Corrimento

Quase toda mulher tem essa queixa. Mas como saber se é normal ou não?
por admin

"Acho que estou com um corrimento!" é a frase mais comum dentro do consultório de qualquer ginecologista. Mas a grande questão é: como saber se o que sentimos é normal ou não?

Em primeiro lugar, é importante que você saiba que toda mulher tem corrimento, produzido naturalmente pela vagina. Essa secreção é composta por muco cervical (aquela gosminha, tipo clara de ovo, que sai da vagina no período fértil), células, líquidos produzidos pelas paredes vaginais e em algumas glândulas localizadas lá dentro. É essa mistura que dá a cor transparente, às vezes esbranquiçada, à secreção e aquele cheirinho característico que toda mulher tem. Esse tipo de corrimento – que não coça e não tem cheiro ruim – é considerado normal e pode variar em quantidade de acordo com época do ciclo menstrual: alguns dias antes ou depois da menstruação, a vagina costuma ficar mais sequinha. Já no período fértil, esta secreção pode sair em maior quantidade, dando uma sensação de umidade, que nem sempre agrada!

Um outro detalhe importante é saber que existem diversos microorganismos que são habitantes naturais das nossas vaginas. Sim, é verdade! A vagina da mulher é cheia de fungos e bactérias, que em condições normais vivem em equilíbrio. Por isso, a mulher não tem infecções o tempo todo! Mas não pense que isso é assim tão fácil... contamos com um verdadeiro exército de bactérias "do bem" – os lactobacilos, também chamados de bacilos de Döederlein – que protegem nossas vaginas da ação dos fungos – como a Cândida – e de bactérias – como a Gardnerella.

Mas, nem tudo são flores. Inúmeros fatores (físicos, químicos e infecciosos) são capazes de interferir neste processo e romper este delicado equilíbrio, provocando inflamação na vagina e, nos casos mais graves, no útero. Uma das causas mais comuns de corrimento nas mulheres é a infecção por Cândida sp, Gardnerella e Trichomonas vaginalis. Este último é transmitido principalmente através da relação sexual, sendo necessário o tratamento do parceiro. A infecção pela clamídea e/ou gonorréia também é transmitida pelo sexo e, se não for tratada em tempo, pode deixar graves seqüelas, como a esterilidade. O HPV e o herpes, apesar de estarem entre as causas de corrimento, estão mais relacionados ao câncer de colo de útero.

A principal característica da infecção pela Cândida é o aparecimento de um corrimento branco, grumoso, que parece "nata de leite", associado a uma intensa coceira na região externa e interna da vagina. Às vezes, coça tanto que chega até a machucar! Já a Gardnerella e o Trichomonas dão um corrimento mais amarelo-acinzentado e com um odor bem desagradável, tipo "peixe podre". O problema da infecção pela clamídea e/ou gonorréia é que não provoca sintomas na maioria das mulheres, o que dificulta a busca pelo tratamento. Além disso, é sempre bom lembrar que quando a vagina está inflamada é mais fácil ser contaminada pelo HIV!

Por isso, mulheres, atenção! Sempre que sentir que tem alguma coisa diferente acontecendo aí embaixo não demore e nem tenha vergonha de procurar o ginecologista. A avaliação médica é fundamental para que você possa fazer o tratamento correto e ficar livre do problema!

Dra. Mariana Maldonado é médica ginecologista e obstetra, especialista em Sexologia e Homeopatia.
Tel: (21) 2287-2311
e-mail: dra.mariana@marianamaldonado.com.br
site: www.marianamaldonado.com.br

Matérias Recomendadas

Facebook Comments