Cinta modeladora

Será que o velho truque de apertar emagrece? Fomos investigar!
por admin

Na sua primeira aparição pública, depois do nascimento do filho Pedro, que está com dois meses, a atriz Juliana Paes exibiu formas de dar inveja num clássico tubinho preto. O segredo? Segundo ela, além de "fechar a boca", é a boa e velha conhecida cinta. Diante dessa revelação, fomos investigar: será que o truque de apertar e modelar funciona?


O cirurgião plástico Luiz Eduardo Ematne afirma que não há comprovação dos benefícios e explica por quê: "Na gravidez, não há a desconexão da pele com a musculatura. O procedimento é intra-abdominal, diferentemente do que acontece pós cirurgia plástica - na qual a cinta precisa ser usada para comprimir a região que sofreu intervenção." A ginecologista Isabella Proença, diretora do espaço Bella Gestante e obstetra da atriz Danielle Winits, grávida de sete meses, endossa: "A cinta não é para recuperar a forma. Funciona para dar mais conforto e ajudar na postura no pós-parto".


Agora, se a intenção é só tornar o caimento das roupas um pouco mais elegante, aí sim ela é bem-vinda. "A cinta devolve a autoestima, na medida que faz com que as roupas vistam melhor na mulher no período pós-gravidez. Além de dar segurança aos movimentos", pondera Helena Junqueira, ginecologista e obstetra do Laboratório Femme, em São Paulo.

A cinta ideal


As cintas mais adequadas são as que proporcionam sensação de conforto. Se o tecido for inapropriado, a peça pode causar bolhas e machucar a pele da paciente. O material deve ser maleável, ajustável e ter a opção de abrir embaixo (principalmente para as mulheres que passaram pela cesariana). "Ainda no hospital, eu recomendo o uso da faixa da enfermagem, que as próprias enfermeiras colocam. É mais confortável", diz a ginecologista Isabella Proença.

Voltando à boa forma


Já vimos que a cinta é uma opção paliativa. Disfarça, mas não resolve o problema. A dobradinha dieta balanceada e malhação ainda são a melhor fórmula. "A barriga só voltará a ser como era antes com o trabalho muscular, que pode começar a ser feito, em média, um mês após o parto", avisa Isabella Proença.

Matérias Recomendadas

Facebook Comments