Cabelos: como consertar estragos > Cabelos: como consertar estragos

Se algo deu errado no salão ou em casa, não se desespere. Tem jeito.

por Redação

Você gastou um dinheirão para ficar mais bonita e… Deu tudo errado! O corte ficou esquisito, a coloração não era a que você esperava, o alisamento parece espichado. Se isso acontecer, não se desespere, a maioria desses problemas tem solução. Basta um pouco de paciência e cabeça fria. Veja como recuperar os cabelos depois de um trauma estético.

Coloração, luzes e mechas

Normalmente, para consertar problemas com luzes e mechas que não agradaram, usa-se um tonalizante para cobrir a cor indesejada. Tinta em cima de tinta jamais pode ser usado. Lucineidy Melo, do Walter's do Rio Design Barra, no Rio de Janeiro, lembra: "É importante procurar um colorista, esse tipo de profissional é o mais indicado para resolver a questão".

Lucineidy alerta: "Se a pessoa compra um tonalizante na farmácia, a cobertura pode não ficar tão boa quanto o que um produto profissional proporciona. Aí, para consertar, fica ainda mais difícil e, provavelmente, mais caro. Não vale o risco". Ela lembrando que o preço médio de uma coloração na rede de salões fica em torno de R$ 188.

Roger Dutra, hairstylist do centro de beleza Badós X, na Barra da Tijuca, tranquiliza: "Hoje em dia, existem tinturas tonalizantes que não têm oxidação e são verdadeiros tratamentos. Se a cliente não gostou do resultado final, podemos brincar com o tom sobre tom dos fios, sem causar prejuízos".

A hairstylist Sonia Nesi, do Studio de Beleza Sonia Nesi, no Rio, é direta: "A regra número um é não mexer, a pessoa deve procurar um profissional bem capacitado para interferir no estrago. Caso contrário, o prejuízo financeiro, e até de saúde, pode ser ainda maior".

Diálogo é tudo

Não adianta, tem que conversar com o cabeleireiro e estar disposta a ouvir a verdade. "Muitas vezes a cliente chega com uma revista debaixo do braço querendo a mesma cor do cabelo de uma atriz famosa. Mas, dependendo do tom desejado e do estado em que os fios se encontram, é impossível chegar àquele resultado", reforça Lucineidy, do Walter's.

O colorista vai explicar aonde é possível chegar, assim você não se arrepende depois. Se as luzes ficarem muito claras, a solução pode ser fazer mechas invertidas, o que harmoniza o visual. Importante não descuidar dos tratamentos coadjuvantes: hidratação, cauterização, aplicação de vitaminas.

Waleska Zanyor, da Academia Werner, pondera: "Antes de qualquer serviço, o ideal é analisar o fio. Para colorir, cortar, relaxar, é sempre bom pedir conselho a um profissional, que saberá dizer o que fará bem e o que fará mal para o cabelo."

Espichou?

Sonia Nesia afirma: "Quando o alisamento detona os fios, o erro pode ter sido do hairstylist, afinal, ele sempre deve analisar a saúde da fibra e verificar se o cabelo pode receber alguma química". Caso o estrago já tenha sido feito, cabe à cliente recuperar as madeixas com reestruturação, cauterização, hidratações. E manter essa rotina de tratamentos.

Se porventura acontecer do fio partir, ficar sensibilizado e sem brilho, será necessário o uso de produtos para recuperar, fortalecer e dar vitalidade. "Só depois é que se pode pensar em colocar uma nova química. Nesse caso, o serviço de corte também ajuda a valorizar o visual", acredita Waleska.

Depois de um alisamento, há quem reclame que os fios estão muito chapados e correm para fazer corte em camadas. Cuidado! "Para quem tem os cabelos enrolados e faz uma escova definitiva, o corte em camadas pode deixar os fios ainda mais espigados", diz a hairstylist do Walter's. Portanto, para quem quer alisar o ideal e deixar os fios mais retos antes do procedimento.

"Caso o problema seja a perda da naturalidade após o alisamento, a cliente pode, em casa, dar um movimento às pontas com um babyliss ou com a piastra. Já fica com outra cara", complementa.

×
Faça do Bolsa de Mulher
sua página incial
E também acompanhe: Newsletter