Cisto no ovário: o que é?

Cistos no ovário provocam acne, pêlos, obesidade e até dificuldade para engravidar
por Redação

Sua menstruação não vem faz meses, você está engordando do nada, e tem certeza de que não está grávida. Esses são alguns sinais que podem indicar a síndrome do ovário policístico.

Leia também:

Ovários policísticos podem gerar infertilidade

Ovários policísticos: buscando o diagnóstico

Eles são pequenos cistos, de 10 a 12 milímetros, que provocam, entre outras coisas, acnes, aumento de pelos, obesidade, dificuldade para engravidar, irregularidade no ciclo menstrual ou, pelo contrário, hemorragias. Na opinião de alguns especialistas, a causa é genética, para outros, vem do período embrionário. Venha de onde vier, o certo é que incomoda e não faz bem: pode aumentar os riscos de câncer de endométrio, de infarto e de diabetes. Sem falar que, dependendo do número de cistos, seu ovário pode quase dobrar de tamanho, e com eles, a sua barriga.

Rejane Real, de 30 anos, já teve vários cistos hemorrágicos e um que ultrapassou o tamanho do seu ovário, com quase 12 cm. "No início, eu ligava para a ginecologista desesperada. Depois, quando sentia aquela dorzinha, já fazia uma ultrasonografia e a doutora, que já me conhecia, dizia: nossa, é dos pequenos, aguenta que daqui a pouco melhora. E lá ia eu descansar. Há risco quando o cisto é sólido, aí tem que operar, mas se é líquido, ele explode e o corpo, geralmente, absorve."

Leia também:

Gravidez semana a semana: veja o que ocorre com mãe e bebê

Entendendo seu corpo: período fértil

Especialista esclarece 10 principais dúvidas sobre o ultrassom

As 10 maiores dúvidas sobre ovulação

Calcula-se que 25% das mulheres brasileiras, em idade fértil, sofram com ovários policísticos. Rejane diz que só de andar, já dói, mas que você não deve se desesperar: “calma, paciência, sossego e compressa para aliviar é a receita. Não é um monstro de sete cabeças.”

Shutterstock Shutterstock

Já Lucia Estêvão, oftalmologista, ficou quatro meses sem menstruar. “Fiquei aliviada que era algo simples e que não estava grávida. Ainda tenho, aliás que eu saiba não existe cura e sim o controle através de hormônios.” Lúcia está certa, o tratamento convencional utiliza anticoncepcionais, que regularizam o ciclo menstrual, deixando o ovário descansar, para que o organismo consiga absorver os cistos. No entanto, se a pílula for suspensa, os sintomas podem reaparecer. Para diagnosticá-los, além da ultra-sonografia, você precisa de um exame de laboratório checando as suas dosagens hormonais. Uma outra forma de detectar os folículos é através da videolaparoscopia, onde um minúsculo cabinho ótico é introduzido na barriga, através do umbigo, e com ele é possível visualizar o útero, trompas e ovários. Para o exame, você vai ser anestesiada, mas não se preocupe: você vai sair do hospital no mesmo dia.

Crédito: Shutterstock Crédito: Shutterstock

Prevenção é tudo. Levar uma vida saudável, comer bem, não fumar, nem exagerar na cafeína e fazer exercícios regularmente são grandes aliados na guerra contra os cistos.

A acupuntura entende e trata ovários policísticos como um acúmulo de energia na região abdominal, vitaminas B6 e Magnésio são ótimos contra a retenção hídrica, a medicina ortomolecular, assim como a homeopatia, agem regulando o ciclo menstrual. Porém melhor que tratar a doença, é evitá-la. Previna-se: visite o ginecologista a cada seis meses.

Assista também: Cuidados com o corpo durante a gravidez

Leia também:

Matérias Recomendadas

Facebook Comments