Amor platônico

Quem nunca viveu uma paixão que fica apenas no mundo das idéias?

por Redação

Tudo começa com a atração. Ela chega devagar, mas, de repente, quando a gente menos espera, explode um turbilhão de emoções: basta o desconhecido maravilhoso do ponto de ônibus chegar ou o deus grego do escritório (aquele com quem nunca tivemos a chance de ultrapassar as barreiras do "bom dia", "até logo") esboçar um breve aceno. Achá-lo lindo, vá lá, mas imaginá-lo como o futuro pai dos nossos filhos pode parecer um pouco exagerado. No entanto, no amor platônico, cultivado secretamente nas fantasias e na imaginação, nada é exagero. A gente fica igual a Bela Adormecida – esperando o beijo do príncipe encantado na angústia de saber se o grande dia vai, ou não, chegar.

Acalentar os sonhos com uma determinada pessoa da qual gostaríamos de nos aproximar e por quem gostaríamos de sermos amadas é uma experiência comum na vida de qualquer pessoa

Bela Adormecida, príncipe encantado… E onde fica Platão nessa história? Está na expressão – amor "platônico" -, mas até aí, nada. Bom, na verdade foi ele, Platão, filósofo grego que viveu por volta de 425 a.C., quem deu origem ao termo. "O amor é, de fato, um tema central da filosofia platônica. Ele perpassa toda a obra do filósofo, mas existem dois diálogos que tratam especificamente desse sentimento: Banquete e Fedro", explica o pesquisador de filosofia Antiga Remo Mannarino Filho. Segundo ele, em ambos os textos existem elementos que podem ter sido a origem do que hoje entendemos como amor platônico, um amor distanciado, impossível ou mesmo casto – sexo, só nas fantasias! "Mas é preciso ter em mente que o termo é usado, hoje, de forma um tanto distorcida ou no mínimo muito simplificada", avisa.

Amor a la grega

Só para se ter uma idéia de como a coisa é mesmo mais complexa, os gregos têm mais de um termo para definir o amor! No caso do platônico, estamos lidando com o eros. "É o desejo ou amor corriqueiro que sentimos por uma pessoa, mas que, segundo Platão, deve ser o ponto de partida para um caminho ascendente de contemplação intelectual ou espiritual", explica Remo. Ele diz que é como ir subindo vários degraus: "A função do desejo e do amor na alma humana é impulsionar em direção ao alto, em direção à contemplação da beleza em si mesma, eterna e incorruptível".

No fim das contas, o que Platão afirma é que o amor é, sim, uma loucura e um arrebatamento, mas não deve servir apenas à satisfação dos desejos inferiores da alma. "Ele pode e deve envolver jogos eróticos – carícias, beijos, toques – mas tudo isso no campo das idéias, sem chegar à consumação sexual", esclarece o pesquisador.

Já sentiu algo parecido? Pois é, Juliana Matias*, produtora, já. "Acho que sou a rainha dos amores platônicos", brinca Juliana, que há mais de dez anos curte um amor assim. "Tudo começou num show. Me apaixonei pelo cara da banda, a gente virou amigo, ele casou, tem filha, mas sempre me contentei em olhar só de longe", conta Juliana, que comemora: "Fui até devidamente apresentada à família dele como a fã número um da banda".

Ela conta que em todo show está lá na frente, babando. "É o máximo! Ele toca a minha música predileta, fico feliz e vou para casa cantarolando. Para mim, isso basta", garante Juliana. E ela vai além. "Já tive mil fantasias sexuais com ele, mas gosto mesmo é de ficar só olhando, suspirando, sei lá… Se encostar, perde o encanto", ri a produtora, que já chegou até a viajar direto com a banda só para poder tirar uma casquinha do rapaz – de longe, é claro. "Dormíamos no mesmo quarto e nunca rolou nada! Ele até já disse que nunca trairia a mulher, mas que comigo abriria uma exceção. Recuei, é claro. Você deve estar me achando louca, né?", diverte-se Juliana.

Na linha do tempo

De fato, o amor platônico sempre acompanhou o ser humano através da História. No século XII, era evocado pelos trovadores, que cantavam o chamado "amor cortês" através das cantigas de amor e das cantigas de amigo. "O amor cortês reservava à dama escolhida por um trovador como alvo de suas homenagens um lugar de destaque na sociedade por ser amada como nunca fora antes, cantada em prosa e verso. Ao trovador, o amor oferecia um enobrecimento da alma", explica a psicóloga e psicanalista Malvine Zalcberg, autora de Amor, Paixão Feminina (Editora Campus-Elsevier).

Pois é, segundo Malvine, às vezes nós mesmas escolhemos cultivar esse tipo de amor, assim como os trovadores e como a produtora Juliana Matias, porque ele nos faz sentir bem. O amor platônico, segundo a psicóloga, faz parte de uma evolução de cada um no seu caminho para o exercício da sexualidade e do relacionamento com outras pessoas. "Nesse sentido, não deixa de ser benéfico, pois algo do processo de transformação e de novas reflexões sobre os relacionamentos humanos passa por esse tipo de enamoramento", diz Malvine.

Ela afirma, ainda, que é altamente sedutor amar alguém em segredo, porque podemos idealizar e imaginar a relação com o outro da forma como queremos e desejamos. Por isso, "acalentar os sonhos com uma determinada pessoa da qual gostaríamos de nos aproximar e por quem gostaríamos de sermos amadas é uma experiência comum na vida de qualquer pessoa". O amor platônico é mais comum ainda na adolescência, quando estamos passando por uma fase de amadurecimento emocional e conhecemos, eventualmente, o amor por ídolos da TV, do cinema, da música… Sem contar pelos professores!

"Já fui louca pelo meu professor de Biologia quando estava na oitava série. Hoje, morro de rir com isso e até conto a história para as minhas filhas, que, por sua vez, são loucas pelo vocalista do JotaQuest. Mas, na época, eu levava muito a sério! Fazia aulas de reforço só para encontrá-lo mais vezes durante a semana, fingia que tinha várias dúvidas, mesmo sendo muito boa na matéria", lembra Magda Salvador*, médica. "Talvez por ele eu tenha decidido seguir carreira na área médica. Sabe-se lá como funciona essa coisa de subconsciente!", brinca Magda.

Quando amor vira angústia

Tudo muito bonito e até engraçado, mas nem sempre é assim. Quando levado ao extremo, o amor platônico pode gerar muita angústia. Os escritores e poetas românticos dos séculos XVIII e XIX, como o inglês Lord Byron e o brasileiro Álvares de Azevedo, colocaram no papel o sofrimento por amores não correspondidos ou que quase sempre terminavam em tragédia. O pesquisador Remo Mannarino comenta a semelhança do amor platônico com o chamado amor romântico: "Os românticos podem ter buscado certa inspiração no amor platônico na medida em que davam ao sentimento um sentido místico e contemplativo".

O poeta inglês William Blake já chegou, inclusive, a escrever que "o mundo da imaginação é o mundo da Eternidade (…). Todas as coisas, em suas Formas Eternas, estão dentro do corpo divino do Salvador, a verdadeira voz da Eternidade, a Imaginação Humana". Uma nítida semelhança com o modo como Platão defendia a existência dos atos de amor – só nas idéias, na imaginação.

E assim, só na fantasia, Marcela Cavalcanti, assessora de imprensa, foi levando sua paixão pelo novo vizinho. "Minhas pernas ficavam bambas quando eu o via, parecia coisa de adolescente", conta ela, que afirma ter sido sempre muito tímida quando o assunto é relacionamento amoroso. "No máximo, a gente trocava um ‘oi' no sobe e desce do elevador ou nas proximidades do prédio", revela. "Mas aí, no dia em que o encontrei por acaso na praia, juro, achei que fosse ter um treco, ainda mais quando descobri que ele sempre estava por lá", lembra a assessora.

Marcela passou então a freqüentar o mesmo lugar no mesmo horário, torcendo, é claro, para que o encontro acontecesse desde o elevador. O objetivo era ir se aproximando cada vez mais, até que ele puxasse papo. Foi quando vieram as férias do meio do ano e o bonitão viajou. "Fiquei desesperada quando soube pelo porteiro que ele tinha viajado com um grupo de amigos. Comecei a sentir um ciúme absurdo, não suportava a idéia de ver – ou melhor, pensar – nele com alguma mulher a não ser eu. Sentia como se ele já fosse meu namorado, entende?", angustia-se Marcela, que tomou a decisão de que, assim que ele voltasse, iria passar a demonstrar mais interesse e, quem sabe, até tomar alguma espécie de iniciativa.

Mas, quando o rapaz voltou, já era tarde demais. "Chegou com namorada, acredita? Parece que pressenti! Nossa, meu chão caiu, fiquei séculos sem sair com outros homens e me pegava sempre procurando neles algo que lembrasse o meu vizinho. Aos poucos, fui me recuperando, mas com muito colo das amigas!", diz Marcela.

Se, por um lado, o amor platônico pode satisfazer às necessidades de quem ama, por outro, não satisfaz. "Depende da forma como cada um lida com o sentimento", explica a psicóloga Malvine Zalcberg. "Principalmente hoje em dia, quando os amores se desfazem tão facilmente em prol de relações flexíveis, temporárias", alerta a psicóloga. Ela conta que o filme Denise está chamando, de Hal Salwen (1995), explora muito bem – e com uma pitada de humor – o isolamento humano ao mostrar como um grupo de amigos só se comunica por meio de aparatos eletrônicos, sem nunca se encontrarem na realidade.

"Como esses amigos nunca têm tempo nem disponibilidade de se encontrarem, se servem da tecnologia para compartilhar segredos, explorar o amor e a perda e até mesmo tecem suas fantasias por meio de fax, pagers e e-mails. Mais platônico, impossível, e menos propiciador de verdadeiros encontros", descreve Malvine.

Do platônico ao real

De acordo com a psicóloga Malvine Zalcberg, ficar sozinho e amar a distância é, para os homens, uma forma de proteção de sentimentos como inadequação, rejeição e medo de parecerem ridículos. Já as mulheres têm um grande receio de não serem amadas e temem a possibilidade de terem que se confrontar com isso. "Já reparou que, mesmo quando os homens lhes dizem que são amadas, ainda assim elas precisam se certificar disso e perguntam muito aos homens – aliás, quase que incessantemente – se eles realmente as amam, o quanto amam, etc?". Pois é, é a natureza feminina, mas o que todas nós – e eles também – precisamos entender é que no amor não há garantias. "A questão, então, é não se deixar fixar em alguém ou em uma única forma de amar", aconselha Malvine.

É preciso, segundo a psicóloga, abraçar outras maneiras de se relacionar que não exclusivamente na fantasia, na idealização do momento ou do homem "perfeitos". Porque o perfeito não existe, é bom – e engrandecedor – aceitar as falhas. Afinal, o amor eternamente platônico leva à solidão. "Brincar com a imaginação, idealizar, fantasiar, tudo isso pode ser muito divertido. O segredo, em si, é excitante, mas deve ser algo da ordem do ‘de vez em quando', porque se prender a amores platônicos é fugir da realidade, é perder a chance de ter relacionamentos mais gratificantes", finaliza Malvine.

*O nome foi alterado a pedido dos entrevistados.

Comentários

  1. disse:

    Ahhhhhhh!!
    Eu vivo um amor platônico… Gravíssimo ainda por cima, pq mexe mais comigo do que deveria!
    Horrível saber que vai ficar somente no mundo das idéias.

    Muito boa a matéria, adorei!

  2. disse:

    vivo um amor platonico, é horrivel , pois so fico com a pessoa quando ele mi solicita e sou louca por ele. sinto q estou cada dia mas ligada a ele.so q ele nao q se apaarecer cmigo. e diz q gosta d mi mas nao damos certo em outras situaçoes… é horrivel ouvir isso…

  3. disse:

    Eu vivo um amor platonico, só eu amo!!! mas vou tentar mudar essa situação..ele ainda vai vir aos meus pés…
    Me aguardemmmmmmmmmmmm :>

  4. disse:

    realmente deve ser muito complicado gostar de alguém que temos algum relacionamento e escutar que não dá certo em algumas situações! creio que mesmo sendo difícil vc deve ir se desligando dele porque o sofrimento a cada dia se torna maior visto que o amor cresce a cada dia dentro de nós…tente viver sua vida sem planejar o seu futuro com ele…

  5. disse:

    Parabéns pela matéria! Muito bem escrita, consistente, interessante!
    Vai de Platão à literatura romântica e nos envolve até o fim. Gostei!

  6. disse:

    (CL) Nossa que exelente matéria!!!
    Vivi 14 anos um amor assim… e agora, comecei de novo…
    estou amando, só que agora, é virtual… e como li na matéria,
    é exatamente como esta acontecendo comigo…
    Acho que é bom por um lado, mais é ruim por outro…
    Fazer o que né, agora vamos ver até quando vai esse meu louco amor!!!
    (L)

  7. disse:

    Eu adoro paixão platônica…Quando estou apaxonada fico mais bonita, mais sorridente…Olha que eu nunca trai meu
    marido….Mas paixão platônica e assim mesmo se a gente chegar muito perto perde o encanto…Então fica so nos olhos olhos…na insinuação, é muito gostoso….Já tive paixão platônica correspondida, é que ficou so no toque de mão, sorrisos e olhos…..Umam delicia….Pena que acaba é acaba bem…..Deixando apenas a saudade.

  8. disse:

    gente… boa noite… acabo de chegar e adorei a matéria…
    ótima…

    o que eu posso dizer… eu vivo um amor platônico a algum tempo… não sei o que fazer… ele vira a minha cabeça… eu não durmo se não pensar nele… no sorriso, na fala, no jeito de se vestir e andar… é horrivel isso … não sei como posso ama-lo… não temos um relacionamento de amizade… acho que só eu o conheço… para ele eu não existo e isso é o que mais me doe… a cada instante esse amor cresce… eu peço a Deus para que acabe com isso… porque já esta passando dos limites… eu não desejo isso para meu pior inimigo… mas a cada dia eu o amo mais… juro não sei mais o que fazer… amo ele e acabou! :(

  9. disse:

    O amor platônico deve ser sentido por pessoas de cabeça feita , que não sonham nem idealizam , de modo a se divertir e achar gostoso , tendo a mais plena consciência de que “se encostar” , acabou o encanto , como diz uma parte da matéria.Fora isso , o amor platônico é doentio e obssessivo.

  10. clau20 disse:

    Boa noite a todas!!
    Vivi um amor platônico durante 5 anos,foi horrivel,sofri demais
    ainda tive que aturar ve-lo com aquela que se dizia ser minha amiga(DA ONÇA).
    Isso aconteceu a uns 15 anos atrás,sou casada a 10 anos e ainda lembro dele
    com carinho. :D

  11. disse:

    Patlonicoou nao, nada na vida é definitivo. O que importa é amar sempre e cada vez mais. A vida sem amor não tem sentido, porque só o amor é vida, só o amor constrói.

  12. disse:

    ´Parabéns pela materia. Gostei muito. Beijos…

  13. disse:

    ´Parabéns pela materia. Gostei muito. …Platonico ou não, nada na vida é definitivo. O que importa é amar sempre e cada vez mais. A vida sem amor não tem sentido, porque só o amor é vida, só o amor constrói.. Beijos…

  14. disse:

    Amei a matéria, vivi um amor platônico dos 12 aos 17 anos, era um homem bem mais velho, vivia apenas para vê-lo, quando o via meu dia ficava azul, até que um dia ele se casou, quase morri, hoje em dia corro desse sentimento, pode ser até bom, mais se levarmos a sério podemos sofrer!!!!
    Beijos!!!! :D

  15. disse:

    Ah…Como é bom sonhar, principalmente com um grande amor. Acho que na minha vida, já tive vários amores
    platônicos. Sempre fui um romântico nato e já com seis anos, acabei me apaixonando pela minha vizinha, da
    mesma idade. Sonhava com ela todas as noites e ficava imaginando muitas situações. Ísso durou uns tres anos,
    quando comecei a frequentar a sua casa, Nós sempre ficávamos sentados juntos e ela pegava uma almofada
    e por baixo dela, ficávamos de mãos dadas. Era uma emoção muito grande, quando acontecia o fato. Meu cora-
    ção disparava e eu suava frio. Crescemos juntos, mas nunca comentamos nada sobre o assunto. Era um segredo
    nosso e morreu com a gente. Parecia uma magia e foi lindo. Mas as coisas não pararam por aí. Tive um amor pla-
    tônico pela mulher de um amigo meu e durou mais sete anos, para consumar-mos o fato. Ela era casada com o tio
    de um grande amigo e era muito linda. Ela era loira de olhos azuis, um corpo escultural e acima de tudo, um
    excelente bom-gosto-musical, o que me fascinava ainda mais. por eu ser músico. Quando ela ainda era uma
    adolescente, com uns 18 anos, o Cesar camargo Mariano, que era primo do Toninho , na época, seu marido,
    era também apaixonadíssimo ´por ela, mas ela acabou se casando com o seu primo. Frequentávamos sempre
    a casa dela e sentia que também, era correspondido. Fazia de tudo para agradá-la, até ao ponto dela querer rever
    o Cesar, novamente. Ele já estava casado com a Elis , na época e como frequentava a sua casa, telefonei para ,ele dizendo que a Maria Helena queria revê-lo. Quando falei dela, o Cesar mudou até o tom de vóz e não poderíamos
    imaginar que Elis estava ouvindo na extensão. Ela me xingou de tudo o que foi nome, fazendo juz ao seu apeli-
    do de pimentinha e ficamos sem nos falar, por uns dois meses. Mesmo asim, fomos pra casa dela e ficamos até
    de madrugada, cantando tocando, nos divertindo muito. nesta época ela já havia separado do Toninho e acabei
    dormindo na sua casa. Quando estava dormindo, fui acordado com o beijo dela e as suas mãos acariciando meu
    rosto. Não estava acreditando no que estava acontecendo, parecia um sonho…Começamos a nos beijar muito
    e ficamos nos amando até o dia seguinte ao som do Dick farney e de nosso também amigo, Jhonny Alf. Ficamos
    juntos por quase, 5 anos e depois nos separamos, ficando mais do que amigos. Mesmo com outras companheiras,
    saíamos sempre juntos para os shows, cinemas e barzinhos. Infelizmente ela acabou morrendo de cãncer a uns
    tres anos atrás e nem o Cesar ficou sabendo , poquê agora está morando em NY e perdemos o contato.
    Amar é muito bom e é muito bom sonhar, mas existem certas coisas que doem demais e uma delas é o amor platõnico,principalmente, quando não somos correspondidos. Tenho um outra história linda de amor, mas fica
    para uma próxima vez. Nesta história tem até um CD inteiro ,que compus as letras e músicas só para ela.
    Abraços à todos!
    Marcos

  16. disse:

    Platão foi um filósifo que simplesmente interpretou “Sócrates”. Mas de amor se fala com outras letras. Quando se fala em amor temos que pensar mais alto. E sexo faz parte disso. Não acredito em amor sem sexo. O romance é a preliminar mais sutil da realização humana. É quando uma mulher se sente realmente femea e um homem totalmente macho. É o ápice, é a plenitude, é tudo. O resto é o resto.

  17. disse:

    boa noite pessoal
    eu tambem viviv um amor plaônico aos 08 anos de idade me apaixonei pelo professor, imagine eu uma criança ele um adulto ,mas ele nunca soube :) )

  18. disse:

    É certo que vivemos sempre de amores, ficamos a espera daquele que será eterno, vivo um amor platônico a mais de quatro anos, estranho pois a primeira vez que eu o vi, meu coração diparou, os olhos brilharam, e entre um conversa e outra não consegui conter-me e declarei-me, estamos até hoje vivendo cada um a sua vida, mas viemos de amor intenso na tela do pc, quando isso se tornará real? Não faço idéia, bem que gostaria de cair nos seus braços e beijá-lo, mas vá lá se saber quais os motivos que nos impedem de chegar a tal ponto, talvez seja mesmo a culpa do Oceano Atlantico, rsrsr. ;)

  19. disse:

    O melhor do amor platônico é que ele é eterno, você nunca esquece.
    Vive um aos 17, aos cinqüenta , novamente com toda a sua plenitude.

  20. disse:

    Excelente matéria.
    Conheço várias pessoas que viveram amores assim, inclusive no trabalho, e uma dessas amigas, mesmo sem ter pelo ao menos tocado no cara, as pessoas falavam e etc, ela chorava o tempo todo, e o pior de tudo, o cara correspondia mais não podiam se envolver, pois todos notavam os olhares etc.
    Ela saiu da empresa, ele tbm e já se encontraram fora, mas ainda não roloui, e acho que nem vai rolar, ele é casado e ela tbm, mas os dois se atraem.
    Esse lçance de amor de imaginação não rola comigo, mas sei que existe e bem próximo.
    :> (L)

  21. disse:

    Hola pessoal, eu tambem vivo um Amor platônico a mais de quatro anos, atualmente vivo em outro pais ja faz mais de dois anos que ñ nos vemos e eu continuo aqui apaixonadicima por ele as veses eu ligo para ele com aquela velha desculpa de pedir um favor para ele ai no Brasil(favor que eu podia pedir para qualquer outra pessoas rsrsrs) no começo desde ano eu tive que fazer uma cirurgia e no meio da cirurgia eu despertei gritando o nome dele rsrsrsr olha que mico e pior alem de gritar o nome dele eu ainda dizia quero fazer amor com vc,os medicos muito inteligente no final da cirurgia foram falar com meu esposo e chamou ele pelo nome que eu gritava no centro cirurgico,menos mal que meu esposo ñ compreende bem o idioma daqui.uffff :) )

  22. disse:

    adorei essa materia………………..
    pois to vivendo um amor assim, eu trabalho ao lado do trabalho dele, e sei q ele e casado, pois ja vi a
    aliança dele. eu falo e converso com todos do meu trabalho e do trabalho dele tambem, so com ele q eu
    nao falo, acho q eu tenho medo de me aproximar e acabar me declarando rsrs.
    ja fantasiei uma vida inteira ao lado dele………no inicio eu ficava paquerando ele, dando varias olhadas,
    depois q descobri q ele e casado, parei de dar mole, agora ele q fica me olhando ate minha amiga de trabalho falou q quando estou de costa ele fica me reparando. mas é isso, o tal amor plâtonico rsrs (L)

  23. disse:

    tenho um amor platonico de 7 anos… hoje ele ta casado… só hoje percebo que foi uma perda de tempo enorme… quero me disfazer dele, jah nao suporto mais ficar so em meus pensamentos… quero um amor verdadeiro e real… tô me esforçando ao maximo pra ficar aberta as oportunidades que me aparecem… :D parabens pela materia… amei!!! (CL)

  24. disse:

    Legal essa matéria. Quem nunca viveu um amor platônico? Acredito que poucas pessoas, nè verdade? `´E uma pena saber que esse tipo de amor não pode ser consumado. Mas a matéria é muito importante para refletirmos sobre nossas atitudes diante de um sentimento tão bom e ao mesmo tempo tão complicado. (CL)

  25. disse:

    ola pessoal eu vivi um amor platõnico,eu amava tanto e acho q ele tbm mim amava,só q do jeito dele.
    Ficamos 9 anos nesse chove e não molha.Estava sempre a disposição para ele.nós não saíamos sempre pois ele saia com outras e quando ele mim ligava mim chamando para sair eu não pensava duas vezes,ia correndo. Eu sentia a mulher + feliz do mundo quando estava perto dele.hoje sou casada,mas lembro dele com carinho.quando o vejo fico tremúla.

  26. disse:

    Nossa foi a materia mais bem escrita, que li sobre o assunto. E mais interessante ainda foram os comentarios. Já passei
    porisso e sei o que é. Mas o pior é quando os dois querem e não pode ser. Aí dói mesmo. Mas qdo. vc. ve os olhos dele te
    seguirem através do reflexo de uma janela ou sua cabeça se virar quando vc passa. Ou ver ele te encarando seriamente
    quando voce passa com aquela maquigem nova ou numa roupa que lhe cai muito bem. O coração bate forte, voce pensa,
    ai ninguém pode ver, não dá bandeira…e tudo que voce quer é dar mole mesmo. Mas não é permitido. As vezes até não
    resistem e se tocam, só o socialmente aceito. Até parece que vai satisfazer né. Mas diminui um pouco a angústia. Sei lá
    o que é isso…um vício…desejo…tara não satisfeita. Não sei o que é e nem no que vai dar. Não dá… (6)

  27. disse:

    Ah…
    Tô vivendo um desses! Eu acho tão bom! Ruim de pensar que certas coisas não vão passar, mesmo, da minha cabeça imaginativa! E sabe, ele tem até música! :) )
    Mas, sabe o que?! Se o amor deixar de ser platônico e ir pro real?!
    Eu ñ saberei, MESMO, o que fazer!
    E sou do tipo que qdo ele passa e fala…as pernas param de receber qualquer tipo de comando. Amo e detesto ficar assim! É vulnerabilidade d+! E se ele perceber?!
    Por isso…às vezes passo por ele e NEM falo! Mas com uma vontade gigaaaaaaante de ir até lá!!

    Ah…

    é platônico… (L)

  28. disse:

    Tambem ja tive um aos 14 e aos 16 anos mais isso passou graças adeus mais foi uma delicia e muito bom,acho que aprendi a ser muito realista.Nos mulheres temos isso no sangue duvido que nem uma mulher tenha passado por issO,somos sonhadoras natas em romances.Mais acredito que nos faça bem isso de vez enquando nos alegra o coração nos sentirmos apaixonadas e amando,faz com que nos arrumamos mais e sorrir e sentimos mais lindas. (L)

  29. disse:

    Já vivi e por algum tempo é bom,mas prefiro viver um amor correspondido é muito melhor :) ) :D :>

  30. disse:

    Oi, Amei a matéria, super completa. Parabéns Daniela Pessoa. Estou vivendo um amor platônico a 7 meses. Da emoção da poesia essa paixão está se tornando angustiante. Mas por mais que doa, não tenho nenhuma pretenção que acabe. Gostaria de me corresponder com outras meninas que estão passando por isso também.
    Meu e-mail é barbie_rone@yahoo.com.br

    beijos

    Eli

  31. disse:

    Marcos, vc é um craque com as palavras heim!! Que amor lindo e vc contando, parece história de livros de romance. Que pena pelo final triste… Tive dois amores platônicos e em um deles eu me apaixonei de vedade. Ficava 24 horas imaginado como seria nossa 1ª noite. Nossos beijos eram inesquecíveis e intensos. Os sentimentos eram mútuos, incríveis. Até nos assustava. Mas não estávamos em boa fase para deixar nada mais que beijos acontecer, poderia ser desastroso não sei se vc me entendi.
    Ahhh! O que seria de nós se não existisse os sonhos, eu vivo deles!
    Beijos e ótima semana

  32. geniazambuja_geminiana disse:

    Eu tive um amor platonico aos 22 anos,ele era bem mais velho .uns 30 anos,ele me tinha como amiga,mas eu era louca por ele,todos os dias ele me ligava no mesmo horário,quando ele atrasava,eu quase morria,e quando o telefone tocava,o meu coração parece que ia sair do meu peito,ele lia poesias para mim todos os dias,me contava tudo o que ele fazia,isso durou uns cinco anos,pois fui morrar em outra cidade e acabei perdendo o contato com ele,acabei casando com outra pessoa,mas as vezes me bate uma saudade dele,pois ele é do signo de cancer,ele é tudo o que uma mulher pode esperar de um homem,o meu atual marido também é de cancer.

  33. disse:

    eu vivi um amor assim,já faz muito tempo,eu o amava tanto que ,minha amiga dizia q eu era obsecada por ele ,um dia isso acabou ás vezes eu ,fico me perguntando se daria certo nós dois mas eu acho q não ,até.fomos namorados,mas ele era muito mulherengo e não correspondeu as minhas expectativas,eu o idolatrava,foi um amor adolescnte,hj depois de 13 anos nos encontramos,ele me pediu pra procurá-lo,mas não fui atrás,…sofri muito por ele e não quero repetir a mesma estória outra vez…………………………ele me marcou muito :,(

  34. disse:

    eu vivi um amor platonico quando eu tinha 14 anos,um dia me declarei a ele,ele me disse que eu tinha que crescer…resumindo eu cresci e um dia eu o encontrei conversamos e ele se declarou…ai eu disse que ele tava velho demais para mim,mas na verdade eu estava morrendo de amores por ele,so queria da o troco………enfim de o orgulho fez eu deixar esse amor para trassssss.bbbbjs

  35. disse:

    bem…mor paltonico acredito que seja o melhor e o pior dos amores… melhor pq de certa forma vc idealiza esta pessoa e sonha tanto em alcançala que ela se torna algo indescritivelmente perfeito, divino…e isso ao mesmo tempo é ruim..agora lu vou te escrever algo que te deixo de coração, e espero que não enterprete mal…foi ótimo perceber que na verdade este cara era mesmo para ser deixado para tras..assim eu espero… mais não deixe o orgulho te levar ao sentimento de vingaça…a algum tempo aprendi da pior maneira que tudo que vai volta em triplo pra gente mesmo que não tenhamos tido a intenção de sermos má e ou vingativa….pro seu bem eu te digo que as vezes é muito melhor deixar que a vida se encarregue de fazer as correções do que sujarmos nossas proprias mãos e mais tarde termos que arcar com isso. bjos e tudo de bom… =((

  36. disse:

    Eu estou nessa ja faz um ano, primeiro era só sexo, depois quando tentei sair da relção pois sabia que estava prestes a me apaixonar, ele me iludiu e eu cai como um patinho, depois disso, muitas brigas acontecerem, voltei a falar com ele até marcamos um encontro mas eu levei uma amiga para ele conhecer, pois queria provar pra ele que já não gosto dele, mas não adinata, o safado sabe que eu gosto dele, pelo menos acho que plantei uma dúvida.
    O caso é complicado, porque qndo resolvo esquecer ele aparece, mas já vai fazer um ano que não rola sexo, mesmo ele querendo e eu também, meu orgulho é maior, ele me fez sofrer demais e ainda faz.
    Mas nas minhas fantasias, ele é aquele homem honesto e carinhoso comigo, fazer oque, pura fantasia mesmo.. affff só espero um dia superar isso, mas tem que ser logo, to muito angustiada mesmoooo…

  37. disse:

    Eu tbm vivi um amor platonico, foi durante 3 anos… No começo era bom, mas com o passar do tempo foi ficando ruim pq esse amor está a me machucar tanto que contei a ele dos meus sentimentos !!! Eu ja sabia da resposta mesmo assim quis contar pois já não aguentava mais esconder…A principio ele falou que não sentia o mesmo nem poderia, só gostava de mim como amiga, tinha uma tarinha em mim mais só… Assim eu fui continuando com o amor, só que de uma maneira mais leva pois tinha contado tudo… Parei de ficar a imaginar coisas com ele, cheguei até a para de ficar com ele, fiquei só na amizade mesmo, se bem que por dentro eu continuava a ama-lo! mais depois de ouvir repetidas vezes que : eu não sinto o mesmo, eu não sou apaixonado por vc e assim ia, eu não estava mais afim de ficar ouvindo isso direto né? então resolvi ficar na minha e entra na dele de ser apenas amiga !! Só que depois de um tempo, acho eu que depois de um ano sem ficar com ele, só na amizade mesmo, se falando no msn, pelo tel, não ligava quando ele comentava sobre outras mulheres comigo e não ficar mais chateada com ele, quando ele vinha me conta das paqueras dele, eu tbm fui soltando-me contava dos meus paquerinha , de pessoas que eu conhecia e que achava legal e até de supostos namoros que eu tava afim de ter… Ele começou a mudar, todo pretendente a namorado que eu arrumava ele colocava defeitos e assim ia,até chegar o dia, para minha surpresa em que ele falou pela primeira vez depois de 4 anos que estava apaixonado por mim, fiquei sem saber o que pensar e sem ter o que dizer…Depois em uma conversa séria ele me falou estava gostando de mais, só que essa história desde do começo eu sabia que não daria certo, nem poderia ser… até o dia em que ele falou : eu amo vc, aff quase tive um troço de tanta emoção em ouvir aquilo,mas essa história não pode ser, então ele vai continuar a ser meu eterno amor platonico ;)

  38. disse:

    Sei bem o que vc está passando, pois passei coisa bem parecida com a sua, até quando vc diz: quando resolvo esquecer ele aparecer…rsss Era assim mesmo que acontecia comigo, no começo era só sexo, quando eu tava presta a me apaixonar eu puleu fora, passou 6 meses e vc acredita que ele apareceu e para piorar mais bonito que antes… tive alguns encontros com ele, só que eu resolvi ser forte e não ficar mais, pois era sem futuro e depois eu sairia mais ferida do que antes… Pois bem amiga se vc já conseguiu ficar um ano sem ficar com ele, isso já é um grande passo, digo mais é o primeiro passo…agora vc tem que da o segundo que é muito dificil tbm,mas é preciso que é, se afasta dele por completo, só assim vc vai conseguir superar isso…Nesse momento estou em situação semelhante, tbm estou a um ano sem ficar com uma pessoa que eu amo de mais, mesmo morrendo de vontade sei se ficar com ele, tudo vai volta a ser como antes e vou volta a sofre tudo outra vez ! por conta disso me afastei e estou tentando fica o mais longe que der dele…Vc agora esta forte para dizer não, então não caia na besteira outra vez de ficar, pois a recaida é pior do que um começo :)

  39. disse:

    Como diria Cazuza ” O nosso amor a gente inventa ” . Já passei da fases dos contos de fadas e não sofro por um amor feito pela minha cabeça ou que minha vaidade quer…
    Apenas me divirto com a novidade que qualquer paixão pode trazer a vida de alguém… sem pretensões.

  40. disse:

    Muito legal a matéria!
    Estão de parabéns!

  41. disse:

    BOM DIA…!
    1º QUERO PARABENIZAR PELA MATERIA, ESTA OTIMA!
    QM NUNCA VIVEU UM AMOR PLATONICO…!!!
    JA TIVE UM… E SO DEPOIS ME DEI CONTA DO DILEMA Q ESTAVA PASSANDO…!
    SOFRI COMO NUNCA, SEMPRE ME INGNORAVA…!
    MAIS ATE HOJE NAO CONSIGO ME DESLIGAR
    AINDA ME IMAGINO COM ELE…VIVENDO UM CONTO DE FADAS :D
    SEMPRE FUI OTIMISTA COM O Q QUERO :) )
    E UM DIA IREI CHEGAR NO ULTIMO DEGRAU
    FALTA FOUCO!RSRSSRSRSRSRSR

    UM ABRAÇO! ;)

  42. disse:

    Ai ai, amores platônicos, já tive vários, vivo fantasiandos vidas inteiras com eles! Tenho sorte de isso não me atrapalhar: tenho meu namorado beeem real (L), mas não deixo de ter alquela história de um século atras que foi pra longe eu fico imaginando se ele esivesse aqui… =((

  43. disse:

    Sabe, acho q tda forma de amar vale apena,porém, acredito q devemos ter cautela e pulso p que não deixemos esse “amor” tomar proporçoes q não possamos controlar.Acho q aí é q mora o perigo, e é onde periga se tornar destrutivo… Creio q amar é viver na mais perfeita plenitude,desde q seja recíproco,pq afinal, amar sem ser correspondida… tenha dÓ, ninguém merece ! :(
    Dói demais, torna-se nocivo pra alma,pro corpo … pra tudo. Agora, sendo correspondido … ah !, a coisa muda de figura. São esses “amores platônicos” , q nos impulsiona a fazermos às mais loucas-loucuras ,em nome do amor. Coisas que, digo assim… “sóbrios” (num estado de não-paixão), com certeza,não faríamos. Amar ,sem dúvida, é transbordar a alma… embriagarmos-nos de sentimentos q nutrem em nós ,puramente, a simples vontade de viver… Bjus e um abração :>

  44. vanvanflorzinha disse:

    Que maravilha amor platônico, quem já não teve pelo menos um?? eu mesma já tive vários, e agora atualmente estou vivendo esse dilema mas é uma maravilha. E VIVA O AMOR!

  45. disse:

    Já tive varios amores platonicos quando adolescente. Me casei e depois de 15 anos me separei. Estou separada há 6 meses. Posso dizer que agora vivo um amor platonico mas que me alegra, me faz sentir viva, entro num mundo so meu, do jeito que acho ser perfeito… sei que é tudo imaginação, que perfeição não existe, mas, acho que agora, enquanto eu estiver nesta turbulencia em minha vida, acho que esse amor platonico me acalma… não estou pronta para nenhum outro relacionamento ainda. Quero curtir minha solidão, quero me conhecer, quero estar livre. Quando estiver pronta sei que coisas boas virão. Enquanto isso, meu amor platonico me faz companhia.

  46. disse:

    Vivo amando de forma platônica. Sou casada a quase 15 anos e nesse tempo foram esses amores que me faziam ir pra academia, malhar, emagrecer, cuidar da mha pele, comprar uma roupa nova. Já fiz grandes loucuras por um deles. Que acho ter sido e é o mais forte. Viajei a várias cidades só pq sabia que ele ia estar lá. Tivemos tudo pra terminarmos numa cama. Foram os abraços mais gostosos e excitantes que tive na minha vida. Como ele mesmo disse: “Faltou o beijo pra que não conseguíssemos nos segurar.”
    Sempre falamos dos nossos sentimentos. E acredito ser recíproco. Ambos somos casados e vivemos super bem com nossos cônjuges.
    Nos conhecemos a 5 anos. E mesmo mudando nossas atividades e quase não se encontrando, sei que o sentimento existe e é platônico. Digo isso a ele. Ele diz que nossa relação a muito tempo deixou de ser platônica. Eu não acho. MAis acredito que se tivèssemos ido pra uma cama qdo pintou a oportunidade… hj não seríamos mais amigos.
    Adorei a matéria!!

  47. disse:

    DI PLATONICO NÃO TEM NADA! É DE GENTE SEM VERGONHA NA CARA ISTO SIM. IMAGINA SE O TEU MARIDO FAZ ISTO CONTIGO? TOMARA QUE ELE ESTEJA APROVEITANDO TBM.

  48. disse:

    eu tbem vivi a tres anos atras , eu ja o conhecia mas nunca tinha reparado nele , um dia olhei melhor e mim apaixonei , rolou um clima entre nos , da minha parte e tbem da dele ,nao rolou nada ,fiquei tres anos sem ver ele ,mas nao tirava ele do meu pensamento ,imaginava um monte d fantasia sexsual com ele ,mes passado eu vi ele dinovo ,minhas pernas ficarao bambas ,mas ele ja estava casado . ele mim olhou d um geito q eu nao aguentei , dei a maior bola p ele ,ai ficamos,foi bom ,mas acho q perdeu um pouco o encanto , mas se eu ve ele dinovo ,acho q fico com ele dinovo :$ :$ :) ) :) )

  49. disse:

    Na verdade ,e muito bom nos faz nos sentirmos viva com vontade de colocar a melhor roupa,o melhor calçado ,se pintar,resumindo dar uma melhorada no visual,você se sente muito mais bonita ,e quando ele chega perto não sabemos o que falar perdemos a fala,o coração acelera,e muito gostoso.No meu caso,as vezes me sinto deprimida ,mas basta sonhar com minha adoravel paixão pro dia ficar cor de rosa .O incrivél e que até minha pele fica vistosa,sem contar que tenho um caderno no qual nos conversamos todos os dia.E muito gostoso,hoje sou separada de um casamento de 20 anos,mas me sinto feliz.Amo amar essa pessoa,ela me faz Feliz. :D

  50. disse:

    Na minha opinião isso ate pode fazer algum bem por algum tempo, mas ate quando suportamos um amor dessa forma???????

  51. disse:

    Nossa, parecia que esta matéria foi escrita por mim, contando minhas histórias… pensava que só eu havia passado tantos amores platônicos. Agora entendo, depois de várias seções de terapia, que tudo não passava da minha timidez, medos, bloqueios e a sensação de me sentir ridícula não correspondida. É bom sim ter amor(es) plantônicos, mas o melhor é se declarar sem medo de ser feliz, ao menos tentar e dizer o que sente pelo outro!;)

  52. disse:

    tenho um amor platonico…

  53. disse:

    Ai amor platônico ninguem merece…ja passei por isso e não gostei!

  54. disse:

    NOSSA!!!!! (CL)
    ESSA MATÉRIA É MARAVILHOSA. :) )
    COM ELA CONSEGUI M ENTENDER…ENTEDER O Q EU SINTO ….AMOR PLATÔNICO! E …. HÁ MUITO TEMPO…
    :,(
    BOM , COMO DIZ NO TEXTO…TEMOS Q APRENDER A LHE DAR COM O SENTIMENTOS E VAMOS SAIR DO CAMPO DAS IDÉIAS E PASSAR PRO CAMPO DOS SENTIDOS, ;)

  55. disse:

    TAMBÉM VIVO UM AMOR PLATÔNICO POR UM COLEGA DE TRABALHO. É MUITO ANGUSTIANTE VÊ-LO COM OUTRAS.MAS A CADA DIA QUE PASSA , FICO MAIS APAIXONADA! (L)

  56. disse:

    eu vivo um amor platonico…mas nunca deixei isso enterferir na minha realidade, sofro pra dentro…mas na realidade vivo um casamento a 28 anos, cheio de respeito…essa é a base do casamento dar certo…agora qto a fantasia esta pertence so a mim e a ninguem mais…por isso acho q amor platonico é fundamental em nossas vidas…temos q saber lidar com este sentimento, para nao interferir, com a realidade…e assim poder viver de forma confortavel…amor platonico, eu acredito ser aquela alma gemea que era pra se juntar a vc, e por capricho do destino te foi tirada esta chance de ser feliz. =((

  57. disse:

    Mt bom esse artigo!!!
    rsrsr é bem assim mesmo, bem platônico… e como se ele fosse perfeito, mas tenho consciência de que as coisas não são assim… é uma admiração sem q nada tenha sido feito pra despertá-la… fantasiado sabe!?
    ahh momenots terríveis, mas às vezes é bom… ciúmes da namorada dele?
    Não tenho, tvz um pouco de inveja por ela está com ele, mas só em algumas situações… 8-)

  58. disse:

    Amei esse artigo, tem td haver comigo, eu estou vivendo um amor platonico, o conheci na net a mais de 2 anos atraz, ele mora em outro país, mas no final do ano ele esta vindo, e finalmente iremos nos conhecer pessoalmete. Bom isso sim q é um amor platonico rsrsrsrsrs
    Se alguém estiver vivendo uma historia parecida com a minha e quiser trocar ideias é só me avisar!!!
    Ate mais galera!!! :D

  59. disse:

    Amores Platônicos? Nem pensar!!! A vida mostra que nossa existência tem começo , meio e fim. Nossos trabalhos, nossas expectativas, tudo isso tem um início, uma fase de transformação e um fim, mesmo que não seja este fim o término do projeto ou da vivência. Amores platônicos – e que Platão nos desculpe pelo mau uso do termo – são alternativas pueris de envolvimento emocional, onde os receios e as incertezas sobrepujam a decisão e a coragem de enfrentar os medos e o preconceitos arraigados. Assim esta experiência dá ao neófilo a sensação de baluarte de seus valores morais, mas por outro lado, é certo que levará por muito tempo – e põe tempo nisso – a sensação de inacabamento de um ciclo. Se o amor foi despertado, avalie e decida: esqueço ou vivo. Mas o calvário do não realizar é experiência para deixar um vácuo na vida.
    Amor ou mesmo Eros, devem ser vividos, sob pena de engrossarmos as fileiras das salas terapêuticas.
    Ame e dê vexame, como já disseram. >=)

  60. denise_vr65 disse:

    hoje.sou casada, tenho um bom relacionameto
    mas, ja vivi, um misto de amor, amizade, acho que esses sentimentos se misturaram
    e até hoje não sei bem o que vivi.As vezes quando encontro com essa pessoa
    tenho aceleração cardiada e me monitoro para que as pessoas que estão em minha volta
    não percebam. Sinto que isto também acontece com ele.
    mas, tb´, ja esta casado.
    Não soubemos definir nossos sentimento e o tempo passou, nada que volta é vivido
    como no passado.
    para nós basta as lembranças

  61. disse:

    Linda a matéria, adorei.
    Atualmente estou vivendo um amor platônico, quer dizer, está mais para virtual. O virus da net me pegou, mas o interessante é que acho que sou correspondida, não acredito muito porque sabemos como rola essas coisas pela internet. Mas teclamos quase todos os dias, trocamos idéias, carícias, bjs…….. nossa é maravilhoso. Mas o pior é que sei que ficará somente na fantasia, na imaginaçao, tenho meus pés no chão. Mas curto, adoro meu amor platônico ou será virtual?, não importa, o que interessa é que ele está me fazendo um bem danado. BJs..

  62. disse:

    É horrível ter um amor platônico. Não importa o motivo para ele não se concretizar, pode ser timidez, medo, insegurança ou se ele já tem compromisso. Não vejo nada de bom em ter um amor platônico, é triste demais…a pessoa que você quer é o seu mundo e não sabe e você não pode ser nada para ele. No começo é até bom ter o seu ser “encantado” em suas fantasias, mas a medida que o tempo passa é triste esperar por alguém que nunca vai chegar. Enfim, acho que é melhor ter um amor para ser vivido ao vivo e a cores. Enfim, eu já tive um e espero que um dia ele saiba que era muito especial para mim.

×
Faça do Bolsa de Mulher
sua página incial
E também acompanhe: Newsletter