame preventivo…é uma TORTURA!!!até agora só fiz uma vez e ainda assim a médica ñ conseguiu visualizar todo o colo do útero….isso me preocupa mto, pois estou grávida e esses exames são mto importantes especialmente na gravidez. Meu outro medo é de ñ poder ter meu filho de parto normal (até agora ñ consegui uma explicação se poderei ou ñ ter parto natural por conta desse problema), aliás, se alguém souber a resposta me diga por favor. Mas é isso meninas, acreditem…com mto carinho e cuidado é possível SIM vencer isso, e qdo isso acontecer o parceiro de vocês vai curtir muito, muito mesmo! A dica é: peça para o parceiro caprichar nas preliminares, depois ele tem q ir inserindo devagarzinho…aí peça para ele ficar parado e somente VOCÊ se movimentar …vá fazendo movimentos circulares e de vai e vem, relaxando aos poucos…qdo vc menos esperar vai conseguir e daí pra frente é só alegria!!!

  53. disse:

    Sou casada há 17 anos, e desses 17 anos de união nunca tive uma relaçao sexual com penetração,sofro de vaginismo. Numa das tentativas de sexo, acabei engravidando sem ser penetrada. Achei que assim resolveria o meu problema de vaginismo, o que não aconteceu.
    Tive um parto cesário do qual ocorreu tudo bem, minha filha nasceu com saúde, e nesse ano completará 15 anos. Ao longo desses anos procurei tratamento, mas não foi possível arcar com os custos. Vivo infeliz por não conseguir resolver esse problema, a qual atribuo a culpa a min. Fiquei feliz ao acessar esse sait e descobri essa maneira de se comunicar e expor o meu problema. Já realizei vários tipos de exercícios sem obter sucesso, acabei gerando em min um drama psicológico e moral. Eu e meu esposo ao passar dos anos, acabamos se acomodando com a situação achando que não teriámos mais solução. Hoje com 38 anos tenho medo que a minha atrofia da musculatura da vagina tenha piorado. Por favor me oriente, diga-me o que devo fazer.

  54. disse:

    Eu tenho 17 anos e não consigo transar de jeito nenhum, sinto muita dor na hora da penetração, mas ja consegui colocar o penis, mas sempre me da uma vontade incontrolável de fazer xixi e não consigo ficar mais que poucos segundos com o penis dentro de mim, me faz suar muito e ficar extremamente desconfortável e com muita dor, a primeira vez que tive com o meu namorado, foi horrível, eu acho que eu estava muito tensa e senti muita dor, sangrei a noite inteira e sempre que me lembro dessa dor fico mal, quero muito transar, não aguento mais isso, não quero mais sentir dor oque eu faço ? SOCORRO

  55. disse:

    Olá,

    Sou contra dar pitacos sem fundamento, mas encontrei este artigo num site e achei sério:

    Vaginismo é um distúrbio da sexualidade feminina muito raro que pode até impedir completamente uma relação sexual. É uma síndrome psicofisiológica cuja característica fundamental é a contração involuntária, recorrente ou persistente, dos músculos do períneo adjacentes ao terço inferior da vagina, quando é tentada, prevista ou imaginada a penetração vaginal com pênis, dedo, tampão ou espéculo. Em algumas mulheres, até mesmo o fato de pensar na possibilidade da penetração vaginal pode provocar este espasmo muscular. A contração pode variar desde leve, induzindo alguma tensão e desconforto, até severa, impedindo completamente a penetração. Em alguns casos essa contração é tão severa que produz dor. Porém mulher pode, mesmo apresentando o vaginismo, manter sem prejuízo suas demais respostas sexuais como, por exemplo, desejo, prazer e capacidade orgásmica, desde que não seja tentada ou prevista a penetração.

    O vaginismo pode ser facilmente identificado, em uma consulta ginecológica, pela própria mulher sozinha, ou durante a atividade sexual. Na consulta ginecológica quando a mulher vai fazer o exame físico, às vezes basta apenas colocar-se na cadeira de exame para a contração muscular vaginal involuntária se dar, o que impede a realização do mesmo. Quando a própria mulher vai se examinar, tentando introduzir o dedo no interior da vagina, e encontra dificuldades, pode-se pensar também na existência de Vaginismo.

    Este quadro pode apresentar-se na mulher apenas durante a atividade sexual e não durante o exame ginecológico. Em algumas mulheres que apresentam o Vaginismo até a colocação de um tampão vaginal pode ser problemática. As mulheres em quem o quadro é tão severo que impede a realização pelo ginecologista de exames de toque, preventivo de câncer e coleta de material, podem, além de vivenciar sofrimentos ligados à sexualidade, estar expondo-se a riscos como o não diagnóstico preventivo de doenças graves como câncer.

    Para se determinar diagnóstico de Vaginismo é necessário avaliar a mulher como um todo. Deve-se observar seu quadro geral de saúde, sua história de vida, seu histórico clínico, seus resultados laboratorias e seu exame físico, para se afastar outras possíveis causas dos espasmos vaginais, como, por exemplo, outras disfunções sexuais ou efeitos fisiológicos diretos de outros quadros clínicos como, por exemplo, endometriose ou infecção vaginal.

    O vaginismo surge com mais freqüência em mulheres jovens, mulheres com atitudes negativas com relação ao sexo e em mulheres com uma história de abuso ou traumas sexuais.

    O Vaginismo é um quadro que causa grande sofrimento e dificuldades interpessoais, na medida em que interfere diretamente no desenvolvimento das relações sexuais. Muitos relacionamentos afetivos ficam abalados fortemente diante da existência desta disfunção. Diante deste quadro não são raros os casos de casamentos não consumados e infertilidade. O vaginismo pode acarretar distúrbios emocionais como a depressão.

    Voltar ao início

    Da onde vem?

    O vaginismo pode ter início em qualquer tempo da vida da mulher. A tendência é de que seu aparecimento seja súbito, podendo surgir durante uma tentativa de penetração pelo parceiro, durante o primeiro exame ginecológico de rotina, em resposta a um trauma sexual (abuso, estupro) ou a uma condição médica geral. Este quadro tende a ficar crônico na medida em que não se busque tratamento adequado.

    Alguns fatores que foram cientificamente comprovados como possíveis desencadeadores do vaginismo são: tentativas de sexo sem prazer, falta de orgasmo na relação, fracasso na relação, angústia, sentimento de culpa, educação religiosa severa, sexo repressor, abuso sexual e estupro. Este quadro pode se desenvolver em mulheres de qualquer raça, cor, idade, condição financeira ou intelectual.

    Acredita-se que os espasmos vaginais surjam como resultado da associação da atividade sexual com dor e medo. Quanto mais se tenta a penetração num caso desses, mais se reforça o medo, a dor e a frustração, levando ao espessamento dos músculos da vagina, coxas, pernas e abdômen e em conseqüência a uma piora do quadro clínico.

    Existem determinados quadros clínicos como a endometriose ou infecções vaginais que podem gerar o efeito fisiológico de contração muscular involuntária. O Vaginismo pode continuar após a remissão de um quadro clínico desses como um efeito residual. Caso estejam presentes o Vaginismo e um quadro clínico, e o médico perceba que os espasmos vaginais não se devem apenas aos efeitos fisiológicos diretos da condição médica geral, aplica-se um diagnóstico de Vaginismo devido a fatores combinados.

    Voltar ao início

    Como tratar ?

    O tratamento indicado para o vaginismo é a Psicoterapia. Este tratamento tem como objetivo ampliar o conhecimento pessoal. Quanto mais a mulher conhecer sobre ela mesma, seu corpo, sua forma de lidar com o mundo, mais apta ficará a permitir-se vivenciar amplamente sua sexualidade.

    Um dos aspectos importantes durante o Processo psicoterapêutico de uma mulher que esteja vivendo um quadro de vaginismo é buscar facilitar a ampliação de seu conhecimento em relação a como ela reage ao próprio medo, a como funciona seu corpo, e especificamente a como realiza suas contrações vaginais. Quanto mais consciência ela adquire a cerca das contrações, mais controle tem sobre elas. Para tal podem ser utilizados exercícios específicos.

    O vaginismo é um quadro em que quanto mais cedo se busca tratamento, mais rápido se obterá a remissão dos sintomas. Não existe medicamento específico para o vaginismo e não se deve usar tranqüilizantes, ou anestésicos locais para tentar a penetração. Esse uso somente piora o caso e retira o prazer sexual.

    DO SITE: http://www.marcelomarcia.na-web.net/Vaginismo.html#A

    CONSULTE TAMBEM: http://www.drmm.com.br/

  56. jurodrigues02 disse:

    Muito boa para exclarecer q tem este problema

  57. disse:

    (CL)(CL)(CL)(CL)

×
Faça do Bolsa de Mulher
sua página incial
E também acompanhe: Newsletter